Monday, April 30, 2007

Dia da Rainha ano de 2007 na Holanda


Eba, mais um dia da rainha na Holanda, dia 30 de abril.

E pra variar comemorei em Leiden, no santo sossego.

A monarquia não me apetece como sistema de governo, mas como moro aqui a minha opinião não é válida, então aproveito o circo todo e comemoro o meu carnaval holandês, que é neste dia

o KONINGINNEDAG. E se vocês soubessem quantos anos demorei pra pronunciar essa palavra, meio fanha.


As pessoas vão todas pra rua, vestidas na cor laranja ou com as cores da bandeira vermelho/branco/azul, maquiadas, cara pintadas e entusiasmadas, muito bonito de ver...e claro os bêbados têm uma boa oportunidade de encher o caneco e meter o pé na jaca e em Amsterdã é uma mega festa, com muitos turistas, mas o trânsito de pedrestes é intragável para quem tem fobia social, ou com crianças pra se locomover do interior até a capital, e eu ultimamente evito multidões, por causa das crianças.

Esse ano pela segunda vez em Leiden veio tocar o famoso DJ holandês Armin van Buuren (que nasceu aqui) and friends...a maior vibe, e levei Dimitri meu filho pra aproveitar o espetáculo, já que minha filha estava na casa dos avós em Lisse (uma outra cidade perto de Leiden) onde fica o famoso K E U K E N H O F (um grande jardim/PARQUE e festival das flores aberto na primavera, pra turistas e pessoas interessadas em conhecer, e ver aquele bando de tulipas e outras flores), vem muitos turistas até do Japão somente para esse festival.


Achei super fácil andar pelo vrijmarkt (onde as crianças vendem de tudo ao ar livre), brinquedos, roupas, livros, e jogos...tinha uns colequinhas de classe vendendo e também ele vendia "spray laranja pro cabelo", uma sprayada custava 10 centavos de euro...Dimitri quis lógico, e também deu uma jogadinha de bowling...de plástico(custava 50 centavos) e outros jogos.
Muitas crianças tocam instrumentos como flautas, violinos, etc...e tinha uma menina que estava com o cestinho na frente cheio de moedas, e tocava tão fraquinho...claro passando o dia tocando, era de se esperar porque devia ter uns 4 anos.

Gastamos uns 40 euros em trecaiadas, latas, bolsas (comprei 3), tava no dia das bolsas, Bionicle do Harry Potter e um chamado Lehvak va...roupas, brinquedos... faço a feira e como já sei, sempre levo uma bolsa grande pra trazer as barganhas pra casa.
Sempre penso em vender algo no dia da rainha, mas não gosto muito de ficar parada no lugar num dia como esse.

Existe aqui também uma coisa chamada "grabbelen"pras crianças...(você coloca numa caixa/cesto/container várias coisinhas embrulhadas em papel de presente ou papel jornal) e pode custar 10,20,30 e até 50 centavos, e você ganha alguma surpresa, mete a mão dentro e tira a tal surpresa.


Dimitri estava atrás dos famosos cartões de pockemons pra sua coleção, mas tinham poucos a venda, é uma febre por aqui, tinha um estande(?) pano no chão c/ as coisas encima, que estava vendendo o absurdo de 1 euro cada cartão...ai eu não deixei ele comprar, é a criançada aprendendo a ser capitalista, fazer o que.


Comemos várias coisas na rua, sorvete, loempia (rolinho primavera vietnamita, pronuncia-se LÚMPIA), mas o que mais ajudou este ano foi a temperatura, calor, sol apesar de ter um ventinho e eu com as minhas havaianas novas trekking (tenho uma coleção), inacreditável. Eu me divirto, mas me lembro do Al Gore, sobre o global warming. Ui.


Um belo dia pra paquerar (como se os holandeses paquerassem, hehehe, mas eu sim) e ver o povo "pelado"com suas tatuagens, outfits dos súditos de vossa majestade, e criatividade porque em trecaiada COR DE LARANJA os holandeses são reis, apesar de achar que a molecada aqui usa muito marca diesel, g-star raw, bjork borg, replay, etc...ai meu deus, muda o disco, tem de tudo pra dizer a verdade nessa Holanda.


E o DJ tocou um remix do Inner City "Big fun"(que tocava no Nation)...apesar de gostar mais da versão original, bom sou suspeita pra falar porque faço parte da old school da house music, que ultimamente chamam de música eletrônica. 


E penso que às vezes We DO REALLY need a crowd to have a party...assim como hoje, porque afinal é lá fora que a vida pulsa, na primavera...no movimento das pessoas, numa festa popular, no dia da RAINHA, até o ano que vem! 


Lang leven de koningin....BEATRIX! 

Saturday, April 28, 2007

Um moço bom e uma boa moça


Encontrei um moço muito bom chamado Theo. Já dei-o um apelido
Theo blue eyes, parece óbvio...mas não é.

E é engraçado, porque estava procurando há meses uma pessoa.

E agora que achei, eu não sei o que fazer.

Essa pessoa em questão era TUDO QUE EU QUERIA e gostaria de encontrar numa outra, uma pessoa que conversa de tudo quanto é assunto. super eclética mesmo, e que eu me sinto super a vontade, como se já nos conhecêssemos há anos. Isso foi desde o primeiro momento que nos vimos, ele estava até com o mesmo blazer preto de veludo, e me trouxe flores colhidas do seu próprio jardim (narcisso).

Eu não queria mais conhecer UM ANIMAL, uma pessoa a qual só tivesse "prazeres carnais" e que não estivesse realmente interessada na minha pessoa, na minha "doença", no meu desenvolvimento como ser humano(tenho ainda trauma da minha relação passada), e mandei meu pedido ao universo, e fui presenteada:

Com um moço bom.

Agora é o momento ideal para uma pessoa assim na minha vida, uma pessoa ponderada.

Uma pessoa que me escuta, que me acha bonita, mesmo com uns quilinhos a mais.

Que não vê problema que eu seja bipolar.

E que tudo que sai da boca dela, é pra me ajudar a me aceitar como sou, uma pessoa tranqüila, que não tenha ataques, neuroses desnecessárias.

Outra, o cara é da minha idade, loiro...olhos azuis(lindos por sinal), corpinho tudo em (a)rriba...não é fotogênico, ao vivo é bem melhor, mas uma pessoa com uma aura super boa, aura boa(?) tô virando hippie também...daqui há pouco tô usando blusa de batik...maquiagem au revoir...e meus produtos da Shiseido, chanel, clinic vou doar pro exército da salvação.

Foi professor de alemão, e agora está procurando outro meio de vida, algo que o preencha

mais e vai pra França fazer um curso de plantagem orgânica, e se gostar vai morar lá.(???)

Enquanto isso pinta, esculpe, cuida do jardim, ouve só música boa(sério), sai com os amigos e amigas, tem vida social normal, e de vez em quando (nas férias) fica com os filhos que moram na Alemanha, a ex é alemã, sua grande tristeza morar longe dos filhos. As crianças são uma graça, e também um casal.

É meio zen, hippie chic moderno...mas não é hippie nem chic...já foi pro Nepal, adora viajar, faz yoga, nordic walk, a casa da criatura e romântica, cheia de plantas, cores bonitas, bem decorada, a geladeira cheia de comidas, cervejas, tem vários vinhos, um carro super bacana, não entendo nada de carro, só sei que ele me traz em casa de carro e mora noutra cidade, não na minha.

O jardim dele é fabuloso, com parreira, várias plantas e flores, e até sapos tem. E um dos hobbies dele é bakken (fazer coisas no forno, torta de maçã, bolos, doces, etc)....


Tudo é tão lindo e perfeito, mas ao mesmo tempo, estou com saudades do tempos que era mais impetuosa, e fazia loucuras, e principalmente saia atacando com a pomba gira a mil...hoje estou mais reservada (culpa do lítio?)...

Me sinto uma nova eu, e sei que mereço um "moço bom" na minha vida, já tava na hora. Mas parece que fiz uma faculdade de masoquismo...e só gosto de grandes emoções pra acordar meu espírito inquieto de outrora, ficar apaixonada me descabelar, e depois ficar em frangalhos...catando os cacos de mim pelo chão...drama queen total, ela faz TUDO POR AMOR, até perder o respeito próprio, seria amor mesmo? Antes eu era assim, agora sou esse papel em branco, e se eu cada dia me surpreendo mais com uma Bebete que toma estabilizador de humor, gostaria de saber se os outros vêem diferença ou não.

É tão difícil quando tudo é tão perfeito, parece que as emoções vão pro espaço, ou seria mudar o carma e aceitar algo diferente em minha vida?
Estou esperando a minha intuição me mandar sinal de fumaça, se é que ela já não está mandando.

Se eu der o fora nele, não vou me perdoar...porque não é fácil achar alguém assim, e se ouvisse os conselhos de uma amiga, ficar só de amiguinho(temos poucos amigos holandeses)....pra mim é tarde demais pra isso...porque a gente já se "grudou" fisicamente...então não tem essa de cada um ficar num canto da casa...de amiguinho. Amizade pra mim é sem beijo de língua.

Só que o meu momento agora é de pura dúvida.

Acho que tenho que dar tempo ao tempo, não faz lá o meu estilo...mas é o mais sensato.

Sensatez (eu disse essa palavra?)

Com certeza eu estou mudando, talvez esteja virando também uma boa moça.

Thursday, April 26, 2007

Dominique e Chayenne


Dominique e Chayenne são duas meninas especiais de 8 anos de idade.
Chayenne é bem holandesinha, loirinha de doces e tristes olhos azuis, mãe e pai holandeses. Dominique é um pouco de "tudo" Holanda/Brasil/Itália...mas é holandesa típica também, adora leite, queijo e manteiga de amendoim.
Dominique fará 9 anos dia 19 de maio de 2007. Nove anos...e se tudo der certo, no ano que vem entrará pra casa dos DEZ, dois algarismos 10, o tempo sempre ele.

Dominique é uma menina otimista, alegre, muito feminina, adora colher flores, brincar com bonecas coloridas, aprendeu a jogar game boy e consegue atingir os níveis mais altos, apesar de tudo, mas só os que a interessam Winx Club, Dora, Trollz. Dominique sabe andar de bicicleta de duas rodas, nadar e mergulhar, fala fluentemente holandês e um pouco de português, adora cantarolar e tem uma memória muito boa, e é canhota.

Dominique é suscetível a vírus de gripe, dor de ouvido, dor de garganta, febres, viroses, usa óculos de grau desde os 4 anos de idade, tem estrabismo e muitos tiques e uma coisa muito desagradável, incontinência urinária. O cérebro não funciona direito, e manda sinais atrasados...ou seja, vive acontecendo acidentes, mas a mãe dela procura estar sempre de olho através de treinamento.

Chayenne também tem muitos tiques, é pessimista, não se ambienta com facilidade, não gosta de ambientes barulhentos, nem dos meninos, não gosta de cidade grande e nem de dormir no escuro. Chayenne também tem incontinência, e a noite às vezes dorme de fraldas.

Dominique só gosta dos meninos doces, iguais a ela, dos malvados ela quer distância, e de outras meninas também.
Chayenne e Dominique estão na mesma classe, sentam separadas, porque estão sempre juntas, conversando e matraqueando, e assim não vão aprender, o pouco que conseguem diz a professora Marianne Otto.

