Monday, March 26, 2007

Universo do teu corpo


Desagradável, lamentável, triste. Às vezes nos sentimos assim pelos outros, não por nós mesmos.
Se os sonhos dos amigos se desfazem, se as coisas não são como queremos, fica no ar aquele "desapontamento"...a decepção de um momento harmônico longo que passou.
E assim foi o que aconteceu com um casal amigo, posso chamá-los de amigos, porque assim os adotei, apesar de serem DUAS PESSOAS DIFERENTES, mas depois de anos, um casal vira um casal, ou O CASAL.
Os dois lindíssimos, inteligentes, no frescor da reflexão e juventude, alucinados, zen, cool...os dois...escolados, descolados, viajados(?) muy amiga né? Modernos, e assim é com amigo, adjetivos nunca faltam. E os defeitos, a gente não vê. É que nem comprar um objeto eletrônico, fica-se com o objeto, ele é instalado, mas o manual de instruções se guarda na pasta de manuais depois de utilizado...eles não são necessários todo o dia...como os defeitos, dos amigos.

Na verdade, eles são amigos de muy amigos meus, e assim ficou aquele gancho. Porque brasileiro amigo é amigo mesmo, principalmente aqueles que a gente conhece no outro lado do oceano. As amizades além mar, são muitas vezes capengas, percebo a cada dia. Porque as pessoas não nos viu lá, não sabe do outro lado...lá. E aqui, é um remedo de vida, principalmente pra quem emigrou depois dois 36 que é o meu caso. Ser a gente mesmo é o melhor segredo, pra saber se a amizade é amizade de verdade, até com faniquitos. Sempre com exceções, lógico.

Eta eu, como sou enrolada. Mas esses meus amigos...que logo logo, terei que separá-los, porque eles "acabaram" de se separar, depois de dez anos, ou mais(?) de relacionamento, casamento, vida conjugada, amizade profunda, carinho mútuo visível, vivências compartilhadas, papéis, coisas virtuais e várias....cores, decoração da casa/apê, viagens, trabalho. Os dois têm, e bem "legal"...na parte de criação, jornalismo. Pessoas antes de tudo, criativas, agitadas...ela mais que ele, inquietude da juventude, aquela que te dá fome, sede, de experiência, de conhecimento. Eu já tive MUITO, e agora por força das circunstâncias (maternidade) tive que amarrar minha mula no quintal. Pessoas que inspiram os outros, porque toda a pessoa que vai atrás de UM SONHO, é objeto de inspiração, admiração e devoção.

Pois é, eles estão se separando...e eu não gosto, e não gostei, e o universo tá dormindo ainda, porque ela ainda não tirou todos os seus pertences do apto (já fazem cinco meses).
O universo terá que acordar...pra trabalhar a favor dessa separação corporal.
E achei que nas separações, assim como os filmes mostram.
Deveria haver um GRANDE motivo, lógico, palpável, pra explicação geral pro público...mas isso não existe, as pessoas simplesmente se separam, e é sempre DOLOROSO.
E como ela mesmo me confidenciou meses atrás, a relação era perfeita (demais), mas vai saber?


Se alguém tiver algo contra, fale agora ou cale-se para sempre!

- Eu falaria:

Tentem outra vez, utilizem formas alternativas como casamento aberto, LAT-relationship (living apart-together), terapia alternativa de casal. E o escambaú.
Não façam a mesma burrada que fiz 22 atrás...Um grande amor não aparece na esquina.

Mas sei qual será a resposta. Porque temos a tendência em resolver os problemas dos OUTROS EM DEZ MINUTOS.
Duas cabeças, duas sentenças, duas almas...dez minutos é muito pouco.
Mas a maioria das vezes, as almas se fundem tanto, que nós mortais só queremos ver esse show, all over again..

E chega na hora que ele acaba, e acaba nossa alegria, somos meros expectadores, a cortina se fechou, e se for cinema, a sessão acabou, as luzes se acendem, beijinho beijinho ciao ciao.
Prá nós só resta os comentários, como por exemplo: "A fotografia era bem melhor que o enredo"...pois é, pois não.

E para os meus queridos uma musiquinha.
Depois aprendo a fazer disso um rádio também...

Universo do teu corpo

Eu desisto,
Não existe essa manhã que eu perseguia.
Um lugar que me dê trégua ou me sorria.
Uma gente que não viva só pra si
Só encontro,
Gente amarga mergulhada no passado
Procurando repartir seu mundo errado
Nessa vida sem amor que eu aprendi

Por uns velhos vãos motivos
Somos cegos e cativos
No deserto do universo sem amor

É por isso que eu preciso
De você, como eu preciso
Não me deixe um só minuto sem amor
Vem comigo ,
Meu pedaço de universo é no teu corpo
Eu te abraço, corpo imerso no teu corpo
E em teus braços se unem versos à canção
Em que eu digo,
Que estou morto pra este mundo antigo
Que meu porto, meu destino, meu abrigo
São teu corpo amante, amigo em minhas mãos.

Taiguara

Friday, March 23, 2007

Ela se "joga" na vida


A-do-ro desafios e aventuras, e festas, e mudanças, e fazer amigos novos, e viajar, e dançar.
Correr riscos também fazem parte de minha personalidade, "bipolar" ou não, já arrisquei muito mais no passado, mas continuo arriscando a ter experiências novas, que nunca vivi antes e que muitos na minha idade nem cogitariam em fazer.
Visitando uma amiga artista plástica ontem, minha caríssima Anna, quando contei do recente diagnóstico ela comentou:
"My god, você tem mais propensão a ser gênio...", sabendo já da fama de muitos que possuem o transtorno afetivo bipolar.

Achei engraçado o comentário, mas jamais me compararia a um gênio como Baudelaire, Goethe, Nietzsche, Sócrates, Kierkegaard, Gauguin, Goya, Schubert(Robert), Beethoven, Dickens, Virgina Woolf, van Gogh, Isaac Newton etcetera etcerea, os bipolares conhecidos na história, eu sou simplesmente uma Maria que inventou em ser a tal Bebete, e a tal Bebete é uma figurinha que não existe dupla. Completou o álbum e that's it.

Eu sou também apenas uma passageira confusa desse planeta Terra, às vezes super alegre e positiva, às triste e sombria, e às vezes oscilo naquele que acho pior o "campo neutro", o tédio que praticamente não existe e só tá na cabeça da gente. É uma questão de mexer o corpo, arrumar gavetas e se ocupar com algo produtivo, não preciso escrever nem uma sinfonia e nem tenho cacife para tal, mas pelo pensamento posso mudar a ordem dos acontecimentos e os próprios acontecimentos, o acaso já existe por si. Somente quem já passou pela negritude da noite fria, sabe apreciar o poder energizador de um dia de sol.

Estou exatamente onde devia estar, porque esse foi o caminho que encontrei, que queria encontrar, e só eu tenho o poder da mudança, e se não mudá-lo é problema meu, contando que não envolva negativamente na vida de outros ao meu redor, e nesse caminho somos praticamente obrigados a tomar decisões a todo instante, e o macaco Simão na sua vã filosofia dizia, quem fica parado é poste, eu também concordo em gênero, número e grau, keep on moving, don't stop, no! Lembro também agora de Soul to Soul...bárbaro.

