Tuesday, July 3, 2007

Uma lerda no mundo agitado


Tenho um novo brinquedo, um telefone celular Sony Ericsson, super moderninho com tudo que se tem direito, telefonar, mandar sms's, câmera fotográfica de vídeos, MP3, rádio, internet - esse eu tirei pq tinha que pagar mais, e também muitos games em 3D.
Quem escolheu o modelo foi o meu filho, com um argumento técnico.
A cor é vermelha no tom bordeaux, bem diferente do meu antigo Nokia cinza.
Mas eu gostei muito do painel, que é grande, e pra uma ceguinha é sempre conveniente isso.

Mas eu estou a lerdeza em pessoa, virei eu uma ogra, o verão tem sido de chuva, 15 graus...isso é verão?
E não há muito a fazer a não ser a rotina diária, ir ao dentista, escola, levar no judô, compras, lojas, arrumar a casa, pensar na vida, sonhar acordada.
Final de semana passada fomos assistir Shrek the third, e eu gostei muito, apesar de perder muitas coisa com a dublagem em holandês, prefiro ler em holandês do que ouvir, mas essas animações modernas são bem superiores mesmo.
No sábado Dimitri tirou o diploma B de natação, o A ele tinha conseguido umas semanas atrás( e eu tinha ficado doente) e a Dominique conseguiu o A na segunda feira na escola.

Tarefa cumprida, principalmente pro pai deles que era pessoa que os levava na natação. E ele deve estar feliz que não vai precisar mais acordar cedo todos os sábados, ou pelo menos não ter a obrigação que tinha.

No próximo domingo é o festival de verão de música em Leiden o werfpop e esse eu não perco, todo o ano estou lá pra ver as bandas, dar uma banda, e fica num parque super legal, com cara de festival mesmo, mas o tempo tem que colaborar senão fica muito chato.
E na próxima sexta em Londres meu amigo o DJ Renato Lopes vai tocar numa festa, com outros DJ's e a festa é organizada pela Simone Rutuolo, que morava no ABC...num deles lógico. Pena não poder ir assim, sem compromisso.

Na semana que vem tenho visitas de Berlim, a elétrica Sabrina Fidalgo tá chegando, e com certeza vamos tricotar bastante, assim espero, ela está envolvida em um projeto que é um documentário sobre os bailes funks no Rio de Janeiro.

Quantos aos meus amigos, não tenho visto, só falado ao telefone. Tenho uma amiga que está apaixonada, e curtindo a vida real, bom pra ela.
E eu de certa forma também estou vivendo mais a vida real do que a virtual, estou reassistindo filmes velhos, adquirindo CD's de músicas velhas, bandas velhas, não que seja uma fase nostálgica, mas os releases são tão fraquinhos, e compro muitos DVD's pras crianças, aliás a coleção deles é bem maior do que a minha, comprei recentemente Spiderman 2, e gostei bastante do filme, e do vilão, adoro os vilões que sempre fracassam no final.

Estou me sentindo a mocinha boazinha do filme a Mary Jane - MJ como o Peter Parker a chama, ele vivia dando desculpas e nunca ia assistir a peça encenada por ela, do Oscar Wilde, estava sempre sem tempo por ser o Spiderman e aquela velha estória de não poder revelar a verdadeira identidade. Ah! esses super heróis dramáticos.

Finalmente chegamos no mês de julho, em breve irei pra França no curso de budismo, mas amanhã é um dia crucial nesse mundo agitado, a data de falecimento do meu pai, 4 de julho, dia da independência americana, fácil de lembrar em vários sentidos.
Parece que foi ontem agora que estou lerda e o mundo gira gira gira frenético ao meu redor, ano passado eu estava mais rápida que o mundo, todos eram devagar, pensavam devagar.
E como eu percebi no ano passado, meu pai virou estrela...e está lá no alto, todas as noites, cuidando de mim, de todos os seus filhos.
Quem sabe não é ele o responsável pela minha mudança?
Porque há prazer na lentidão, como diz Kundera.
Quem sabe.

2 comments:

Beth Blue said...

<< meu pai virou estrela...e está lá no alto, todas as noites, cuidando de mim, de todos os seus filhos.>>

sei muito bem como é isso..e digo mais: é uma saudade que nunca passa. mas ao menos de uma coisa você pode ter certeza. ele está lá no alto cuidando de você e torcendo pela sua felicidade, hoje e sempre. perdemos nosso pai ou mãe, mas ganhamos um (super) anjo da guarda.

um beijo

Antonio Fontelles said...

A Lentidao, ja li esse livro, adorei, como alias a todos os livros do Kundera que eu ja li.
Minhas condolencias pelo aniversario de falecimento do seu pai... mas é isso que a Beth falou, vc sabe que ele esta bem, ele esta melhor que a gente aqui embaixo, um dia a gente sobe tambem, quando chegar a nossa vez.
Vai pra França? Faz uma paradinha em Bruxelas se possivel...
beijo!