Concentração é muita necessária pra esses casos, mas fazer o quê? Se tanto Dominique como Chayenne viajam no buraco negro que habita no cérebro de ambas?
Muitas vezes, elas naufragam no mundo próprio, se comunicam parcamente, vêem o mundo dos "normais" de um prisma bem diferente, aliás elas ignoram esse mundo. Sorte essa escola especial, com poucas crianças, treze ao todo, sorte que elas são levadas e trazidas pra casa com uma van especial, sorte.

Meninas lindas, amizade de infância, muito bonito de se ver como se gostam, mesmo que um dia por experimento seria(?), Chayenne jogou areia nos olhos de Dominique. Dominique ficou braba, fez boicote, mas não durou muito tempo. Amizade tem isso, há sempre perdão, porque a necessidade de estar junto fala mais alto.
Será que Dominique sentirá saudades de Chayenne depois das férias de verão?

Chayenne irá para uma outra escola, também especial, mas diferente. É uma pena, mas será para o bem dela, uma escola onde o nível é mais compatível para as necessidades dela.

Dominique e Chayenne são autistas.

Saturday, April 21, 2007

Dona Felicidade


Lembram da música das Frenéticas e a letra do Gonzaguinha que dizia:

"A Dona felicidade, baterá à nossa porta, e que importa a Mula manca, se eu quero...
a Dona felicidade"...

E lá vou eu novamente a cata da "Dona felicidade", comecei a correr hoje no parque(estilo free running), novamente depois de muitos meses sem disposição, sem vontade, sem ânimo, me sentindo um lixo por dentro e por fora, me enchi de coragem e consegui, dar várias voltas no parque, desviar das fezes dos cachorros, e ignorar olhares da molecada na puberdade fumando maconha, que importa se meu ipod está com as baterias recarregadas, e se esse tipo de corrida sempre foi o meu estilo.
Estou confiante, e amanhã vou novamente, cada dia...um pouco, até ter a minha média de 3x por semana. E eu juro, que daqui há um mês, não vou ter mais assunto jururu por aqui, vou continuar porque quero salvar minha pele "deles", de todos os monstros e entidades que querem ocupar meu corpo, minha mente, até ir pra Roterdã e me jogar da porte Erasmus, eu não posso permitir, posso?

Ontem coincidentemente foi o Singeloop in Leiden, uma corrida dentro dos canais do centro, nunca participei, quem sabe na próxima corrida me atrevo, mas já estou sonhando longe, onde eu quero chegar e nas benditas ai debaixo, e na minha guerra declarada aos monstros HP 150(que nem os cartões dos Pokemóns que meu filho Dimitri coleciona), minha casa tá cheia de guerras. Mas esse combate é primordial, e viva la Revolucion!.

Endorfina
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A endorfina é um neurotransmissor, assim como a noradrenalina, a acetilcolina e a dopamina, é uma substância química utilizada pelos neurônios na comunicação do sistema nervoso.
ENDORFINA é uma substância natural produzida pelo cérebro em resposta à atividade física, visando relaxar e preservar-nos da dor e que dá enorme prazer . Diferentemente de outras drogas, é produzida pelo próprio organismo e realmente dá prazer, despertando uma sensação de euforia,bem estar e é sinônimo de saúde.
As endorfinas foram descobertas em 1975. Foram encontradas 20 tipos diferentes de endorfinas no sistema nervoso, sendo a beta-endorfina a mais eficiente pois é a qual dá o efeito mais eufórico ao cérebro. Ela é composta por 31 aminoácidos.
O que as Endorfinas fazem no nosso corpo?• Melhoram a memória;• Melhoram o estado de espírito (bom humor);• Aumentam a resistência;• Aumentam a disposição física e mental;• Melhoram o nosso sistema imunológico;• Bloqueiam as lesões dos vasos sanguíneos;• Têm efeito antienvelhecimento, pois removem superóxidos;• Aliviam as dores.
Atualmente sabemos que a endorfina é produzida na hipófise e liberada para o sangue juntamente com outros hormônios como o GH (hormônio do crescimento) e o ACTH (hormônio adrenocorticotrófico) que estimula a produção de adrenalina e cortisol. Após uma maratona observou-se aumento nos níveis sanguíneos de ACTH e endorfina. Esse aumento ocorreu de forma muito semelhante nos dois hormônios, alcançando seu pico no final da corrida (cerca de 5 vezes maior do que no repouso) e retornando ao níveis de repouso após 24 horas.

LOST in Holland


Privacy pra reflexão, é o melhor caminho e a melhor escolha em busca do nosso autêntico EU.

Oscar Wilde dizia que "ficar sózinho é uma atividade intelectual", claro ele era um intelectual, mas pra mim agora é uma atitude fundamental.
Infelizmente a ilha deserta está longe, não sou um personagem de L O S T, mas não preciso...porque estou sózinha e também perdida que nem os personagens, mesmo com outros ao redor, mas certamente estou a procura de algo que me faça" feliz", e talvez eu não goste muito da resposta final, mas poderá ser novamente uma mudança de país, casar está fora de planos, bicicletas tenho pra dar e vender, plantar árvores, planto plantas, um livro(?), um trabalho enriquecedor(boa). No Brasil eu era (apesar de tudo) mais "feliz", ou pelo menos não encucava tanto, porque sempre com um projeto novo que sempre realizei, por anos a fio, a custa de muita luta, mas dançando em média 3 x por semana(endorfinas?), esforço pra ir atrás de clientes (muitos vinham por si) energia(sempre tive pra dar e vender), se você paga seu aluguel se considera bem feliz, mais um punhado de amigos aqui, problemas diários resolvidos, pode se considerar satisfeito...mas as pessoas sabem como fazer uma festa, e temporiamente esquecer de suas eternas misérias, vivem o dia de hoje, ou seria minha vida que era assim e mudou.
E aqui na Holanda é essa energia parada, essa dinâmica de lutar contra a maré, contra a corrente, ou seja, não é meu elemento...aqui me sinto robótica, tudo já está tão pronto, sou mais uma que deve baixar a cabeça(estrangeira), e aceitar...e agradecer, nos primeiros anos tinha porque de lutar, aprender, fazer...agora já falo a língua, meus filhos já nasceram e crescem bem, já sobrevivi as dores de um divórcio, já conheci várias pessoas, fiz amigos, mas agora sinto falta de meu entusiasmo pela vida, me sinto perdida, não são meus filhos, não são meus exes, não é minha casa, cidade...e talvez esse país...sou eu, perdida, doente, carente de projetos, é pra agradecer?
Recentemente tive visita brasileira, a pessoa em questão achou a Holanda "muito parada", e estava admirada que EU (pelo meu passado), conseguia sobreviver...mas acho que é isso que faço "sobrevivo", sem empolgação.
Eu quero tirar da vida, minha VIDA, tudo, pelo menos muito mais que esse poço de lamentações que virou esse blog e não somente sobreviver com um tapinha nas costas, que "eu faço bem"..., faça-me o favor, eu quero ACONTECER, mas parece que tudo já aconteceu por aqui. Todo ano aquela lamúria do final da segunda guerra mundial, dos veteranos, das vítimas, guerras e guerras, e a culpa na caras das pessoas.


Temporariamente cansei dos outros também, das cobranças, quero tempo pra mim, os "fãs" obstinados querendo saber quem será meu próximo futuro amante, quantos remédios eu tomo, qual a próxima briga em público que terei, skype, sem MSN's, não atendo telefone, responder loads of mails, correntes(why?) sim, por que preciso te responder de volta? se você é meu amigo não precisa de confirmações, se vc precisa será jogado aos leões por mim, e eu não perdôo, eu esqueço, salvo algumas exceções eu respondo, ouço minhas músicas e grupos favoritos na altura desejada, me sinto salva, penso em cortar o cabelo de uma forma que agrade mais a mim do que aos outros, a moda, o sistema...seria também crise de meia-idade?
Odeio formas, e todos vestidos iguais...saindo do forno.

Sempre quando penso em mudar, penso em o cortar cabelo....ele sempre cresce, e eu POR SORTE, não vim do Rio de Janeiro, o lugar no Brasil em que a maioria das mulheres são escravas do cabelo no estilo Pocahontas, elas acham que se cortarem os cabelos perderão suas forças e poderes sexuais, o que é verdade, porque certos homens gostam apenas de mulheres de cabelos compridos, isso se chama Fetiche de Sansão...ou de propaganda de shampoo????hihihihi.
Eu nunca fiz dread-locks e sempre tive loucuras pra fazer, parece cabelo piolhento, mas adoro, mas tenho certeza se eu aparecer de dreads amanhã, pedras serão jogadas na Geni.

Crise ou não, faço de meus valores de juventude, valores eternos, jamais me vender, jamais dizer não, quando queria dizer sim e vice e versa...se o fizer, estarei certa que a agressão voltará contra mim, quanto mais ficar distante de mim mesma, mais terei o efeito bumerangue desse ato, porisso que não me arrependo dos atos do passado, e procuro nunca dizer NUNCA, e ensino isso a meus filhos, que ainda me ouvem... meu coração de estudante está sempre presente pelo menos, e aprender com tudo e todos é o meu lema, li a idiotice que "é fazendo merda que se aduba a vida", pois...
Estórias como Eduardo Juliani Bello(te amo pra sempre querido), contava sobre as minhas escapadas (tínhamos uma relação aberta). "Berna, porque você fica com o cara dizendo que está apaixonada, se o você quer é trepar com o cara"? Ele me conhecia, melhor que a mim mesma, assim como minha mãe, sabia que eu ao acordar, ainda estava dormindo"...Eles me conheciam...as pessoas que realmente nos amam, também estão abertas pra conhecer o nosso eu autêntico, percebo agora, eles vêem mais que uma "pessoa normal", elas tem raio x da nossa alma, e eu mal consigo me olhar no espelho.

Quanto tinha 7 anos na escola, lembro de que todos riram de mim, e os que não entenderam riram juntos, quando por ocasião de uma pergunta sobre vegetais comestíveis, eu levantei o dedo e disse "alfafa"....rsrsrs(risos gerais)...acho que era pra ficar inibida e envergonhada, mas lembro que aprendi, que alfafa era pra cavalo e não para humanos...e ademais eles já tinham dito quase todos legumes e verduras que eu conhecia. Coisa de criança, e criança é assim - pura, era pra ser ridicularizada?

Todo mundo está querendo ouvir coisas belas, porisso que não adianta falar coisas que as pessoas não querem ouvir, porisso que estou pensando em mim e quero me curar, estou cansada de auto-flagelação, meu vício no mundo virtual e mundo real, cigarros, coca colas, biscoitos, Mac Donalds, comidas o tempo todo que eu nem gosto, eu nunca dei tanta importância pra comida(sempre saborosa no Brasil), sempre pensei nas gramas suficientes pra me manter viva, e no paladar com paixão..amo carne por exemplo, e o que estou fazendo aqui se a carne na Holanda, é a mesma que dava pro meu cachorro no Brasil.
Há 10 anos estou no primeiro mundo comendo carne pra cachorro mas bebendo vinho "francês"...ai como sou feliz. Ou será que é pra comer "alfafa", sim porque a alfafa é pra consumo humano aqui, que ironia do destino né?