Confesso, que preciso de estímulos de todos os jeitos, me sinto mais feliz assim, e lá pelos 80/90 anos se eu tiver Alzheimer, eu vou esquecer tudo mesmo. Vou esquecer as lembranças boas e ruins, as vergonhas, os medos, vou virar um outro eu, e nem de lembranças vou viver, porque nem saber pra que serve uma pasta de dentes saberei, esse cérebro aqui é o chefe, mas por enquanto quem o comanda sou eu...mas se por vias do acaso, ele ficar intacto, darei boas risadas banguela no asilo, das coisas que aprontei.

Sou uma jovem, doidinha de 46 anos. E o tempo vai passando...e os números vão avançando, e mesmo cada dia aprendendo lições, às vezes elas voltam, e a gente fica assim, aprendendo tudo, e não sabendo nada, já tive a impressão de ser uma pessoa mais doce aos 13 anos, uma outra com menos medos aos 25, já fui também uma mais tolerante aos 33, e mais sábia e altruísta aos 37 quando fui mãe pela primeira vez, uma com mais auto-estima aos 42, e a energia vai e vem, estagnada nunca fica.

E escolhi o caminho do amor, da amizade, da experiência, da maternidade, de não negar uma experiência (que nem diz Wilde), os momentos passam, devemos perdoar aqueles que pisaram no nosso calo, e ter uma dívida de gratidão perante a eles, porque se não fossem eles, não estaríamos aqui, tentando evoluir do jeito que estamos.

Uns me chamam de mundana, outros de "tolinha", outros de genial, outros de bonitinha mas ordinária, uns até de bitch, uns de racional e humana, mas o mais importante que me vejo como uma pessoa especial, pra mim e sobretudo verdadeira, "ela se joga" na vida.

Kill Bill .......no....Kill it!


10 most important words

The most selfish one letter word…………. ”I” -- Avoid it.
The most satisfying two-letter word…….….”WE” -- Use it
The most poisonous three-letter word……..”EGO” -- Kill it.
The most used four-letter word…………”LOVE” -- Value it.
The most pleasing five-letter word……….”SMILE” -- Keep it.
The fastest spreading six-letter word…….”RUMOUR” -- Ignore it.
The hardest working seven-letter word…….”SUCCESS” -- Achieve it.
The most enviable eight-letter word……..”JEALOUSY” -- Distance it.
The most powerful nine-letter word……..”KNOWLEDGE” -- Acquire it.
The most essential ten-letter word………”CONFIDENCE” -- Trust it.
Just, think about it!

Tuesday, March 20, 2007

Bridget Jones x Eu e meu teddy bear


Já faz algum tempo que o diário de Bridget Jones (livro) e os filmes , parte I e II entraram e saíram de cartaz. Adoro comentar sobre coisas que não são mais faladas e não estão mais em moda.
Assisti no final de semana passado, a segunda parte assim "sem querer querendo"...porque nessa parte ela namora o Mark e desnamora, vai pra Tailândia é presa por tráfico de drogas, o Mark a libera, e aparece aquela secretária "lésbica" dele do nada, que se apaixona por ela assim do nada (e eu daria uma rasteira no Mark, porque no amor e na guerra vale tudo)...e vão esquiar e fica devendo muito pro primeiro filme, que realllllllmente é muito bom e pra mim melhor.

Mas a Bridget está gordinha, mais gordinha do que na VESPA ASSADA com batatas pra acompanhar. Apesar de que na Tailândia eles comem grilinhos fritos à moda do chef. E atriz mais uma vez se entupiu de donuts pra fazer o papel...nesse sentido me pareço com ela. Hoje numa loja muito conhecida por mim, experimento uma camisa stretch (38 ou 40)...o 38 serviu claro era stretch, mas a imagem do espelho me dizia, leve a "preta". E mais uma vez me entupi não de donuts, mas de roupas pretas no meu armário, que está quase explodindo, como eu, tudo pra disfarçar esses incômodos baconzitos.

Bridget Jones, e as músicas, trilha sonora notal 10...não vou exagerar e dar mais.

Mas não me comparo com a Jones, claro não sou inglesa, não sou loira, meus conhecimentos de geografia vão além do dela...e outras coisitias más, mas ambos "solteiras"...eu apesar de ser divorciada, acho uma palavra muito séria, me considero solteira. Me espelho e vejo, que é tudo a mesma coisa, no quisito sexo oposto. Me imagino "tirando a roupa" na penumbra, acordando de manhã primeiro e dando uma refrescada no rosto, boca...certas coisas não tem como se disfarçar quando a idade chega.
Dizem que homem não repara uns quilinhos a mais e até gosta, mas eu não gosto, principalmente quando as roupas deixam de servir, e ainda estão na "moda".

E fico pensando como é desgastante início de namoro, pelo menos pra mulher, ou pra mim, ou pra depois dos 40. E se o outro tem 20 anos a menos que você nem fale, é pintar cabelo de 15 dias, se depilar dia sim dia não...fora os out-fits, sempre condizentes com a idade....dele.
Custa muita energia.
Falo isso que apareceu dois pretendentes, um já conhecido aqui nesse blog de 26, e outro de 25, que me acha uma mulher sexy e tem até carro com Tom Tom , é porque eu ainda não tirei a roupa, hahahaha. Hoje mesmo, desmarquei um encontro com a pobre criatura, só porque não havia dormido direito. E vai explicar? É claro que ele ficou fulo da vida comigo.

E parece que eu estou querendo ficar solteira por uns tempos, até pensar melhor sobre a utilidade real de um homem na minha vida, ou seria mais uma forma de fugir da raia? Estou protelando o máximo, qualquer tipo de contato, fora da internet e telefone...

Talvez porisso que minhas últimas relações tenham acabado, quando a utitilidade acabou, acabou o fun.

Necessidades para uma próxima?

- preciso de um parceiro sexual fixo, de galho em galho não é pra mim (not done) de vez em quando "pular a cerca", não tenho grandes problemas...monogamia aconteceu somente uma vez no meu casamento e foi suficiente, OK mas antes alguém, pra depois pular a cerca, no fundo tenho que rever esse item;

- precisava de um pai pros meus filhos: tive um pai, então não preciso mais.

- precisava de um louco pra fazer loucuras, e tive um louco e muitas loucuras, sobrou o trauma e a lição de que devo aprender a impor limites, desde cedo....adeus loucos.

- precisava de amigos homens, tenho muitos amigos homens e graças ao Universo, gays, os melhores, mais companheiros, mais fiéis, mais divertidos, mais intensos, mais mais mais...isso sempre preciso.

A figura da Bridget ficou pra trás. Ela precisa de marido, eu não. Ela precisa de um suposto pai pro filho dela, eu não. Esse tipo de homens já tive.

E descobri que achar uma pessoa "certa" do jeito que a gente quer, com os mesmos gostos, interesses, e maneira semelhante não quer dizer nada, principalmente no meu caso, quando ainda não se sabe o que se quer.

Ai sou tão volúvel, vou ficando por enquanto com meu Teddy Bear....
Boa noite!