E divago sobre esse país rico aqui, onde todos possuem tudo, e largam o lixo em outros países, porque "aqui tem que ficar dentro dos conformes", bonitinho, arrumadinho, clean em ordem...e a lixeira vai pra África, Ásia e até as baterias(pilhas das parafernálias) pra vizinha França, contaminando crianças no campo com o ar poluído da queima de lixo tóxico...aqui ao lado, na França.
Seria essa riqueza aqui justa? Por que primeiro mundo? O tempo todo vejo os drogados na rua, os bêbados "recuperados", nas portas do supermercados. Perto da escola do meu filho, vi recentemente um cara de picando (tomandonna veia), quando ele viu que as crianças se aproximavam...ele colocou a mochila em cima do braço, pra disfarçar. Aiiiiiiiiiiiiii!!!!!!!!!Aquela cena não me sai da cabeça, imagina de uma criança. Meu filho não viu, por sorte...teria que falar a verdade.

Primeiro mundo? claro que não, enquanto isso reflito sobre uma criança de 4 anos morta, afogada em um canal de minha cidade. E um outro "bebê" encontrado em um canal em Amsterdã...boiando há dias na água. Como ficar feliz ao ler jornais? Como ficar feliz em ver tanta injustiça e violência no mundo, odeio notícias, estou evitando ver tv e ler jornais, pra manter o mínimo de sanidade mental que tenho, sou muito suscetível às injustiças do mundo, só que o tempo todo acontece barbaridades, em todos os lugares do mundo, e eu aqui sentada no conforto do meu lar nessa horrorosa cadeira da Ikea, ouvindo New Order, Older(save me from myself).

Já sei, com um óculos cor de rosa posso tentar ver o mundo, não aqui na Holanda tem de ser um óculos COR DE LARANJA, a cor da família (sem graça) real...uma das maiores besteiras do mundo, a monarquia, pelo amor de deuz com Z, que mediocridade, e semana que vem é o importante dia da rainha 30 de abril, e a idiota aqui também vai ver o circo apagado, porque posso parar atrás das grades, então vou entrar no carnaval.
Vou fazer em dessas 48 horas chamadas fim de semana, minhas "48 party without people", a única pessoa, a única estrela aqui sou eu. Exceto no domingo, tenho um compromisso importante em Amsterdã (como dizia Belchior) e não posso faltar.

Pra achar o EU AUTÊNTICO, preciso muito auto-conhecimento, uma das partes mais difíceis depois do tempo dispensado à mim mesma, principalmente porque minha identidade camaleônica mais atrapalha do que ajuda, minha metamorfose e inconstância não cooperam pra uma conclusão linear, sei que ela não existe, aliás é a morte como diria Pessoa.
Poucos se conhecem...porque se muda o tempo todo, não somente eu, mas você também, mas sempre é necessário o primeiro passo pra tudo, e eu sou muito jovem pra morrer, e de certas festas já estou cansada, já vi tantos filmes.

Mas agora quero pensar diferente, pensar sobre uma reconstrução dos pedaços que ficaram, por fazer burradas num passado próximo, por não ter ouvido que essa síndrome da perda de si mesmo é coisa séria, e que por mais que eu dê uma de Brigitte Bardot, Greta Garbo, se eu não cuidar de mim acabarei que nem a Gloria Swanson, insana...querendo algo que jamais será como antes.
Na lista pra me encontrar, usufruo de tantos aditivos, meu salário mensal, livros comprados, revistas, roupas adquiridas que por mim jogaria todas numa fogueira e as queimaria sem perdão, se pelo menos pudesse receber o dinheiro de volta. Pouco importa, nunca fui muito ligada em dinheiro, ele cai do céu em abundância, sempre. Minha parafernália "media", Dvd player, cd player, laptop, ipod's, tv set, telefone, celular,controle remotos, e milhões de fios , e todos os apetrechos de cozinha, geladeira, fogão, forno, micro ondas, sugador de gorduras, aspirador de pó, batedeira, liquidificador, torradeira, prensadeira, lava louças, secadora e lavadora de roupas, cafeteira elétrica, bliblablibla...ah! meu secador de cabélo e mais duas vidas pipocantes que são quase extensões de mim mesma, e ah!...como carregar esse mundo pra uma ilha deserta? Seria melhor pra uma ilha mágica, habitada...Florianópolis, tenho dúvidas, dúvidas e mais dúvidas.
Adoro recomeços...

Mas agora me sinto LOST, felizmente não preciso tomar nenhuma decisão drástica, só me achar...tenho 48 horas pra isso, ou a vida inteira que não sei até onde vai.

Wednesday, April 18, 2007

ADHD + Maníaco depressivo = X factor of SHIT


Nem precisa traduzir, pra mostrar...
Mas a criatura abaixo me escreveu essa estória descomunal, e ele jura que não tem ADHD.
Claro que ele deve ser hiperativo, ou mentiroso...(faz disso um rascunho, e envia pra "todas" as mulheres de que gosta), já conheci esse truque no mundo virtual, mas tive que colocar aqui pra mostrar a quantidade de palavras que ele usou.

Ele deve pensar que nasci ontem, o coitado...meu nome no dating site é Helena.

Vejam só...pra quem não entende holandês, não faz a mínima diferença, tem gente mais louca que eu no mundo.

Beste Helena

Ik hoop dat je wel even de moeite neemt om mijn verhaal te lezen en te reageren, ik heb namenlijk heel veel tijd besteed aan mijn verhaal naar jou toe. Ik ben zeker niet op zoek naar een one-night stand. Die heb ik in mijn leven al voldoende gehad en dat is echt een afgesloten hoofdstuk. Wat over mezelf als aanvulling op mijn profiel: Ik ben een ambitieuze, vooral reislustige, ondernemende, aardig, goeduitziende, lieve, gezellige, romatische, hartstochtelijke, passionele, fitte en avontuurlijke man. (een hele mond vol) Ik heb ook nog wat slechte eigenschappen maarja die ga ik je niet vertellen...................oke, een dan: slordig. Oke nog een dan: ondeugend. Tja, meer heb ik er niet, oke oke nog een dan ik ben een beetje ongeduldig. Dit was het toch echt wel! Of je moet eigenwijs ook tot een slechte eigenschap rekenen. Verder ben extravert en soms uitbundig. Geen ADHD hoor! Ik kan ook heel rustig, teder en lief zijn. Ik ben gedreven en zelfverzekerd. Eerlijkheid en vertrouwen staan hoog in het vaandel bij me. Nu komt het standaard verhaaltje: bla bla, maar het is toch wel engigzins de waarheid: Koken is een hobby van me en italiaans is mijn specialiteit. Ik vind het heerlijk om "je" in de watten te leggen middels een heerlijke ontspannende massage. Kom je thuis van je werk zit je vast dan help ik je er van af. Mijn vakanties zijn overwegend luxe en ondernemend van aard. Ik heb al aardig wat gezien van de wereld maar nog lang niet alles. Ik ben reeds in de meeste Europeese landen geweest. Canada, USA Kenia, Tanzania en Sri Lanka heb ik bezocht. Op mijn wensen listje staan nog: Australie, New Zealand, Thailand Zuid Afrika, Cuba, Mexico en Peru. Verder houd ik van om lekker "buiten de deur" te eten, bioscoopje pakken, concert en theater te bezoeken en standwandeling bij ondergaande zon, een dagje relaxen in de sauna. Maar ook "thuis voor de buis" samen op de bank met goed glas wijn kan mij wel heugen. (bla bla bla) Iedereen heeft zijn eigen bagage ik ook. In mijn geval haal ik daar alleen maar positiviteit uit. Ik ben geen prins op het witte paard. Ik heb ook mijn gekke kanten. Iedereen toch? Ik blijf in alle omstandigheden een gentleman. Maar iedereen heeft zijn grenzen. Deze kan ik goed aangeven. Ik weet precies wat ik wil en wat ik kan. Ik kan een vrouw accepteren zoals zij is, mits zij ook mij ook accepteert omdat ik ook een uniek persoon ben. Ik beschik over voldoende kennis en levenservaring om ook op emotieneel vlak een goede relatie te kunnen onderhouden. Daarvoor is ook passie en hartstocht onontbeerlijk om een gelukkige en boeiende relatie te hebben. (lijkt wel een sollicitatiebrief) Bla bla bla........enz enz .... Ik ga liever een keer een kop koffie drinken met je zodat je kunt zien dat ik de X-factor hebt die hier niet kan vinden via een profiel en mailen. Dan kan ik ook jou X factor ontdekken, zoniet dan gaan we gewoon weer verder toch met kop koffie rijker? Ik denk dat we aardig wat overeenkomsten hebben, dan moet er wel een klik zijn toch? Oja, Ik heb een zoontje van 17 maanden maar die verblijft slechts 2 weekenden per maand bij mij. Hij is een onderdeel van mijn leven en verdiend ook aandacht van zijn Papa. Ik zoek dan ook geen moeder voor hem die heeft hij al. Maar het is wel erg prettig als je van met kinderen kan omgaan. Interesse gekregen, Dan kan je me mailen op @msn.com of via RP. Heb je geen interesse laat het me dan ook ff weten op een persoonlijke manier. Thx.

Alguém entendeu alguma coisa???
Como já falei...não precisa.
X - factor = Hoje em dia é um programa idiota de tv do tipo Bigbrother...(pra descobrir se a pessoa que "macaqueia" melhor possui o fator X)

Pára o mundo que eu quero descer


Felizmente posso reclamar a vontade por aqui.
Quem não quiser ler, passe amanhã...onde eu poderei estar mais alegre e cativante e menos realista, pessimista, intimista, egoísta, individualista.
O título acima não é meu, é de um pagode (sim, pagode)....que nunca ouvi, mas no ano passado por ocasião de uma visita a uma amiga. Contando a minha saga, ela falou que eu estava nessa fase, que achei bem apropriada, estava trocando de medicação do anti-depressivo ao lítio, e estava me sentindo um lixo, com emoções variadas, conturbadas, pensamentos suicidas, paciência zero, e como nunca havia trocado de um remédio pro outro, não sabia que minhas atitudes impensadas, impulsivas, impetuosas se deviam a situação por qual me encontrara, como por exemplo querer me jogar em velocidade de um carro, puxar a direção pro meu lado...(eu não era a motorista).
Se eu soubesse que a culpa era da química...

Eu que havera jogado todos os rivotril(ansiolítcos), anos atrás no lixo...e nunca mais retornara no consultório daquele psiquiatra caro e charmoso em São Paulo.

Bem que eu queria, descer...ser...aliás, descer e caminhar a pé...por uma estrada de chão batido, sózinha, até "me encontrar"...e se não me encontrasse, ficar por lá mesmo, e assumir minha nova identidade, uma mulher sem passado vinda do além, em busca de uma conexão de internet...pro laptop, pra escrever no blog, no word, etc...parecida com fo filme do Aki Kaurismaki (Man without a past).
Parece que eu terei que tomar atitudes drásticas pra me encontrar...mas a energia pra tomá-las é que são elas. Será que eu realmente quero? Se tudo que ouço hoje em dia são rótulos, e "eles" querem que eu pertecença a algum, seria Matrix?
Escrever pra mim é uma dádiva divina, pelo menos posso e me orgulho disso...além de que me alivia temporariamente de meus temores, a maioria dos bipolares possuem esse dom, hahahaha nossa vingança de um mundo banal....hahahaha.