Sunday, March 18, 2007

Down by law


Ficha Técnica:


cena do crime:


-local: Amsterdam

-evento: aniversário de 40 anos de irmãos gêmeos - café de Hogesluis - na frente do hotel Amstel

-música:

DJ que tocava dance classics (Pump the jam pump up - Technotronic é tudo)- muito bom por sinal-banda com vocalista negra e gorda e nervosa(perfeito) e uma menina saxofinista, claro prefiro sempre o DJ, mas a fofa era auma Diva de peitão e tudo e cheia de suor e odores hihihi.

-público

= 200 holandeses gigantes bêbados-muita fumaça-poucos amigos, porém bons(Marília/Andréa/Esperança/Branca/Jascha), e mais uns conhecidos que eu nunca vi, e o cara que eu convidei pra ir pra lá, eu era um tipo de furona e ainda levei um furão, hehehe.
A culpa não é minha, ele me mandou uma sms "you're not leaving this town before you had at least one drink with me"...um date de última hora, mas uma pessoa de primeira (artista plástico, pianista, fala 5 idiomas, super bem o spañol, decorador, moderno, cidadão do mundo, sexy)
pontos menores ou irreconhecíveis:

não ouvia nada do que ele falava, nem ele a mim e eu? me entupindo de pepsi light e nicotina, e ele sempre charmoso acendendo meu cigarro, porque eu falei para ele que assim manda o figurino segundo meu pai, um homem acende um cigarro de uma mulher. Determinado momento eu quis quebrar o "protocolo", e ele falou:
- Lembre-se do seu pai!
- Fofo...adoro gente, que nunca vi e sempre amei...e ainda dançamos juntos, até que eu enchi o saco, e deixei ele pra lá...e ele foi embora dizendo : "Eu não me sinto em casa aqui, vou embora", segurou a minha cabeça e me deu um beijo na boca, daqueles que se fica pensando o que é?
Amizade, hormônicos pululantes, carência...resolvi deixar assim, te ligo disse...vamos numa amiga italiana artista plástica.

- perdi a caixinha camuflada do meu óculos novo "Bruce, Booth& England", buáááá

- e que mania que os motoristas de táxi de Amsterdã têm de me acharem boazinha, e quererem me proteger, bom...tanto melhor.


- Leiden (trem), esperei 40 minutos na CS (Central station), sem nada pra ler, que é uma tortura de madrugada...e sem ipod, buááááááá, mas pelo menos nessa noite não fui pra Utrecht (Utreque).


The day after:

letargia/lerdeza nas mãos/peso nos braços e nas pernas/nuca tensa...olhos danificados-dor na garganta pelo consumo excessivo de nicotina devido aos estímulos externos

resultado: sem embalos de sábado chill-out, abostar na frente da TV e outra atitude passiva qualquer.


Desafio:

tentar beber chá verde, água, evitar o fumo

sorte que tenho colírio Moura Brasil, pepino comprado para os olhos - colocar ? ñ tenho paciência fazer daimoku e gongyo lento dormir o máximo possível (dormi 13 horas)


E agora vocês vão me perguntar o que o filme do Jim Jarmusch tem a ver com a festa que fui na sexta feira. Bom, no filme eles foram todos presos, se meteram em roubadas, uns inocentes outros cairam em armadilhas, mas não eram grande coisa referente a caráter. E o cara que conheci era uma mistura de Tom Waits e John Lurie(tira o Roberto Benigni fora)...um tipo alternativo, saído de um filme do Jim, ficamos amigos, porque não bateu mesmo...mas já a minha amiga gostou dele, né Má?, se ele que ela lembrar porque ela sim encheu o caneco...junto aos outros 198.


MUNDO PARALELO


Pra mim existem dois mundos distintos, o mundo dos acordados e o mundo dos adormecidos.

Não sou louca de falar que gosto mais do segundo. Mas sempre gostei de dormir, e levo isso muito a sério. Sem dormir, ficaríamos loucos. O sono é necessário pra todo o ser humano.

Tanto que uma forma de tortura, era não deixar o "enclausurado" dormir, com interrogatórios, jatos de água fria, luzes fortes no rosto, e assim vai.


Dormir pra mim, significa sonhar e levo meus sonhos a sério, gosto do meus sonhos, tenho uma outra vida nos meus sonhos, não sou EU nos meus sonhos, sou aquilo que vai acontecendo ao meu redor, e chamo isso de MUNDO PARALELO.


Além do ser humano renovar suas células no sonho, se renovar, descansar é no sonho que vivenciamos uma vida completamente diferente da vida de acordado, sem agendas da semana, obrigações, burocracia, elegância, educação, contas pra pagar. Nos somos somos o que somos, e isso pode ser qualquer coisa, e o melhor ainda são os acontecimentos completamentes fora de controle e não lineares, sem casa, sem roupa, sem país, sombras, cores, formas que não são humanas, sem decência, liberdade total, sem a ditadura de tempo e espaço.


Nos sonhos podemos morrer sem estarmos mortos, nos jogar de altos prédios e não nos machucarmos, comer tudo que der na telha, não somos mães, não somos filhos, não somos solteiros nem casados, somos aquilo que acontece conosco naquele momento, uma aventura constante.


Dias atrás, acordei muito, mas muito feliz, sonhei que a Paloma Picasso( cadelinha) estava viva, e no sonho ela estava do jeito que adorava estar, com as patinhas pra cima, e com aquele pelo preto limpo, liso e brilhante, e com minhas mãos eu podia apalpá-la e alisá-la, e me lembro muito bem o que dizia:


- Paloma que bom que você está viva e voltou.(e aproveitei o momento).


No sonho, ela não estava morta, ainda estava quente...sentia o calor do bichinho mais estimado que já tive, mais adorado, idolatrado até, porque aqueles que a conhecerem sabia o quanto ela significava pra mim. Ela era minha filha de então, que dizia mais sobre o meu sentimento que nutria por ela e também apego.


Ter um animal de estimação é muito importante, e eu adoro cães...claro, não qualquer cão. Mas especificamente a raça "dachshond", teckel (nome na Holanda), salsicha ou linguiça popularmente falado no Brasil. Ela estava lá, naquele momento, no meu sonho, viva, de barriguinha pra cima, estarrecida e preguiçosa, como gostava de ficar...era simplesmente momentos de sua vida, prolongados. E esse é um exemplo que pode acontecer no mundo paralelo, sonhar com pessoas mortas, que estão tão vivas quanto eram, e assim prolongar nossos pensamentos, como se nossa memória se descontrolasse vez ou outra.


Sim, já sonhei com minha mãe, com uma casa maravilhosa que morei (com pomar/jardim). Sonhei com meu grande amor por anos - tudo isso quando estava casada com outro. O sonho às vezes no dá, o que já não temos mais, uma rua, um país, pais, um trabalho, amigos, um amor.

Quantas vezes sonhei com um amigo chamado Eloy, e no sonho ele sempre deslumbrante como na vida real. Já tive pré-monição em sonho, que nos próximos dia aconteceram, e que me fizeram abrir os olhos, e respeitar meus sonhos ainda mais, um tipo de sensibilidade mediúnica.