Estou nessa fase morna, apesar da dosagem do lítio ter diminuído. Saudades também do tempo que nem cogitava sobre a bipolaridade. E às vezes me saboto, e digo a mim mesma. Não sou isso, não tenho isso, só tenho que aprender a lidar com isso.....onde fui me meter, num país onde o seguro de saúde paga os remédios, quase todos.
E lembro de que um dia, por ciúmes de "atenção"...cobri minha cozinha de lixo, bichos de pelúcia, coisas da geladeira - de dentro da geladeira, porcarias em geral. E fiz uma bela obra de arte, com borra de café...frutas velhas, restos de comida...um mosaico de nojo sob o chão.
Quando a criatura chegou, e viu minha masterpeace, só pôde comentar:
- Inacreditável....
O que claro, era acreditável...pois estava tudo ali, em plena luz do dia, pra dá-lo uma lição, onde eu seria capaz de chegar se não conseguisse o desejado, e como não havia conseguido, ele não perdia por esperar....não era uma vingança, era uma diversão, um ato lúdico...porque como uma "louca" eu dava muita risada, me divertindo com a obra.
Isso foi há muitos anos, diria uns sete anos atrás? E eu sempre encontro desculpas pra fazer o que quero, uma eterna criança teimosa.

Eu prefiro que todos me chamem de louca, do que ficar nesse estado, achando que tudo está bem, porque não está.
Minha inconstância está numa velocidade acelerada e constante. Já não me reconheço, e me sinto um joguete do mundo moderno. Abro as revistas e leio facilmente, pessoas falando sobre suas depressões, bipolaridades, sobre medicação, psicoses, esquizofrenia...como se você mais cedo ou mais tarde vai passar por algo assim. Enquanto isso o outro lado, querendo fugir como do diabo da cruz, desse tipo de gente.
Ah! De médico e de louco...

Vou na net, e também encontro...todos compactuando com seus problemas, e dilemas, o barco afundando, e nem o capitão quer ficar.
Leio que Britney Spears, é a maior piada de EUA....e a mídia é uma piada maior ainda. E que um "maluco"...mata 32 numa universidade, um justiceiro das causas próprias. E me recordo do Filme Elephant....viu só quem brinca com fogo faz xixi na cama.
Legal né? Os EUA....vão guerrear no terreno dos outros, enquanto não olham pra próprias calças, o dólar baixo, seria o declínio do Império Americano?

Por que as pessoas estão, andam tão infelizes hoje em dia, por que há tanta violência no mundo, porque nos últimos tempos eu estou sem energia pra começar a fazer ginástica (correr).
Sendo que isso será minha única salvação. (sic)
E as que estão felizes, ou se dizem felizes estão frustadas? Ou não tem nada a dizer, porque às vezes quando se está "feliz" se fica completamente sem graça?Com cara de boboca, robô.
Por que sou tão 8 ou 8O? Ou é tudo...ou nada? E claro eu sempre prefiro altas doses de tudo.

Por que ando tão chata e negativa?
E porque a alegria é tão lega, mas os médicos de loucos preferem chamar hipomania????

Exploda-se o mundo, não quero respostas, eu só quero descer.

Monday, April 16, 2007

Be(be)te frígida


Bingo. Sobrevivi ao final de semana na ocasião da visita a meu querido EX... estava receosa porque a última vez fora ligeiramente em Amsterdã no ano passado, escondido de um outro EX.
Anos atrás estaria radiante de alegria ao vê-lo, mas desta vez foi diferente. A Bebete depois do lítio é outra, uma coisa água morna. Não posso dizer pior ou melhor, porque tudo é tão recente que constatações apressadas, se tornam levianas. E "aquela" impulsividade antiga, tirou férias, e espero que um dia ela volte pra casa, sim porque sinto falta dela.

Visitei A,, e mais do que nunca ele está lindo, com visual "skatista"(sem skate) cabelos longos loiros, boné Adidas, os olhos verdes profundos, a mesma pele branca descomunal de tão branca é quase verde com as veias por baixo, a mesma voz "Hugh Grant school", o mesmo charme inglês e educação, e com a mesma mochila da Diesel que eu dei anos atrás, hehehe. Good stuff.
Vendo agora, acho que ele estava nervoso, falava o tempo todo, sempre tendo algo a me mostrar, primeira a casa enorme onde mora sózinho, o jardim - muito maior que o meu, o qual havia me avisado...."você vai gostar", sim lindo porque no final de semana foi verão e pra uma pessoa branquela esse sol é veneno pior que sianureto, mas pra mim não.
Num dos quartos, uma sala de ginástica...."que eu também iria gostar", e sim gostei...de olhar...

E preparou "Chicken tonight", pra me poupar da cozinha...enquanto eu assistia "Snatch" do também inglês Mr. Madonna (Guy Ritchie), e tinha café de verdade pro dia seguinte(ele sabe que não vivo sem) pois ele só bebe chá, e passamos no supermercado e ele comprou todas as coisas gostosas que eu queria...fui mimada a vontade, e quem não gosta, pensei até em pagar com o corpo, todas as gentilezas.....but...com amigo não precisa. Amigo???EX???Amizade colorida? Sim, porque ele é sexy, e às vezes picante em suas sms's..."What are you wearing now?, por exemplo? Amigo pergunta isso?
Hi Gorgeus? Hello Babes....sempre esperando por um reply.

Ele está diferente(do meu tempo), não fuma mais maconha, fuma shaggie - aqueles cigarros que a própria pessoa enrola(comuns por aqui), ou seja, foi-se a marijuana, cedendo lugar ao tabaco, a nicotina, o alcatrão...é, antes ele era um pouco mais lerdo. ..e tive a impressão que estava mais ligado na tomada, seria a nicotina...ou nervosismo?

Ficamos bebendo ice-T, porque ele também não bebe álcool, e ficamos falando de nossas vidas num clima de amizade, saudades...e como nos falamos bastante por telefone, tínhamos poucas novidades, mas sempre muito a dizer. Ele também não é mais o workaholic que era, está mais de um ano de licença de saúde, por ter tido um burn-out, e vários problemas paralelos de saúde. Problemas essas de difícil solução....coisas de advogados, Holanda, empresa de grande porte.
Dessa vez ele enfatizou dos perigos do "aspartame" com tanta veemência, que vou deixar de comprar a Coca cola zero, que eu tanto gostei, não quero ficar mais louca ainda com o metadhol, e nem meus filhos lógico, que veneno. E assim é Albert, um hacker, profissional na área de informática, e diz que está outdated de tudo...(exagerado), uma pessoa técnica, inteligente, sagaz, gosta de ensinar os outros, matando a cobra e mostrando o pau. De um senso de humor incrível regado a um oceano de computadores.

Uma pessoa entusiasmada, de um certo pessimismo ou seria realismo?,Mas também possui sonhos como todo "homem" de 25 anos.
Não fala holandês e parece não precisar. ..porisso lá pelas tantas da madrugada, ficamos fazendo nossa aula de palavras sobre sexo em holandês, "beffen, neuken, vrijen, 69 standje, pijpen", etc etc...Tem um canal de TV, que o telespectador manda sms com perguntas sobre safe sex, como agir pra não se contaminar com o vírus HIV.
E você fica vendo as mensagens das pessoas...absurdas, mas normais, enquanto acima vídeos clip.
"Se eu fizer boquete e ele ejacular na minha boca, pego Aids".
"Se pega aids com beijo?"
E assim vai.

E eu? Fomos dormir às 5 da manhã, depois de ver 2 filmes (da coleção de DVD's dele), antes de discutir muito sobre nossos gostos, quase completamente divergentes. (Lembram do post de David Lynch?).
Fui dormir na mesma cama king size do fofo. , e consegui dar uns beijos de boa noite, mas o seroquel(remédio), me impossibilitou de pensar em algo mais...e dormi...aliás mesmo se o seroquel não funcionasse, pertenço agora a um planeta chamado...."Nunca ultrapasse, e jamais tenha dúvidas, simplesmente espere a banda passar"...e espero que meu visto seja temporário.
Quem te viu, quem te vê, em outras palavras....Bebete frígida.
Bebete depois do lítio/seroquel?
Bebete depois do diagnóstico.
Bebete depois do Tsunami chamado "um sujeitinho aquele".
Bebete 2007....
Aliás...onde estou? Quem sou...ainda existo?
Não estou preparada pra nada, ou talvez pra tudo.
Hoje tive uma consulta com a Laura (psiquiatra).....e falei da "zumbi" que virei, da pessoa regrada, consciente, só me emociono em filmes, não choro mais, não tenho depressão, não sorrio como antes, estou assim, sem sal, sem pimenta, sem temperos.
E ela disse:
- Não, você está sentindo falta da hypomania........saco!
Estou sentindo falta do entusiasmo de antes, de ficar contente, de viver, pombas.

A.disse que eu preciso mudar minha atitude sobre como eu mesma me vejo(minha imagem atual). Mas eu estou identificando uma Bebete ausente de si mesma.
Mas o que importa é que eu me sinto boring, porque perdi aquele entusiamos pra vida, aquele de antes que só eu sei como é. As luzes....as cores, as sensações.
Laura me perguntou sobre o "fazendeiro" do site...(hahahaha), na última consulta estava tendo contato com um fazendeiro.......que pra mim, não existe mais....já era, minha inconstância sobrevive, vive, porque até agora não gostei de ninguém que conheci(tive 3 dates), ninguém 100%, isso significa que estou em termos exigente, referente à pessoas que quero ter uma relação, seja ela amorosa ou de amizade.

Laura disse que "dating" não faz mal a ninguém, e que eu não preciso "casar com ninguém" no momento, se referindo aos meus contatos via internet, e a única solução pra tentar se ajudar, é continuar com a estrutura que tenho, a terapia, a medicação..........mas fazer no mínimo 2X ginástica ou esporte por semana, algo que goste. E assim, vou mudar essa frigidez pra vida, sem necessariamente precisar de estímulos externos pra se sentir bem(homens, bebida alcóolica, drogas, festas, viagens, etc)...mas que vou curtir mais essas coisas também, dando seu devido valor. Mas eu não quero me sentir bem, bem eu já estou.......eu quero SENTIR, qualquer coisa.
Eu gosto da Laura, mas não preciso de mãe, arghhhhhhhhhhh!
Pelo menos sai de lá, com 400gr de lítio a menos, vitória.

Ginásticas, endorfinas.....se mexer, mexer o corpo.
Dates, exes, viagens, remédio, terapia, gente "louca" o tempo todo ao redor......arghhhhhh
Arghhhh!!!!!!!Mas se não há outro jeito não há.
Como o meu mundo mudou.
Tô com saudades de mim! Da velha eu, animada, sempre pronta pruma festa, mesmo que a festa fosse debaixo de lençóis. tô com saudades das minhas idéias, sempre mirabolantes, de minha atividade cerebral....mas isso só terei de volta, se correr. Run for life Bebete! Agora é pra valer.

Arghhhhh, ainda há esperanças, levantar dessa cadeira, colocar uma roupa e tênis apropriado e dar várias voltas no parque aqui perto, deixando lá a Bebete Frígida.

Saturday, April 14, 2007

HGW/XX/7


Se não fosse essa droga de brinquedo quebrar parcialmente, digo algumas teclas desse laptop estão soltas, dificultando e quase impossibilitando a escrita, iria escrever sobre minhas emoções a assistir essa obra de arte.

Mas se você ainda não foi, vá assistir o vencedor de melhor filme estrangeiro, o maravilhoso "Das Leben Der Anderen". (Filme alemão e se passa - a maior parte do tempo antes da queda do muro de Berlim)

E aqui um site pra você, dar uma olhadinha, mas o mais importante de tudo, é i, ver e constatar por si "o homem bom"...

http://www.daslebenderanderen.nl/


Go!

Thursday, April 12, 2007

Nina Weibull


Não sou exceção a regra de que só tenho tempo pro que gosto.
Sou assim, não tenho tempo a perder, com coisa que não gosto, foi-se o tempo, não é a toa que estou beirando os 47 anos, mais 3 anos terei 50, um tempo considerável nesse planeta, e cada vez mais nem ai pros outros, em geral, aliás nunca estive ai pensando bem, desde pequena segui meu próprio caminho, a tal independência que mamãe falou levei ao pé da letra.


Aliás tenho utilizado meu tempo fazendo muitas coisas ultimamente, e uma delas e pensar, divagar e até encucar com problemas adquiridos no passado, de ter entrado num buraco mais fundo que eu pensava, e me dou ao luxo agora de aproveitar o SOL maravilhoso no meu jardim que fica pro sul. Jardim pro sul, é jardim pro sol, nas melhores horas de sol, e isso aqui é um luxo, mais luxo ainda é ter o tempo livre que eu tenho(da gaiola, faço uma gaiola de ouro), hoje comprei mais uma roseira pra plantar, uma vermelha Nina Weibull o nome, será a minha terceira roseira(as outras são rosas, essa é vermelha porque estou na fase do vermelho), e jardinagem pra me mim, é uma das terapias mais legais, porque você planta e trabalha, e depois de um tempo, uma estação futura colhe os frutos, sente o perfume, aprecia as cores, sendo que curte muito a mão suja de terra, tem que gostar, e ter uma mentalidade pelo menos 1% hippie, pés descalços, havaianas, outdoor life, natureza. E mais engraçado que a primeira flor que eu plantei há 10 anos atrás, coloquei o bulbo de cabeça pra baixo, é que eu nem sabia que existia uma cabeça...algumas deram certo, e tenho até hoje uma florzinha azul escura linda, tipo uma tulipinha.

Peguei o jeito, o way of life holandês, as plantas, as flores, há anos aproveito e me delicio com essa primavera. Se você nunca morou mais que 4 invernos no exterior(país bem frio), vai ser difícil de entender realmente, aquele entendimento que se sente na pele, o que é uma primavera. Eles apreciam tudo o que não têm(não tem sol apreciam o sol), apreciam o diferente, apreciam a natureza, as 4 estações, respeitam os animais, respeitam as crianças, os velhos, os caquéticos, os deficientes, os diferentes, esse trânsito aqui me convida cada dia mais a tirar a carta, vencer minha paúra de dirigir...essas coisas boas, que eu penso, e se voltasse pro Brasil.......esquece o Brasil. Não moro no Brasil, sou" holandesa", quer queira ou não, mesmo que isso seja temporário. E viver o AQUI E AGORA, é a a chave pra felicidade, e principalmente quando o agora é a primavera. E acrescento, aqui agora e eu! (claro depois as crianças), ideais, sonhos, planos...tudo futuro, eu acredito, mas quero viver o agora, cansei do futuro...cansei, não cansei de ser sexy, cansei do monstro futuro, argh!!!!!!!!!!!!!...e plantar é o que há. Você quer esquentar a cabeça, mas não dá...e esquece do buraco, aliás buraco só o que você precisa fazer com a pá.

As coisas que faço parecem nada, mas mais uma vez estou me conscientizando do meu tempo, do meu espaço, do meu universo, do tempo pra mim mesma, e das coisas que realmente gosto e são possíveis de serem feitas, tenho uma força absurda de me desenvolver a cada dia, de aprender, de mudar a minha cabeça, deixar de proferir palavras grotescas, cheias de ranço, rancor, clichês de vida apática, ócio, criei vários métodos pra situações de CRISE, e elas são várias e também ser agradável, mas muito amável comigo mesma.

Aprendo muito com os holandeses, a maneira que lidam com os problemas pessoais, os dilemas, sem dramas, o respeito de deixar o outro se expressar, quando cheguei aqui, era uma "índia tupiniquim", não desmerecendo minha raça, minhas raízes, mas levava cada tapa na cara.
Adoro por exemplo, que os holandeses possuem uma maneira incrível de lidarem com o outro, não gostam de bate boca, não se entregam à intrigas, não fazem o jogo...do OUTRO, e não importa quem seja o outro, filho/marido/vizinho/colega de trabalho/amigo....é o outro, o eu é o eu o indivíduo, e A BARREIRA é um muro invisível mas latente, não pise na minha grama.
É um respeito muito grande ao outro e a si próprio, respeito até as próprias fraquezas, trabalham bem com a culpa, culpa???? Onde?

E isso que estou aprendendo e dentro de muitas coisas, a me respeitar, delimitar LIMITES, entre eu e outro, me diferenciar de nossa cultura, que é PRA TE AGRADAR VOU CONCORDAR COM VOCÊ, e assim vou ME DESRESPEITAR e depois vou SENTIR CULPA, porque te agradei e fui boazinha, mas me desagradei, então me odeio.
Brasileiro gosta dessas panelas, "enjoy the club". E é engraçado que eu sempre me senti fora das panelas e dos rótulos. Aliás se forem pra me rotular, estou em tantos rótulos que terá uma lista infinita, muito cansativo e não valhe a pena. E se eu fosse escrever sobre fofoca, ou outro assunto do jeito, com certeza teria vários comentários, porque as pessoas adoram comentar o que elas conhecem...

Enfim, ultimamente estou DISCORDANDO de muitos, e até criando inimizades, porque exatamente os limites estão sendo delimitados, e porque eu sou mais eu. Me afasto daquilo ou daquele que não me quer ver me ver assim soltinha, animada, aquele que cansa a minha beleza, e quer me manter no buraco do qual quero sair.

Definitivamente, quero ser aos 50, sustentável e leve.
Vou plantar a roseira vermelha.

Friday, April 6, 2007

Tira olho grande


A foto tá de quinta...vou tirar uma melhor, aliás tenho que comprar uma digital melhor, e botar essa no lixo, nem pra inimigo vou dar.
Me abasteci no ano passado de um kit numa loja de macumba lá no Mercado Público Municipal de Porto Alegre - adoro aquele mercado.
Fiquei amiga de infância de um monte de feirantes naquele dia, pois fui procurar ingredientes frescos pra uma moqueca de camarão, que havia prometido pros meus anfitriões.
Na dúvida - não ultrapasse! Mas comprei todos os sabonetes, contra tudo que se possa imaginar.
Acho que tem funcionado, tá lá enfeitando o meu toillet.
Axé - ogum - olodum - saravá meu pai - xangô - nago - bomba gira...é tudo grego pra mim.
No creo en brujas, pero que...

No comment

Sofia Loren cozinhando com amor



Se ela fosse de outra nacionalidade até poderia ser uma mentira.
Mas esse livro que adquiri no final do ano passado, é realmente uma pérola das boas, é o livro de receitas....e fotos, que foi lançado da Sofia Loren, em vários idiomas, pois o que eu tenho é holandês.
Lá pelos anos 60 quando ela ficou grávida do Ponci, e teve que ficar um ano de "repouso" pois tinha dificuldade de segurar bebê na barriga. Pra não ficar sem fazer nada, lançou o livro - acho que o agente dela que teve essa idéia.
Resultado, o livro foi lançado com o nome SOFIA LOREN - KOKEN CON AMORE! (koken = cozinhar). As fotos são hilárias, amo amo amo de paixão. Só tem uma coisa, as receitas nunca fiz, mas que ele enfeita a minha cozinha, enfeita.

Le vintage



Um dia sai...
Já tive uma lojinha a minha cara, e pra ser humilde e combinar com a cara dela (minha mãe sempre falava "rosto", cara é de cavalo), batizei-a de AMOSTRA GRÁTIS.
Amostra Grátis, sempre aquela versão mixuruca e carcamana das coisas.
Pois é, eu pensei que tinha me curado da doença de colecionar tranqueira. Mas não adianta, esse vício tá em mim.
Meu sangue circula a 200 km por hora, quando eu vejo um objeto assim, uma lata, uma capa de livro, um tema, um boneco, uma toalha de mesa, uma flor de plástico, um óculos, um sapato, uma bota, um vestido, blablablablablablablablablablablablablablablabla. Pensei que ia melhorar com a idade...

Arriba, cervezaaaaaaaa corona extra, la mejor!

Fazendeiro de produtos orgânicos


Conheci um fazendeiro de produtos orgânicos. Além de interessante, ele é altamente autruísta, e gosta de Damien Rice, do David Lynch e até sabe do show no Heineken Music Hall(me convidei pra irmos juntos). Tem um defeito, gosta de Paulo Coelho, mas eu dou um desconto porque é charmoso, careca de olhos azuis e obviamente holandês.
Na fazenda dele trabalham também pessoas com problemas psiquiátricos, autistas, bipolares, borderlines, e viciados em drogas. É incrível como as pessoas com pouco conseguem fazer muito. Tiro o chapéu pro moço.
Ele falou pra ir na fazenda com meu All Star Converse - couro preto/modelo novo lá, e deixar a bota vermelha em casa. Será que vou sujar de lama meu novo All, foram adquiridos hoje?
E será ele meu futuro EX?

The Borda Indarte-Crooijmans day to day life


Hoje foi sexta-feira santa.
Um dia de sol aqui na Holanda, e depois de aguentar muitas briguinhas entre Dominique e Dimitri saimos, pra passear e gastar - nas lojas.
Dominique estava doida por um game das Winx, e pra ser usado no Nintendo-DS do Dimitri, vamos ver no que vai dar.
Deu certo, ela ficou contente...e até que o Dimitri não encheu o saco da pobrezinha, porque o Nintendo é dele, mas ela pode usar. Democracia e solidariedade é o lema, nada de egoísmo, mas
também não tem aquela de comunismo, é meu e de todos. Vamos delimitar territórios sem guerra, será possível?

Thursday, April 5, 2007

Albert Hxaxrxdxyx X David Lynch



O que Albert Hardy tem em comum com David Lynch?


Nada em comum, muito pelo contrário.


O primeiro filme que Albert viu do David Lynch - Mulholland Drive foi comigo, e talvez seja o último, o que duvido muito porque ele só tem 25 anos, e o gosto pode ficar apurado através dos tempos, ou não, pouco importa, descobri que as pessoas com que você se relaciona não precisam ser exatamente um clone seu.

O que importa que hoje ele me ligou, diferentemente das outras vezes ( mantemos contato assíduo por telefone e excitantes sms's) , hoje ele parecia estar feliz, radiante até, contagiante como sempre porque mesmo que o "mundo caia pra ele", ele continua sendo como bom um inglês, educado, gentil, amável, kind very very kind. Sempre muito galanteador, charmoso, e consegue, já tiveram várias que se apaixonaram por ele e de várias nacionalidadese e até mulhere mais velhas, (Austrália, Suécia, Holanda, Brasil-eu), ele trabalhava numa companhia americana de computação, onde muitos estrangeiros trabalham, e até programa na TV com ele já teve, nunca mais esquecerei, num sábado qualquer ligo a TV, quem estava lá? Albert, mostrando a vida profissional e privada num documentário. E quando falaram sobre amor, ele respondeu:

- It's a grey area...calando a boca do entrevistador.

E quem é Albert mesmo? Por que falar nele?

Albert é um homem muito importante pra mim, aliás o único em toda a minha vida, que me apaixonei completamente, me apaixonei à primeira vista, a primeira visão, a primeira voz, como se no momento que ele aparecera na minha frente - as horas parassem - todos ao redor congelassem, e só ficassem EU, assim meio abostada, e ele...que não me ignorou educadamente, mas propriamente não sentiu um milésimo do que senti. Acho que Cupido esquecera de abastecer aquela bolsa atravessada com flexas, e a única flexa me pegou e ninguém mais.