E assim eu continuo adorando dormir, me sentir leve, relaxar o corpo e a mente, e principalmente nos meus lençõis 100% algodão, e me preparar para mais uma noite, mas sem expectativas, pois esse tipo de controle não possuímos, programar nossos sonhos, agendar nossos sonhos, talvez um direcionamento em termos de tranquilidade sim, para evitarmos os desagradáveis pesadelos, o lado negro do "mundo paralelo".


Boa noite!zzzzzzzzzzzzzzzzzzzz




Friday, March 16, 2007

About me de hoje no Orkut


Chega, nessa terceira "série" de orkut não vou deixar ninguém me "tirar do universo" como pronunciou minha amiga Kety.Como muitos, estou aqui...não para brigar, não para magoar, não para discutir coisas indiscutíveis.Mas para trocar experiências diversas de vida, acrescentar amigos, acrescentar algo na vida dos amigos, e aprender sempre que a vida vale ser vivida cada dia, com toda dor e todo o júbilo(ai que palavra bíblica).Não virei santa Bernadete, nem católica sou. Sou mais um ser, circulando nessa órbita planetária, consciente das imperfeições da humanidade, carente de amor como todos, do amor incondicional, do amor platônico...do amor carnal, e etc e tal"Qualquer maneira de amor, vale a pena", como dizia a letra da canção. E como peregrina de minha revolução humana, metamorfótica sempre porque tudo é transitório na vida, registro aqui que "todas as pessoas valem a pena"...mesmo as CHATAS que mandam spam.


O texto acima é o meu "about me" de hoje no orkut.

Muitos brasileiros conhecem o orkut, e talvez dispense apresentações.

Tenho a característica mutante de trocar de about me, deletar...colocar outro, muitas pessoas o fazem, e eu o faço...por que sinto que sou uma pessoa que mudo a toda hora, aliás até exagero na dose.


Se explicar é chato, não é necessário...às vezes, mas por ter sido deletada duas vezes, ou seja, esse é o meu terceiro perfil no orkut, percebo que devo dar uma satisfação à pessoas que não entendem minha saída repentina do mesmo, até sendo porque "já fui uma pessoa pública"(Que fim levou Robin? Massivo/Latino/AZE 70/Amostra Grátis/The Ultimate - Latino Itinerante).


Fui cancelada=deletada=banida, hackeada, por duas vezes no orkut. Numa guerra que podem chamar de "amorosa"...confesso que os dias passam e percebo que de amor não teve nada, ou o sentimento em si "não é o culpado"...e sim as pessoas nele envolvidas.


Zand erover que nem dizemos em holandês (areia encima)??? Será...

Por conta desse ato, perdi contato com várias pessoas queridas, estou agora me explicando, perdi comunidades, entre elas, Bebete Indarte/GLS na Holanda/Zé Contente - livro do meu irmão/Bipolar Aware...criadas por mim, com exceção da Bebete Indarte, criada por Mauro japonês, e fora isso aquela rasgação de seda toda "Os depoimentos" que se foram. Who cares?

Eu.


Não me deixei abalar, mas confesso que ainda está sendo desgastante. Há quase três anos que faço parte do UNIVERSO DO ORKUT, e pra nós estrangeiros, tem até um outro sabor. Nos sentimos mais perto de nossa terra, nossos amigos, nossa família...ficamos mais próximos uns dos outros, podemos escrever em português, discorrer nas comunidades assuntos de nosso interesse.


Parafraseando a grande Patty Thompson ex presidente da fundação HOPE (auxílio para crianças carentes com câncer), que também sofreu algo semelhante no orkut:


"Nós nascemos das cinzas"(amiga). ...


E assim somos, e que venham os leões e os "invejentos" de nossa felicidade.

O orkut é meu e ninguém mais tasca.

Thursday, March 15, 2007

Pinta e BORDA


Literalmente eu não pinto - de vez em quando uma parede - e nem bordo, até tentei fazer um curso de pintura, e morria de medo de pegar o pincel, sentindo que a coisa toda tenderia a mediocridade ou passatempo, larguei...já bordar, meu primeiro trauma no Colégio Santa Inês em Porto Alegre, na matéria "trabalhos manuais", precisamente bordado, foi quando tirei minha primeira nota baixa (nota vermelha sujando meu boletim).
Mas aqui na Holanda, me chamam de BORDA, melhor, não Bórda, mas Bôrda. Senhora Bôrda...
Mevrouw Borda, Borda, Borda e + Borda...senhora Borda isso, aqui, senhora Borda como tem passado, senhora Borda, blábláblá.

Ai...onde eu fui amarrar minha onça. Aqui eles desconhecem dois sobrenomes, um do pai e outro da mãe como eu tenho no meu nome. Maria não existe, Bernadete não existe, são letras M.B., e tanto faz se o M foi Madregilda e o B Brucineide...raramente alguém pergunta o que significa o M. e B., digo, não na esfera social. O que me dificulta mais ainda quando falo meu apelido "Bêbéte"...eles me chamam de tudo Babette, Bebetchie, Bebetje,
(esse nome não existe aqui) e é muito complicado pelas 3 vogais com tons diferentes, outros acham super interessante. Há pouco, conheci um homem que pra evitar contratempos e embaraços resolveu me chamar de BE.

E assim caminha a humanidade de ser estrangeira, quando era casada e tinha o nome holandês do meu ex marido, a vida era um pouco mais fácil "Crooijmans"(ij = pronuncia-se i em português, então esqueça o JOTA pra facilitar a vida).

Quando nasce uma criança, é proibido colocar dois sobrenomes, optei pelo Crooijmans porque o pai é holandês, eu também possuia o Crooijmans, e também porque a minha intuição assim dizia, facilitará a vida dos pobres rebentos. E assim o é..., obrigada intuição e visão.

Meus filhos são holandeses, mas por terem uma "mãe brasileira", não são considerados "holandeses puros"...nossa família aliás é uma miscelânea deliberada, avô biológico italiano, avó holandesa, bisavó alemã, bisavô russo e no meu lado, avós brasileiros, bisavós uruguaios e brasileiros (de origem francesa e espanhola)...ai me dá um canseira até, esses nômados como eu.
Peregrinos, dando volta ao mundo, tendo filho aqui...se mudando pra lá, querendo ir acolá.

Mas voltando ao pinta e BORDA, meu grande trunfo é falar essa bendita língua - como foi difícil aprender e também não foi nada de mão beijada. e também ter na mão o tal passaporte holandês, europeu...possuo os dois. Cogitam (na política) tirar a dupla nacionalidade, o que eu acredito não irá acontecer. No caso, teria que entregar o meu verdinho, e isso não vou fazer porque um dia quero voltar a morar no Brasil.

O verdinho não serve lá pra muita coisa no mundo, com o holandês posso ir pros Estados Unidos (aqueles chatos arrogantes) sem precisar de visto. Já com passaporte português e mesmo o italiano é necessário "visto", não me perguntem o porquê, coisa de legislação americana. Mas mesmo tendo a tal nacionalidade e falar o idioma fluentemente, ainda sou e serei a mevrouw BORDA, praticamente forever...porque não tenho a intenção de me divorciar novamente.

Sinto saudades do belo INDARTE, aliás nunca questionava quando no Brasil sobre o meu BORDA (por mim considerado menor, sem muita expressão), muitas até diziam BORBA pensando bem. Sobrenome do pai de minha mãe vô Chico que eu mesma não o conheci. O véio já era morto quando eu nasci, e só lembro das estórias e "causos" contados pela família, que tinha uma perna menor, que mesmo assim uma vez havia ganho uma corrida de sacos, desses que pula pula vai até o outro lado e volta...e se ganha ou perde, sabe aquela coisa gincana de saco de estopa.
E que também possuíra em Pelotas, uma loja de produtos importados, delicatesses da época, vinho do Porto e afins, na cidade de Rio Grande, no Rio Grande do Sul se situa o maior porto da região. E assim era vô Chico, casado com vó Zefinha(Maria José), 10 anos mais velho - velho safado(?) no bom sentido. Mas por ser um comerciante de prestígio no início do século XX, era respeitado por todos da comunidade, o nome Borda tem pedigree...

E assim nasceu a Dóra Bordinha, apelido 'pimentinha' de minha mãe e casou com o Sr Manoel Indarte (mais castelhano de que qualquer coisa) , e muitos anos depois eu mevrouw Borda.
Me sinto incompleta, acho que nome é importante sim, um outro tipo de identidade, e nesse sentido, me sinto aqui pela metade apesar de ser "um deles", nada a fazer...pelo menos não moro no Japão, né?
Sayonara Indarte.

Wednesday, March 14, 2007

Amigo reflexo no espelho


Digo de carteirinha, que nem a brega música do Roberto Carlos "eu quero ter um milhão de amigos e bem mais forte poder cantar"...acho que ele quer cantar e se isibir porque tem amigos, né? Quem não, numa maneira low profile? Estou na metade(?) de minha vida....e tenho muitos, sim, nem todos pertos, outros no lado esquerdo do peito...mas os tenho.

Comigo também. E acho que amizade é uma das coisas que fazem a vida ficar mais temperada, interessante, uma riqueza de graça, muitos poetas, cantores, escrever, cantam sobre a amizade.
E até acho que comparando com o Amor, existem poucas canções sobre. Talvez porque o amor venha carregado de ilusões, e ilustre uma vendável dor, já na amizade a dor é praticamente inexistente, talvez a dor da perde...mas isso é outro papo.


Talvez ,essa mesma dor da distância, (não como no amor, mas por sentir falta de compartilhar dias, problemas, diversão, papos, dor de um "raro" rompimento, de uma morte, afastamento por qualquer motivo, das linhas tortas da vida. Mas no geral a amizade, quando é verdadeira, é que nem uma planta, plantada no solo certo claro, sol, água (do orvalho), e sem fungos ou formigas que possa vir a danificá-la...dura por muitos e muitos anos.

Eu posso dizer que só devo agradecer à internet. Depois que me inscrevi no orkut...cada vez mais me surpreendo que sempre aparecem amigos MUITO QUERIDOS do passado, novamente em minha vida. Pessoas que hoje tem filhos grandes, até netos, pessoas que moram muito longe, na minha cidade natal, São Paulo onde morei, em outras partes no mundo, pessoas que através dos anos conviveram comigo, com uma Bebete de 15 anos, uma Bebete 22 outra de 34, e agora 46, sempre a mesma na essência, sempre sem máscaras...e assim eles são meu reflexo no espelho, e o curioso é que todos nós somos diferentes, mas iguais, companheiros de alma.

Bastou um clique, no meu nome...ou eu no nome deles, lá estão eles novamente fazendo parte do meu quase dia a dia, é realmente incrível isso.
Sou imensamente grata. Tenho sorte??? Sim, tenho sorte...se essa for a palavra, não gosto muito da palavra sorte, porque sou quem sou e vou atrás do que quero, e eles são quem são, e sempre houve a troca necessária, que é a amizade, sempre houve o prazer da companhia do outro, da troca desinteressada. E assim os anos vão se passando, e assim mesmo afastados, devemos realmente agradecer por ter amigos, e por nossos amigos, nos aceitarem como somos, simplesmente pelo fato de existirmos . Minha porta sempre estará aberta pra vocês...viu?

"Através da amizade, há sempre um prazer oculto, que jamais entenderão os medíocres"
(anônimo)

Tuesday, March 13, 2007

Farrapo humano - The lost weekend


Quando eu gosto de uma coisa, eu gosto mesmo e aquilo me marca de um jeito que não sai.
E assim foi o filme de 1945 "Farrapo Humano" (The lost weekend) título original.
E como era pequena, o filme era até em preto e branco, ou meu pai que não tinha adquirido a colorida, sim sou jurássica.
Foi um filme obrigatoriamente "noir" pra mim, e quanto mais preto&branco mais intrigante, sujo, cheio de graxa, cheio de sombras obscuras, e sarjetas realistas.

E assim é o alcoolismo, não tô falando e nem quero falar de outra droga, mas do álcool, da "danada" da cachaça, da doença que é ser alcóolatra, do desespero, e das tragérias que acontecem por causa do álcool.

Eu graças ao bom Deus, Buda, Alláh e Universo...não tive pais alcóolatras, mas conheci pessoas que tiverem o desprazer e desespero de os terem, um ou outro.
E uma dessas pessoas, inclusive bem próxima da minha vida - não vou entrar em detalhe.

Eu não bebo, claro que bebo digamos "socialmente"....posso até no verão, encher o caneco de cerveja, não demais porque engorda e incha, e/ou beber vinho rosé...não a garrafa toda. Não que seja econômica, não sou alcóolatra.
Só posso perceber um pouco de glamour, one martini very dry, porque não sou alcóolatra.

Já tomei porres homéricos na juventude, aos 17 anos, aos 23 etc...os que eu me lembre, mas sou tão fraca pra bebida que vejo isso como um presente dos deuses.

Também claro que sou afiliada a Baco...e sei apreciar e não só jogar guela abaixo um bom vinho, e isso não tem segredo nenhum, bebia desde pequena com meu pai/mãe como família católica e do sul, mas criança com água (muita) e açúcar.

Falo dos destilados, whisky, gin, tequila, geniver, rum, vodka, sakê...e segue...até

Países como o Brasil, onde a vida humana não tem o valor devido, as pessoas ainda bebem e correm risco no trânsito, e assim temos muitas mortes desnecessárias.

E fora, que tem gente que quando bebe, fica agressiva, chata, fede, e irradia uma aura de desconforto ao redor, sem limites e respeito ao próximo, e o que é pior não procuram ajuda quando sóbrio, pra resolver a enrascada em que se encontram, e assim vão se afundando e colocando a culpa de suas vidas miseráveis nos outros, vítimas de si mesmos.

Páre!
Lembro do filme, como pôde um escritor...virar aquilo, como eu levei a sério na época aquela situação. Seria sorte minha que não tenho tendência ao alcoolismo? Carma, opção, força de vontade? Moderação?
E então existe uma luz no fim do túnel, antes que o rim se corroa, antes que o moral se rebaixe, antes que todos ao redor sumam, inventando desculpas.

Os alcóolatras anônimos...porque tenho certeza, atrás de 'bebum' de um farrapo humano, também bate um coração...antes que ele páre.