Descobri através dele, que NUNCA havia me apaixonado assim antes, de ficar boba, de fazer coisa errada e trocada, de querer largar tudo pra trás, filhos, obrigações, sem pensar no futuro, viver de brisa com ele(cozinhar/lavar/ passar - não ele que passe, porque vivia passando camisa), eu tendo a mesma idade da mãe dele, mas nossa relationship de 6 meses(foi o que durou), e não acabou pela diferença de idade, acabou porque ele não gostava de mim como eu dele, o famigerado "amor não correspondido, e nos afastamos, apesar dele sempre ter me admirado muito e de me chamar de Beautyful. Descobri mais tarde ele tem a alma de velho, é um menino (já nem tanto), há muitos anos independente, e vem de outro país, ou seja, não um playboy que mora com os pais, fora de que é tipo nerd, e eu confesso que adoro nerds, principalmente se ele são nerds por fora, e calientes por dentro. E o tempo fez com que nossa amizade se solidificasse, e acabamos mantendo um laço, de admiração, apoio mútuo, o que é bem melhor do que ficar sofrendo e passando mal, vitimizando perante a situação. A paixonite aguda acabou há muito tempo, demorou mas acabou...acabou num dia, que eu só chorava, chorava chorava, e tentava de tudo pra esquecê-lo, em vão, até que um dia veio um novo amor, de repente não mais que de repente.

Por que uma mulher mais madura como eu, foi se apaixonar logo por um garoto assim, que segundo muitos, não tinha nada demais? Nada a oferecer, fumava uns 20 baseados por dia, não era alto, branquela, usava óculos de Harry Potter, um nerd dos computers, com cara de moleque?

Ele me deu o beijo de Cinderela, ele me acordou, ele beijava como um menino de 20 anos beija, longamente, intensamente, em qualquer lugar, da forma mais inesperada, e essas coisas...acordam QUALQUER mulher, principalmente uma mulher divorciada, acima do peso, tentando achar um lugar ao sol, vivendo um dia de cada vez, dando o tempo ao tempo para amainar a dor de um casamento fracassado, semi-morta para o amor.

Quer coisa mais gostosa do que estar juntos na madrugada deitados na cama(colchão) ele fumando baseado - é um maconheiro de primeira linha, com o laptop me mostrando todas as menções da palavra F U C K no dicionário de Oxford, fuck off, fuck over, fuck up, fuck my ass....essas coisas, nenhum elefante esquece, o supra sumo do divertimento, me sentia com 20 anos literalmente, sentávamos no chão sujo da estação de trem em Amsterdã esperando o trem, se beijando, nos despedíamos na porta do trem, esperando o apito do trem partir, era de um romantismo moderno exacerbado, e toda mulher "madura" como eu devia passar por essa experiência pra ACORDAR pro mundo, porque lembramos pela vida inteira, quando os outros nos fazem sentir bem.

Confete o suficiente jogada, se passaram quase 5 anos, e ele não tem mais 20, vai fazer 26 em novembro, virou um amigo, conserta meu computador ( a distância), porque era praticamente proibida pelo ex de vê-lo. Ele continua morando no meu coração, "diamonds are forever".

Conversando com Albert ao telefone, nessas quase duas horas, ele me disse que passará a Páscoa com a família na Inglaterra, e quando voltar, lá pela quarta-feira me ligará pra marcarmos algo - na última vez eu desmarquei, porque ainda estava muito carente com a ruptura com o ex, e tinha certeza que ia aparecer um tipo de consolo da parte dele, e como não confio em ambos, recaídas, principalmente quando se está fraca, achei melhor deixar pra lá.

Eu falei, vamos ao cinema. Ele falou....sim claro, você escolhe, só que NO MOVIES BY DAVID LYNCH PLEASE!

E qual não foi a minha surpresa, está sendo lançado nessa semana o novo do David Lynch

"Inland Empire"...e tá com cara de ser dos melhores, tipo Mulholland, Blue Velvet...ai ai ai.

Se passa na psyque da Laura Dern, e já tá me dando uma coceira, que só os filmes dele ou de Almodóvar me dão, ok Lars entrou pra minha lista também, esses me tiram de casa correndo, não gosto de banalidades, adoro acontecimentos, resquícios de diva, ou velha mesmo.

Vou "obrigá-lo" mais uma vez de ver um Lynch...

http://www.cinema.nl/cinema/magazines/news/index.jsp?portals=3142294&magazines=5268514&news=34095878

>(dê uma olhadinha no trailer do filme, até coelho tem)

Quando ele voltar da Inglaterra, terá uma bela surpresa.


Você pensa que Bebete é fácil, então passe pela prova de fogo.


E se ele quiser minha amizade colorida eterna, vai aceitar minha proposta.


Vamos ver um Lynchizinho?

Porre sem bebida


Só pra nao esquecer...um dia eu disse isso e gostei.
Minha vida tá ficando assim, tá tudo direitinho, tudo no seu lugar,
tudo bonitinho, mas tá um porre...um porre sem bebida. É como se
cada dia fosse igual, apesar deles serem diferentes, todo santo dia a lenga lenga, me sinto uma fábrica(linha de montagem), conversas ao telefone, internet, crianças, afazeres domésticos, administração da casa, preencher formulários, de vez em quando chove...de vez em quando faz sol, duas vezes por semana colocar o lixo lá fora, sim porque se eu esquecer o lixo tem que ficar parado dentro do saco, dentro de casa. arghhhhhhhhhh, terapia, médico das crianças, fonoaudiólogo, oculista.
O pneu da bicicleta às vezes fica murcho, tenho "amiguinhos virtuais" e amigos reais, tenho que fazer a manutenção dos amigos, telefonar aqui, mandar um scrap ali, responder o email acolá, aliás põe emails nisso.
Tem muita goiabada pra pouco queijo que nem fala uma amiga, essa é a versão dela. E as pessoas estão cada vez mais sózinhas, sem tempo.
E pra mim tá muito porre pra pouca bebida.

As pessoas não se dão conta e dizem

- Eu bebo socialmente. E bebida tem gosto bom???
- Esse é um bom vinho. (Também sei apreciar vinho), mas as pessoas bebem, pra ficar bêbadas, e não pra ficar sóbrias, porque álcool é alcool, e quanto maior o teor alcóolico maior o perigo. Mas bebida é bebida, é social...porque é permitido, e muitos mantêm o controle até, mas que saem do estado sóbrio saem, e fazem suas vidas um pouco mais "alegrinhas".

Beber socialmente é beber limonada, sem cachaça, são duas doses de whisky, 3 cervejas a tarde, e uma garrafa de vinho no jantar.
E no outro dia, o contrário...vamos bebemorar algo...sempre há um bom motivo ou motivo fraco pra abrir alguma garrafa, e se não tem motivo, é beber porque tá com vontade.
Não ouço dizer, abri uma coca light pra comemorar, ou vão cheirar uma branquinha da boa, e só se for no Brasil, porque a qualidade é uma porcaria, muito longe de Cochabamba.
Não eu não cheiro MAIS cocaína...eu me podo! Eu digo não as drogas! Argh......mas tomo um monte de remédios, arghhhhhh! Logo logo vou arrancar todos os cabelos, e o cabelereiro irá a falência comigo.

No fundo eu tenho inveja de pessoas que bebem mesmo(não passam mal), e não pensam que no dia de amanhã, aliás no dia seguinte, elas terão pele seca, tudo seco por dentro, um bafo horroroso (é o delas e não o do outro), vão dar vexame, brigar com todo mundo, fazer o que não deve, e vão esquecer tudo no outro dia e até as chaves de casa, a bolsa, a carteira, o passaporte europeu (esse dói) e pra quem abriu as perdas sem camisinha e a longo prazo uma cirrose hepática de leve. Tudo culpa da bebida. Ah! Elas estão vivendo, e eu me comportando.
Sim, queria ser essa pessoa solta, mas não...perder o controle não é comigo, mas tenho que aguentar o porre de água.

E se alguém disser:

- Lembra o que você fez "aquilo"?

- Eu? Não lembro.

E assim vai, elas bebem, fazem, e não lembram.
Amnésia total, e eu bem que deveria ter descoberto esse método antes, na época que namorei aquele cachorro, aliás aquele coelho, porque assim, depois de 3 anos, eu nem ia lembrar que ele existe. kkkkkkkk. E só não conto o que uma amiga fez no final de semana passada, porque ela pode ler isso aqui e nao gostar. Ponto pra ela.
Mas nada enquanto eu aqui, não bebo, e fico lembrando de todas as coisas que fiz, que não fiz, e que não tenho coragem de fazer, que deveria ter feito e fiz o contrário, tudo por medo de não perder a pose, ter controle sob
tudo e todos, cheia de responsabilidades.

Que porre!

A vida tá muito chata, e tenho que me cuidar com as palavras, cuidar com os remédios estabilizadores de humor, fazer o controle de sangue periódico, cuidar dos amigos próximos, cuidar pra agradar a todos, cuidar pras crianças chegarem na hora na escola, cuidar pra eles comerem um bom lanche, cuidar se o pneu da bicicleta não tá esvaziando, recarregar todas as baterias possíveis e imagináveis(celular/digital/ipod/escova de dentes elétricas), ter a geladeira sempre recheada, todas as contas pagas, lembrar dos aniversários sempre, porreeeeeeeee.

Amanhã mesmo, vou abrir aquela garrafa de vodka Absolut Raspberry, que meu amigo Pier trouxe quando esteve na Escandinávia. Porque porre sem bebida,
eu não aguento mais.

A lebre e o manto da PÁSCOA


Qual a diferença entre um coelho e uma lebre?

Você sabe? Eu sei vendo, mas biologicamente não vejo lá muita diferença, os dois correm por ai, tem orelhas compridas, e se parecem, no mundo animal sou meio ignorante, lições na escola, lição de casa, notas boas na escola, mas o que não não nos interessa a gente esquece. Realmente não me interessava, não me interessava e quase ponto final, eu até aprendia, mas e ai?

Falo isso porque aqui na Holanda - minha segunda vida, na mesma vida, ou seria terceira (?) Porto Alegre/São Paulo?Leiden (4 meses em Londres e 8 meses em Pelotas quase não conto).vide que imigrei com 36 anos (idade adultésssssssssssima), tive que aprender tudo praticamente do zero. This is a book, it's a table, the table is yellow submarine. Dit is een boek, de tafel is geel. Cuidado pra não pronunciar "geil".

Alíás o bom de viver num yellow submarine é que ele já está afundado...nas profundezas.
E a Páscoa aqui na Holanda é tudo AMARELO, temporariamente se vive num yellow submarine.

Um desafio que procurei (ou saria sarna pra me coçar) quando sai do Brasil,  porque no meu Green Yellow Submarine tudo estava pronto pra mim, um tédio, a língua, Isto é um livro, A mesa é amarela. Fama, dinheiro, fortuna, reconhecimento do meu trabalho. Pergunte para um "clubber" em São Paulo, onde é o " quarteirão Bebete Indarte", a Bebete ele não dever conhecer, mas o nome é bem provável, tipo da coisa que não enche barriga, não paga contas, e chega uma hora que as pessoas nem sabem mais o que aconteceu no século XX.