Pausa para uma xícara de sol


Se alguém está acompanhando esse bloguinho aqui, sei lá...eu escrevo e escrevo e não leio nenhum comentário. Se bem que não estou esperando por comentários, é claro, mas quero fazer uma coisa, que não gosto: - me explicar.

Minha curta ausência se deve, é que estou tirando uma pausa para uma xícara de sol, aliás tomar um sol...se toma café, se toma sol, chá...
Não viajei pra nenhum lugar, fiquei aqui mesmo na Holanda.


A pausa foi pra pegar sol....e parece ridículo, se você ver pela perspectiva brasileira, mas por essas paragens aqui não é...

O sol tem aparecido nos últimos três dias, e quem mora na Holanda sabe, não deixe pra amanhã pra fazer o que você gostaria no sol HOJE.

Vá pra fora, tome café nos terraços (cafés que possuem calçadas com meses e cadeiras), vá a parques, passear de barco...nas ruas, ande mais de bicicleta ainda, evite lugares fechados, sem vista pra fora, curta o máximo possível cada minuto.


Eu aderi essa moda, há muito tempo.

Todo inverno viro "cogumelo' com muito musgo, e me dano porisso...ai é uma desgraça, apesar de adorar a moda de inverno, de resto...eu gosto, porque não tenho outra alternativa.

Fico branquela, aliás sou amarela e não branquela, mas quando vem o sol...com sua energia multiplicadora, transbordante, todos nos rendemos à ele, me sinto ligada na tomada, por dentro, não que eu vá sair pulando que nem uma louca por ai, mas viro meu rosto pro sol, e fico lá que nem pateta, sentindo seu calor.


A primavera se aproxima, e os dias são mais longos, e as pessoas ficam mais bem humoradas, cheias de planos no olhar...para o verão, e o próprio dia.


E o sol pra nos aquecer, assim é no hemisfério norte...assim somos nós "criaturas" dos trópicos, ainda mais sedentas por tudo que eles nos dá, sorte que existem quatro estações.



E tchauzinho que vou para o jardim, antes que ele se vá.
Volto já!

Friday, March 9, 2007

Bebete no Brasil


Tudo de bom.com ser lembrada ainda na 'cena' no Brasil como mulher que fez alguma coisa.
Claro gostaria que fosse algo mais político, mas de qualquer forma foi super legal, ter sido importante pra geração que gosta de música eletrônica, pessoas que aprenderam a ser elas mesmas, e a cena club toda, DJ's, pistas, globalização, intercâmbio de DJ's internacionais.
É isso que dá fazer só o que se gosta, tudo na vida que é feito com paixão tem retorno. Que egotrip né?
foto: Ida Feldman em SP





Love for sale


Hoje está fazendo um mês que estou inscrita num date site, depois do meu namoro que acabou entrei pra lá pra procurar uma distração. Você pode ir lá procurar somente date (que é mais marcar encontro), relação fixa, amizade - que eu duvido muito, mas acontece e no meu caso "contato por email", porque adoro escrever mas também gosto de feed-back.

Nesse um mês apareceu de tudo por lá, velhos apaixonados pelas minhas fotos e perfis, gente que não gosta de mim porque fumo ou sou feia e velha (aos olhos deles), ou tem interesses completamente opostos, o famigerado match (compatibilidade), tarados mal resolvidos/justiceiros completamente freaks pela minha bota vermelha, gente se humilhando por uma atenção ou reply meu, do nível mais alto até o mais baixo de educação, mas no geral esse site são de pessoas de nível médio e universitário.


Há uma semana atrás fiz um experimento, pra mostrar pra uma amiga descrente, que acha esse tipo de contato "artificial". Eu acredito que possa ser artificial, mas não há como negar que é uma forma hoje em dia muito comum de conhecer um possível partner, ou pelo menos ter experiência e conhecer pessoas que você jamais pensaria em conhecer, principalmente na Holanda, que os homens não te olham...quanto mais paqueram.

Expliquei pra ela que até jovens abaixo dos trinta, se inscrevem nesses sites...como exemplo cliquei num perfil de um garoto loiro lindo (se pode postar 5 fotos por lá), e resolvi mandar de gozação um "coração" pra ele, coração significa que a pessoa recebe uma mensagem automática, não um email pessoal (escrito por você), eu por exemplo desativei essa possibilidade, porque acho que quem está interessado em mim, deve se dar ao trabalho de me mandar pelo menos um 'Olá tudo bem?".

Resultado, na manhã seguinte, havia recebido um quase longo email da criatura que se chama Vincent, falando que tinha gostado do meu perfil e tinha achado muito legal eu ter entrado contato com ele, e fez umas perguntas pessoais dando continuidade ao "meu interesse". Sendo que eu não estava interessada nele.


Acabamos ficando amiguinhos, nessa semana, e todos os dias escrevemos um pro outro, contando sobre nossas vidinhas, e também - como ele é romântico, fica me mandando corações e palavras bonitinhas nos emoticons do MSN ou mesmo no chat do site.

Ele me confidenciou que gosta de mulheres mais velhas, e que já havia tido um relação longa com uma. Perguntei quão longa era longa pra ele, e ele me respondeu: 2 anos. Detalhe ele tem 26 anos, 20 anos mais novo que eu. E porque sou uma mulher versátil e com experiência, percebi que ele estava curioso, aliás ele me confidenciou isso.


Falei inclusive que iria comentar sobre ele no meu blog, e pedi sua autorização , ele me deu o Ok, e todo vaidoso me mandou algumas fotos para ilustrar esse tópico, se denominando "sexy Vince".

(Lembrem-se que na Holanda os loiros de olhos azuis/cinzas/verdes predominam), então não pense que é coisa inventada, porque em uma das fotos ele nem está tão lindo...como é, bem normal, inclusive ele não se acha lá grande coisa...ainda.


Acredito porém, que esse tipo de site se tornou um supermercado de relacionamentos, daqueles americanos, não gostou (do date), troca o produto e recebe a mercadoria de volta...continua no site, até o próximo date, os produtos mais caros ao alcance, os mais baratos embaixo, e o próximo date, e dá-lhe capuccino...até achar a tal agulha no palheiro, e como internet e coca cola viciam, esse tipo de 'procura' também vicia, e chega o momento, que se percebe que o mundo mudou, há o paralelo e o real, que nem Matrix, e também a atenção que se ganha do outro, mesmo que virtual, e assim vamos entrando nas vidas das pessoas, vivenciando outras realidades que não são as nossas.


As pessoas estão cada dia mais seletivas, homens querem ter filhos, mulheres não querem mais ter filhos, outros não aceitam o filho(s) dos outros. Outros adoram jogar tênis ou viajar pelo mundo de mochila e querem uma companhia que goste da mesma coisa. Outro se sente desconfortável por estar numa "maquininha" procurando um parceiro, outro não sabe escrever e se expressar, tem de tudo, outros procuram vender o seu peixe da forma que dá, e eu? Procuro ser mais eu mesma possível em todos os lugares.

Outros têm desespero de ficar sózinhos e abandonados, e querem qualquer coisa do sexo oposto ou do mesmo, pra tirá-los de sua solidão, encontrei um sujeito que queria me comprar com uma casa na Áustria e no Egito, e jardim tamanho dum bonde na Holanda. Com certeza juntaria o útil ao agradável...mas achei que só era o útil, e que nunca fui prostituta e não era agora que seria. E dei um bafão no cara, e ele me respondeu "você gosta de viajar e de jardinagem".(sic) estava no seu perfil...