Concertos pelo Brasil afora, hotéis 5 estrelas, entrevistas pra TV, programas, autógrafos, jornais, e tudo que vem com a fama meteórica, como se tudo caísse assim, na sua cabeça, "de repente" você é alguém, começam a acreditar que você é especial, que você "alguém" que tem algo a dizer, um pequeno salvador da pátria, e ai você percebe que são os 15 minutos de fama (Ok, um pouco mais longos) e que o "Sunset Boulevard" vai chegar um dia, melhor dar uma de Greta Garbo, Brigitte Bardot, sumir do mapa, puxar o carro, e largar essas mentiras todas (mayas), porque o pior de tudo é mentir pra si mesmo, então puxei o carro, tava louca pra brincar de casinha, ser mamãe, adoro me reinventar.,.e ter sarna pra me coçar, talvez tenha sido um cão vira-latas no sex XIX.
Bebete vambora, pois já está na hora. Hoje em dia a gíria até mudou: vaza, vaza...e vazei...o submarino vazou e foi dar na praia do mar norte.

E está chegando a hora da ....páscoa, todo mundo se empanturrando de ovos de chocolate, do Coelhinho da Páscoa...no Brasil, porque aqui é Lebre da Páscoa, e que diacho é isso, a Páscoa?

E tanto faz, coelho ou lebre, os ovos são de chocolate mesmo, e de galinha no café da manhã, aqui na Europa se come muito ovo no café da manhã, as crianças pintam os ovos...mas não comem, os meus filhos nem são muito fanáticos por ovos cozidos, coisa de adulto.

Só tive páscoa mesmo, no verdadeiro sentido da palavra, quando morava com minha mãe, na sexta feira santa, peixe, bacalhau...ninguém podia falar alto, minha mãe não podia bater na gente, nem puxar a orelha. E a gente se aproveitava da situação e fazia travessuras, na sexta feira santa, minha mãe fazia questão do peixe-pão-vinho, (o trio ternura) carne de vaca com sangue nem pensar, bem como foi a SANTA CEIA, dizia ela e aqueles apóstolos todos e o Judas, aquele cretino traidor, (me fizeram odiar um cara que nem conheço) bem feito que se enforcou, mas pra mim um coitado, porque nem pode aproveitar o dinheiro que ganhou, e fora que no filme Jesus Cristo Superstar ele é o melhor, eta voz de negão legal. Adoro o Judas. Onde Judas perdeu as botas...

No feriado na TV, passava o filme "O manto sagrado"..., escurecíamos a sala, e ficava que nem cinema, e todos unidos, assistindo pela milésima vez o mesmo filme. Todos. Até meu pai dava o braço a torcer e se unia à nós. Ninguém dava nem um pio.

Venho de uma família grande, 8 filhos de diferentes idades, 6 irmãos e uma irmã. Meu irmão Beto o mais alto, colocava um cobertor verde escuro no janelão, porque a cortinha bege da sala não dava conta, era o ponto alto do dia, junto com a chamada VAI COMEÇAR O FILME!, não existia vídeos VHS/dvd's/computadores...éramos em muitos, e felizes com o que tínhamos, a nossa TV e preta e branca. (Estou falando agora dos anos 60, sec XX).

Era um clássico, isso na páscoa, ir a missa, me assistir no coral da igreja São Sebastião, músicas ensaiadas para a ocasião (boa parte do ano), os rituais todos de uma grande família, que vivia mesmo com todos os problemas em completa harmonia.
Meu irmão caçula, sempre ganhava o ovo maior, gigante até...o que era um absurdo, o menor com ovo maior, e todo mundo ficava de olho na cestinha recheada/cestão dele, furtar era poribido. E minhas amiguinhas vizinhas, Themis e Maria Inês...filha(s) únicas, ganhavam ovos pro ano inteiro, que ficavam cheios de poeira branca, velhos, porque não comiam, e não dividiam com ninguém, e se exibiam da duração dos ovos podres delas. Os meus acabavam no primeiro dia, que importa...tinha mais o que me preocupar, sempre me distrai muito bem sózinha, com minha bicicleta e minha árvore, outros amigos, nunca fui invejosa com coisas materiais dos outros, o que eu quero, eu consigo, e quando era pequena, comia muito pouco, até mesmo ovos de páscoa.

E aqui, as crianças vão procurar os ovinhos minúsculos - aqui tem muito ovinhos minúsculos de vários sabores, chocolate puro, de leite, branco, misto, pralines...etc E tem muito coelho achocolatado, galinhas, pintinhos. E fora a decoração da casa, da mesa, as receitas especiais para o café da manhã, almoço (brunch), jantar.
As crianças vão pro bosque (passear na floresta enquanto seu lobo não vem), se o tempo estiver bom, procurar os ovos, achá-los e comê-los...
No meu tempo, era acordar e achar uma cestinha debaixo da cama and that's it. Mas cada lugar tem a sua tradição.

Jesus morreu na cruz "pra nos salvar", dizem...salvar de quê?
Nunca entendi essa, e nem tem que entender, tem que engolir, acreditar, que ele ressuscitou no terceiro dia, na páscoa e cala boca e não use camisinha que é proibido, diz o papa. E que ele veio nos salvar, e até hoje procuro um Jesus pra me salvar, mas enquanto isso fico com os ovinhos de chocolate, comprados com meu dinheiro mesmo, e como na hora que os quero.

E dá-lhe overdose de ovinhos, papo de coelhinho e de lebre...depois tudo some, como se fosse um carnaval diferente, no próximo ano tem mais. Essas mentiras que o ser humano encontra pra se ocupar, pra gastar dinheiro, pra ganhar dinheiro, e que somente as crianças acreditam, ou adultos que se recusam a crescer.

Enfim, acredito que a páscoa é pra isso, ouvir musiquinhas "Coelhinho da páscoa que trazes pra mim, um ovo, dois ovos, três ovos assim", é um feriado pra viajar, ou pra relaxar, pra tentar resgatar algo do passado, que nem se sabe mais o que é.
Para PARAR desacelerar.
Pra desejar como quero desejar à vocês: FELIZ PÁSCOA!

E não me pergunte pra que, porque eu desejo que você seja feliz, não somente na páscoa, sempre, o que eu também sei que é completamente impossível, mas a gente tenta.

Talvez eu faça parte dessa cambada de adultos, que quer acreditar em ALGO, pra continuar vivendo, e que de um certo modo, um dia foi criança e acreditou no Coelhinho, na lebre, no pastor alemão, na ovelha, no boi da cara preta, no bicho papão, na Cuca, na Bruxa Malvada, no Lobo Mau, no papai noel, no "yellow submarine,   etcetera e tal.

BOA PÁSCOA À TODOS, anyway! 

Wednesday, April 4, 2007

Sexualidade feminina


Dar boas risadas é uma maravilha, mas o que é bem melhor é sexo, primeiro sexo depois as risadas,  yes...let's talk about SEX e sexualidade feminina.
Ninguém é obrigado a ler isso aqui, mas hoje (dias atrás) lendo uma comunidade, aliás irmandade no Orkut a qual pertenço, de gente que fala o que quer, e tá lá pra se ajudar e ajudar os outros, trocar informações, se divertir, distrair, interessante que as pessoas discordam também, mas não sai baixaria, e olha 99% são bipers, bipolares de todas as graduações, gente como a gente, gente como eu, livres.
Sim, porque já percebi que muitos tentam fazer com que os bipolares sejam visto com maus olhos: olha lá! Tá vendo aquela louca? É bipolar.
Mas o que ninguém vê (e nem deve também), que ser bipolar é uma libertação, é ser quem se é, porque não tem outro jeito.

Pois bem, como sou a rainha do Vintage, é adoro coisa velha, adoro conversar com velhos, adoro mercado das pulgas, velharias bric a brac, carro antigo, arquitetura antiga, gosto até de homem velho, oops...muito acima de minha idade, paquero uns velhos tipo daqueles do filme Fome de Viver quando o David Bowie vai ficando velho, lembra? Fui numa postagem antiga, esse é o lado bom de uma comunidade, você procura os tópicos que te diz respeito e tira a coisa do fundo do baú, e vira novo, assim lá no topo da lista.

Um dos membros da comunidade, aliás uma mulher disse: "pior que surtar, é ficar sem sexo". (surtar ela se referia a um episódio de mania, euforia na bipolaridade). Amei, amei, amei ....queria lá, dar um beijo na boca dela. E é raro ouvir/ler, sobre mulher que fala sobre sexo, tabu sempre, não pra mim, não pra ela, que teve essa tirada, e que eu ganhei o dia. A maioria das pessoas dissimula, são os pudores gritando, como se nunca o fizessem, nunca fizeram e como se sexo fosse desimportante na vida delas.
Sexo não é prioridade para muitas mulheres (dizem as más línguas), até entendo...mas elas preferem falar de guerras, desentendimentos, pobreza de espírito, sujeiras., problemas financeiros, doenças, filhos, marido isso e aquilo...ah! isso sim é assunto? Vai lá? Até pode ser, mas o que não entendo é a relutância de falar sobre a sexualidade feminina, sexo, sem ser motivo de chacota, risadinhas nervosas, piadas clichês.

Ficar sem sexo, é muito ruim, eu sinceramente desde que comecei a minha vida sexual sou ativa? Exploda-se se você pensa diferente, eu não, e você deve me mandar explodir, que eu vou adorar, hahahaha, e não sou ninfomaníaca, nada disso, apenas sou uma pessoa que assumo que o sexo faz parte da minha 'agenda', digamos assim. Só que resumo aqui, eu fico estupefata, como o sexo é relacionado a uma coisa nojenta ou de menos valor, como se o ser humano tivesse sempre controle de tudo em sua vida, tudo pode menos sexo, principalmente falar sobre a sexualidade feminina, parece que não pode e pronto, pois se falar você será uma 'puta'.


Tem gente que não fala, eu até entendo, se inibe, inventa desculpas, não gosta e olha pro lado disfarçando, pensa na educação e nas culpas, cora, faz de conta que não ouviu, que não faz, apaga a luz. Mas está mais do que na hora de falarmos sobre o assunto, de mulher pra mulher, e de mulher para homens, na internet, nos blogs, nos encontros com amigas, na TV.
Penso que eu bem que poderia ter um programa de TV sobre, pra mostrar que é tabu que uma mulher não curte sexo, que a idéia da mulher como objeto do homem é um estereotipo criado pela sociedade.

Mas seria uma boa forma de invadir os lares das mulheres simples e normais tentando mostrar, que fazer sexo é um direito de todos, de todas as idades, e com certeza pegaria o documentário sobre o livro "O amor natural" de Carlos Drummond de Andrade, não há quem não se renda pra esse documentário, mas apenas os velhos "com uma vida sexual feliz", conseguem colocar em palavras uma coisa tão importante quanto a naturalidade de uma vida sexual desencanada, mas fazer o quê até Drummond ficou com medo da publicação do livro quando vivo. Ele fazia, e falou através da poesia, e como mineiro come quieto, ficou só na espreita...depois da morte, o livro foi publicado, e o documentário foi feito.

Com a vida sexual ativa, a gente esquece dos problemas, dos outros, do corpo "imperfeito", das mazelas do envelhecimento e limitações, até de nós mesmos esquecemos, é uma terapia, esquecemos o medo, a raiva, o ciúmes, vivemos no aqui e agora, mesmo que por alguns instantes, até começar de novo. Nas drogarias aqui na Holanda eles vendem uns vibradores "saudáveis", tá lá pra todo mundo ver, ou comprar. E inclusive há um site também avisando sobre os vibradores confiáveis, que não sai a tinta e não provoca doenças. http://www.veiligvibreren.nl


Lembro-me bem de John Lennon & Yoko, na manifestação anti-guerra...quebrando tabus, protestando nus na cama de um hotel, com muita naturalidade.