Casados também aparecem por lá, homens e mulheres...que gostam de dar uma variada no tédio da relação, e procuram mais um stranger para apimentar a coisa. Holandês no geral é um povo honesto, principalmente os homens, se querem sexo procuram sexo, se querem companhia com sexo, ou casar, ou ter filhos whatever...vão direto to the point, diferente de nós latinos.


Outros estão lá, mas possuem uma amargura por causa das relações anteriores, e sem consciência denunciam em seus profiles, noto quanto a exigência na próxima relação, se teve respeito, procuram respeito, se alguém foi infiel, procuram um fiel, e assim vai.


Se após o período, o qual estou inscrita (até início maio 2007) não encontrar um namorado "a minha cara", vou tentar outra modalidade que falarei outra ocasião, o "speed-date", o qual estou curiosa porque adoro um experimento. "Deixe que dizem que pense que falem"...


Como viciada em internet, e também nesse tipo de site (já tive 3 namorados fixos), um escritor/tradutor/e fazedor de legenda pra séries e filmes, um designer famoso holandês, e o meu último que durou três anos. De resto, tive alguns dates desastrosos, e cheios de expectativas com homens maravilhosos virtualmente, mas que não compactuavam com aquela realidade que se diz "BATER O SININHO"(click), que é primordial...pra quem procura o amor, mesmo que esse esteja FOR SALE.
* Foto do 'sexy Vince' acabando de acordar.

Thursday, March 8, 2007

8 de março


Reflexão e pequeno histórico:


"A escolha do dia 8 de março como o Dia Internacional da Mulher não deriva de um acontecimento isolado, mas sim de um contexto histórico e muito mais amplo. A idéia mais difundida é de que a data seria uma homenagem a operárias norte-americanas que, durante uma greve, foram trancadas na fábrica onde trabalhavam e morreram queimadas em um incêndio provocado pelos patrões. Outra hipótese refere-se a uma manifestação das operárias do setor têxtil nova-iorquino ocorrida nesse dia do ano de 1857.
Entretanto, a origem do Dia Internacional da Mulher insere-se em um contexto histórico e ideológico muito concreto, cujo objetivo, em seu começo, não foi rememorar nenhuma catástrofe que vitimou um grande número de mulheres. O texto da resolução adotada pela II Conferência Internacional de Mulheres Socialistas, realizada em Copenhague em 1910, vem confirmar que nem se fazia alusão a nenhum acontecimento protagonizado por operárias que devesse ser comemorado com a celebração do Dia Internacional da Mulher, nem sequer se propunha uma data concreta em que esta devesse acontecer.
Sua origem tem de ser compreendida em meio a ascensão das lutas operárias de finais do século XIX e início do século XX, cujas discussões teóricas, no campo socialista, convocavam à participação política e em cujo contexto tomava corpo a luta pela libertação da mulher. A partir de começos do século XX, essa batalha das socialistas se cruzou com a de um punhado de mulheres independentes, em sua maioria pertencentes à classe média ou alta, que estavam em campanha pelo direito ao voto.
Nos primeiros anos, o Dia Internacional da Mulher era festejado em datas diferentes, segundo os países. A data escolhida pelas socialistas alemãs para essa primeira comemoração foi 19 de março de 1911, data carregada de significado para o proletariado alemão. Nesse dia, em 1848, Guilherme I da Prússia reconheceu a força do povo armado e fez promessas, que depois não cumpriria e, entre elas, a concessão do direito ao voto para as mulheres.
Também houve comemorações na Dinamarca, Suécia e outras nações européias. Nos Estados Unidos a tradição de realizar o Dia da Mulher no último domingo de fevereiro se manteve até 1913. Em 1914, passou a ser comemorado também em 19 de março. Em 1914, a data foi comemorada pela primeira vez em 8 de Março, na Alemanha, Suécia, passando posteriormente aos demais países. "
Fonte: Terra


Parabéns para todas as minhas amigas, por nosso dia, vamos celebrar nossa independência e liberdade. Nenhum homem estaria nesse planeta, se não fosse nós.

Wednesday, March 7, 2007

SEX SHOP - the blue mini-rabbit


Ontem fui encontrar com uma amigas em Amsterdã.

Fui pela manhã, porque na terça tenho uma "babá' fixa
e posso voltar pra casa às 17:30, uma beleza tempo só pra mim e minhas vontades, pegar um trem um livro, fui lendo A brilliant Madness - living with manic-depressive illness (Patty Duke & Gloria Hochman), par perfeito pra viagem.


Fomos a um grandCafé na Rembrandtplein, depois fomos lanchar no La Placé, que sempre tem uns sanduíches naturais, mas não tinha coca zero só pepsi max...e infelizmente não podia fumar, e aquela coisa normal de pagara banheiro, que já faz parte da rotina
Adorei o canudo três cores, e antes disso passamos numa sex-shop (women friendly). aliás não só passamos como entramos, e ficamos admirando a parafernália de coisas, analisando materiais, tamanhos, necessidades, utilidades, as diferenças entre brinquedos e o material humano....o outro.

Não que eu seja uma pessoa despudorada, talvez eu fale mais de minha privacidade do que deveria ou comparado aos outros que acham que é tabu ou se envergonham de falar sobre sexo, eu não, mas falo porque tive uma educação católica, que me deixou ficar bem atrás, e sempre me sentia culpada disso ou daquilo, até finalmente conseguir me "libertar" e por conseguinte liberar a sexualidade que todos nós temos. Hoje graças, tenho desenvoltura, e falo normalmente sobre meu sex-drive, a propósito, high e aprendi a me comunicar com o meu próprio corpo, e ver o que é bom pra mim, emoções e sensações é muito importante, não somente vibradores, ou mãos ou pênis. Mas sexo pode ser uma atividade espiritual, dependendo do ângulo que você vê.


Nesses tempos, que não estou com um partner fixo, o negócio é ir se divertir do jeito que dá, em sex-shops com os absurdos que existem por lá, é bom, mas não é o suficiente, pelo menos pra mim, porque carinho, calor humano é muito mais importante, e com a pessoa que você ama e se dá bem...eu digo, tem uma conexão total, é muito mais enriquecedor.
Somente aqueles que tiveram uma sensação assim com seus partners sabem do que estou falando.


Parecíamos três marocas, mas eu achei engraçado, e ainda quero comprar um Tarzan pra mim, será que terei economizar muito, porque é caro? Sim, está na minha lista. E se você não souber o que é um Tarzan, eu te explixo....hoje em dia tem o google também, não quero que você core, quero que você se libere.


Tenho apenas três vibradores, e o meu predileto é o Brad....Pitt, o mais comum que existe, ponto contei meu segredo.