Tuesday, April 3, 2007

Aulas de escuta


Nos últimos dias, percebi que a verdade nua e crua não existe.
Ser a si próprio, é uma utopia. Podemos ser nós mesmos, no nosso íntimo, cortinas fechadas, portas fechadas, na intimidade do nosso lar, dos nossos quartos, dos nossos pensamentos.
Mas a verdade, pras pessoas dói, e se explicar, além de complicar, vira competição que nem com crianças, que querem sempre ter a razão.
E porisso que o ser humano mente, pra agradar o próximo.


As pessoas falam, mas não se comunicam, e não ouvem, é um mundinho de mentira confortável, colocam as sujeiras pra baixo do tapete e empurram as máscaras com a barriga, e qual o nosso papel nisso, deixar, porque todo ser humano manipula, manipula porque quer confete, manipula porque os dias são difíceis, manipula porque não encontram métodos pra felicidade, aquela felicidade de existir, manipula porque precisam se provar a todo instante pra si mesmo, que são legais, como criança também que precisa de elogios, 'sim tá fazendo tudo bonitinho', manipulam pra sobreviver.

Sites na internet, blog, orkuts, msn...são inofensivos, o que não é a palavra proferida, a verdade, eu mesmo já briguei com uma amiga via internet, inventei de dizer que ela era "hipócrita", pecado mortal, não, eu fui burra, devia ter dito que ela era um anjo de criatura...ou ter ficado calada e mordido a língua, mas sou assim, ou era...falava o que via frente, aliás na cabeça, e numa briga não me chamem, por favor, senão eu vou brigar mesmo.

Há cinco anos atrás, eu fiz um teste muito importante de holandês, que me fez pensar...eu não passei no teste de escuta da língua, o que de certo modo me deixou bem chateada, mas como sofria e ainda sofro de ansiedade, coloquei a culpa na ansiedade, tinha uma geladeira gigante por perto o qual o motor fazia um barulho horrível (era num hotel), e nas 100 questões o barulho do pip dos fones estava muito alto, me atrapalhava, é que na verdade eu não era lá muito boa ouvinte, até pensei que era surda.

Não, a responsabilidade era minha, sempre absorta na minha vida e no meu umbigo de tagarela, anos mais tarde, resolvi procurar a causa, e achei ...no budismo, onde sempre as reuniões eram ou na língua holandesa e ou na língua inglesa, as reuniões de palestras nas casas dos budistas.
Espressar seus sentimentos em português, já é complicado com estranhos, e numa língua estrangeira mais ainda, porque principalmente nas reuniões com estrangeiros, foi que aprendi....que existe a hora de falar, e a hora de ouvir, e assim era em círculos, cada um com sua hora, sendo que muitos nem se atreviam a abrir a boca, os mais humildes e tímidos.
E mais tarde ainda, quando percebi que os bipolares, falam MAIS QUE O NORMAL, quando há um episódio de mania/hipomania...e até normalmente, coloquei tudo numa panela, isso é uma verdade em minha vida, que quero superar, uma pedra no caminho.

E na comunicação com o outro, também temos que ter interesse de como o OUTRO recebe.

Ele entende o que queremos realmente dizer?

Ele só quer falar, não deixando espaço pra você?


Você está cedendo espaço pro outro, terminar uma idéia?

É assim uma vez, ou sempre?

É algo relevante que deva ser dito, ou é falar pra desabafar?

Qual a qualidade da conversa? Você está falando de você ou dos outros?
Quanto tempo você está falando do mesmo assunto?
Resolveu alguma coisa?



E assim, comparo com minha relação passada, onde o meu parceiro, parecia uma mulher e falava constantemente(sim porque as mulheres falam mais que os homens), onde cabeças rolavam pelo chão, cada um querendo falar mais que o outro, e por isso que nossa relação se dava tão bem quando praticamente não precisávamos de palavras, na horizontal. E nas raras vezes que sentávamos ao sol, sem dizer nada, curtindo o momento, como se fosse uma meditação, ou quando eu estava tranqüila sem necessidade nenhuma de abrir a boca - é, porque também teve esses dias, dias de paz.

Há sempre os dois lados da questão, nunca um só. Há sempre uma pessoa carente de afeto, ou duas, mas que não conseguem se comunicar, porque não possuem ou não estão conscientes que um dos fatores mais importantes da comunicação, é a escuta.

E qualquer relação assim, é fadada ao sucesso, quando duas partes relaxam, e dão vazão a leveza do ser, sem encucações, sem pulgas atrás da orelha desnecessárias.
Estou aprendendo a escutar, e mais engraçado ainda...lembrar de palavras de pessoas mais sábias que eu, aquelas que quero ser quando crescer, as que escutam, as que fazem yoga, as que meditam, as que não precisam se explicar...as ponderadas.

Um dia eu ainda chego lá.

Sunday, April 1, 2007

Para Theo blue eyes


Um poema idiota pra você:

Flores amarelas

Surpresa, não suporto surpresas
só as agradáveis
Me apaixonei pelos olhos mais azuis
que nunca vi
e suas flores amarelas



Me apaixonei
Não pelo seu corpo
Não pela sua voz

Não pelo seu cheiro
Pelo teu jeito
Me apaixonei porque você
Me trouxe flores do seu próprio jardim
Flores amarelas

Jamais no mundo alguém fez algo
assim pra mim
E estou feliz

que você tem um jardim
e que você é de 60
irmão de idade
irmão de filhos
e que a irmandade entre nós
conseguiu fazer de uma noite besta
um lugar mágico

Uma pessoa doce
uma alma de artista
um artista
que sua cor preferida
é o vermelho
o vermelho que tanto adoro

Que você faz yoga
e que já foi ao Nepal
é muito bom
e que ouviu atentamente tudo que proferi
da arte de escutar, você tem o dom
e que entre nós, rolou um nós
tranqüilo
e que nem tudo na vida é planejado

Olhos azuis
de um azul tão lindo
que por ser assim,
espero que você
continue gostando do meu pulso
do meu pulso firme
de minha voz de morena
das duas faces de Eva
que te contei

E seja como for,

porque se for será,
tem dias assim,
noites de estrelas
E que lágrimas sejam derramadas
apenas por emoção
de ser si mesmo
e de não ter medo do
desconhecido, e se o medo
chegar,
pensar nas flores amarelas
em todas as primaveras

E se a França for seu lugar
eu torço por você
pra esquecer sua tristeza
a dor da distância dos seus lindos
Não vou sentir saudades
Aprendi com a vida sobre o desapago
Só sentirei falta no inverno
de suas flores
flores amarelas.

R O X O


No ano passado, um dos piores anos de minha vida, fiquei por longo tempo "roxa".
Não batia em nada, porque normalmente sou sensível a batidas...e ficava roxa, rapidamente.
Principalmente nas pernas e braços, roxa.
Eu nem prestava atenção, mas volta e meia aparecia um roxo "do nada"...uns maiores outros menores, espalhados pelo corpo, eu até me perguntava na correria do dia a dia, onde foi que eu bati?

O que me curou foi o Brasil. Mais estranho ainda, que eu nem estava consciente de minhas hematomas, achava sempre que havia batido em algo, até que um dia percebi que havia algo errado comigo, e os roxos não vinham de batida nenhuma, e ficava apenas com pontos de interrogação e deixava prá lá, afinal...um roxinho aqui e outro ali, não muda muita coisa.

Na volta do Brasil, todas as hematomas sumiram como que por encanto. Mas não era encanto, dessa última vez que estive no Brasil, tive tempo suficiente pra mim. Fui sózinha, descansei, fui a Porto Alegre, Florianópolis e São Paulo. Revi pessoas queridas que amo muito e as quais sinto a maior falta morando na Holanda, fui a festas, caminhei, andei com amigos praticamente todos os dias, recebi muito carinho e atenção de TODOS, e quem não gosta disso?

Sinto que por todos os problemas que passam, muitos brasileiros não são estressados, porque vivem o dia de hoje, a batalha de hoje, como se o amanhã não existisse. E aqui - um país velho e totalmente arranjado, arrumado, e praticamente "sem os problemas básicos" que existem no Brasil, as pessoas reclamam o tempo todo e ficam centradas no seu próprio umbigo, e se esquecem dos outros, e de amenidades. Ou seria talvez porque férias e viagens, tiram a gente do ranço do dia-a-dia, o sangue circulada mais, o lado direito e esquerdo do cérebro se comunicam melhor, vai saber. Navegar é (sempre) preciso...

É tanta reclamação que ouço todos os dias, de coisas pequenas, e eu sou suscetível a isso, e claro aos meus próprios problemas, grandes ou pequenos, coisas que fogem do meu controle, o cotidiano às vezes me esmaga, às vezes eu disse.

No Brasil comprei um livro excelente que se chama "A doença como símbolo", uma enciclopédia psicossomática, os sintomas, significados, tratamentos e remissão.
Apesar de ser em português, não é fácil de entender, mais um livro de consulta. E pra facilitar a leitura, comprei "A doença como caminho", que é a visão do mesmo autor, sobre a cura e o ponto de mutação em que um Mal se deixa transformar em Bem.

Super interessante, pra explicar todos os tipos de doença, que todos nós temos, físicas e mentais, e com embassamento espiritual ( e carmíco) de cada um, não só o significado na medicina clássica, sendo que o autor é um médico, mas dá mais ênfase ao sintoma que é um alerta da alma para a carência essencial, e o grande objetivo do livro é dar um caminho novo à conquista do autoconhecimento, ou seja, perfeito, não só pra explicar MINHAS INOCENTES HEMATOMAS, mas como um todo, saber o que se passa quando algo acontece comigo (e com minha família).

Coincidentemente, quando aqui cheguei - de volta na Holanda, recebi o diagnóstico do transtorno afetivo bipolar, que até hoje está me fazendo pensar e repensar em toda a minha vida. Como se eu cada dia acordasse com um novo EU.

Não querendo ser enfadonha com esse assunto, aqui no meu blog, e ao mesmo tempo me justificando aos não bipolares, porque aliás aqui é meu espaço, e muitas pessoas - as bipolares principalmente, poderão se sentir seguras, que aqui é um espaço LIVRE elas, um ponto de encontro, de queixas (não reclamação, hahaha), desabafo, discussão em paz e sadia.
Afinal todos nós um dia, passaremos por um tipo de dificuldade". Minha mãe sempre dizia que o corpo é uma "máquina".

Mas como lidamos com essas doenças é a parte melhor, e positiva, como evidencia o livro. Não nos sentirmos vítimas, por exemplo, é uma boa parte da cura. Aceitar de peito aberto, se conhecer a cada dia, se auto-ajudar, se auto-educar, seguir o tratamento, tentar tratamentos alternativos, se amar, e aceitar mais o outro, a carência do outro, pois todos nós temos carências, física ou emocional.

O meu remédio Brasil, funcionou pras minhas hematomas...me recarregou de energia, meu sangue circulou melhor, lembranças inesquecíveis. Um problema aparentemente pequeno, mas meu corpo mandou esses pequenos sinais, e os sinais de nosso corpo, jamais devemos negligenciar.

Faz tempo que não tenho nenhum roxo, e espero ficar assim por muito tempo.

Tchau querida!

Não estamos alegres, é certo, mas também por que razão haveríamos de ficar tristes? O mar da história é agitado. As ameaças e as gue...