Foi legal ontem, e não se preocupem meninas eu não vou dar nome aos bois, ou as vacas, hihihi.
Mas se alguém quiser uma informação, confidencial...é só me perguntar, ou simplesmente quiser conversar.
Uma das amigas precisou ir - buscar as filhas na escola, e ficou eu e outra e fomos ao de Jaren tomar um expresso...que delícia. Sempre gosto de ir lá, e se você não é daqui vale mesmo uma visita.
E o assunto vai, e acho que nós mulheres nos deixamos levar muito pelos outros, etiqueta, moral e bons costumes, educação ,é tudo às vezes tão 8 ou 80.
Enfim...


Esse ai da foto é o vibrator chamado - the blue mini-rabbit.


Tenho a leve impressão que os fabricantes, estão me tirando um sarro, com esse nome.



hahahahahahahahahahahhahahahaha



Girlzzzzzzzzzzz just wanna have fun....que nada estou saíndo pra votar agora.
É época de eleição de província na Holanda, vou votar no PvdA (partido dos trabalhadores).

Tuesday, March 6, 2007

Eclipse lunar


Sábado, 3 de março de 2007.

Uma amiga veio de Amsterdã, me visitar e passar o sábado comigo.
Nesse final de semana, resolvi fazer um chill -out...nada de Roterdã, Amsterdã, cidades grandes, grandes emoções, sair atrás, resolvi ficar em Leiden.
E no nosso cardápio tinha, dois tipos de menu, primeiro ela iria cozinhar para mim...aliás para nós, um arroz com camarões gambas (aqueles gigantes) com acompanhamentos. Fomos ao mercado, onde se encontra produtos frescos e todos os ingredientes necessários, eu sou mais supermercado...porque sou uma criatura prática e preguiçosa.
Tivemos uma pausa para sentar num café aconchegante para tomar um capuccino/chocolate, e quando chegamos em casa, ela preparou o tal jantar - e como é uma cozinheira de mão cheio, ficou divino, que eu pensei que seria um risoto...mas não era.
Ápós o jantar resolvemos sair na "night', hahahaha que piada, mas de fato existe uma cena noturna em Leiden, principalmente para os chatos estudantes universitários que se divertem horrores, e pros babies faces holandeses em geral, pra gente como a gente, é tentar se enturmar (dificílimo), ou sair com o próprio grupo.

Fomos a pé (normalmente saio de bicicleta), e quando ela me falou, olha a LUA QUE BONITA ESTÁ CHEIA, eu olhei assim meio sem interesse porque estava ocupada com o cadeado na minha bicicleta. Fomos primeiro no bar FORTALEZA, a proprietária e brasileira e o marido holandês. Pra nós brasileiros não tem nada demais, tinha umas pessoas com berimbaus lá, e tinha até comida de graça, mas havíamos acabado de jantar, o bar tem papagaio pendurado, telão, é todo verde e amarelo, e fomos pro Jazz Café - de Duke, todas as noites tem bandas ao vivo por lá, e eu disse....todas, até segunda feira, pra quem gosta de jazz é divertido, e bom pra ver gente. Como ela queria ver um café tipico holandês, demos uma volta e na frente do café os velhos - acredito que acimade 55 anos, começaram a fazer sinal pra entrarmos....fugimos correndo, porque pelo amor de Deus, ainda não estamos desesperadas, e preparadas para caridades com a terceira idade, normalmente aqui eles têm bigodões hiperbólicos, não suporto homem de bigode.

Resolvi mostrar à ela um pub que frequentava com uma amiga escocesa a Esther, quando éramos singles, o pub North End...estava cheio e a tal frequência de estudantes universários. Sentamos ao balcão, e ela pediu cerveja e eu....coca cola. Ao nosso lado estava um cara, que eu nem olhei pra cara porque não sou indiscreta, mas peguei o isqueiro dele pra acender o meu cigarro....(mal educada) sem pedir. Na noite sempre gosto de fazer umas bobagens deste estilo.
Minha amiga vou chamá-la de Madresilva, achou o cúmulo(sendo que ela mesma pega cigarro acesso da boca de strangers como isqueiro) e eu resolvi pedir desculpas pro sujeito, e sendo que ele não falava holandês, tudo ficou mais a vontade, pra minha amiga que ficou acredito, umas duas horas falando com ele.
O sujeito era difícil de decifrar, apesar de eu opiniar, querer entrar na conversation....senti que ele tinha olhos e bocas pra ela, o que eu não achei problema nenhum, porque eu só gosto de homens com sexapeal ou com elán, e ele não tinha nenhum nem outro, até tentei "captar" um charme inexistente na criatura, mas não achei.., e olha que adoro um inglês, sotaque, voz, polidez, língua, pele branca...e por ai vai.
A pessoa se chamava Lawrence, e estava bebendo café expresso, dois copos de conhaque (um barato e um caro) e uma cerveja guiness irlandesa - daquelas gigantes. Assim...solitário e parecia contente....com seus dois celulares, tudo arrumadinho a sua frente.

Quando não se bebe álcool, se vê o mundo com outra visão, ou seja, na visão da realidade...e a realidade pode muitas vezes ser enfadonha.
Olhava ao meu redor, e não via nada em que pudesse me agarrar pra pelos menos me sentir, que estava no sábado a noite, saindo....tentando me divertir, me entreter, as pessoas com cara de normais, eu normal....sem beber, eles naquele papo furado, que não me dizia absolutamente nada, o que não se faz por amizade, até paciência estou aprendendo a ter.
Quase sempre me diverto sem bebida, mas por causa de minha medicação(quem acompanha esse blog, ou me conhece sabe porque), a bebida natural que faz parte da minha doença, sumiu por causa dos medicamentos. E os tais estímulos que antes, poderiam aparecer do nada,
agora estão escassos, e tudo fica sem tempero...normal....realista, assim sem graça mesmo, lado positivo... às vezes me concentro bem, às vezes não, às vezes me sinto um vegetal, todos os dias são iguais, foram-se as grandes emoções, mas não desisto.

Opto....por não dizer os clichés que "reality sucks"..., mas só sucks...quando você coloca na cabeça que sucks, sim estou aprendendo com neuro-linguística e também carma, e assim a realidade sucks lesser.

E pra não perder o fio da meada, depois de uma agoniante estada em um bar sentada, digo de carteirinha que odeiiiiiiiiio ficar sentada, em bar...principalmente no bar, bebendo coca cola, e quando não tenho nenhum assunto filosófico de bar pra resolver, ou uns olhos verdes a me convencer que a vida vale a pena, ou com amigos íntimos por perto que falem de tudo e nada, mas mesmo assim é inspirante, tudo contrário fica muito chato, e a porta da saída é a minha melhor amiga.

Saímos e fomos dançar no Oloroso, é um barclub...quando vi as tímidas luzes da pista de dança, pensei comigo meu elemento....aliás quase, era ao bar dos six packs, mas eu não vi six packs nenhum porque todo mundo usa muita roupa no inverno, ai que lástima.
Minha amiga, depois de várias rodadas pagas pelo Mr. Lawrence, já estava começando a ficar animada, e ia de vez em quando pedir ao DJ "Make me Shake"....DJ...you don't make me shake, make me shake.
Se eu fosse o DJ, já teria pedido demissão, hahahaha.....Make me shake...bom, eu não parava de dançar, e a minha amiga....é o tipo de pessoa - existe esse tipo- que gosta e se diverte de desafiar e "cutucar' digamos assim os outros, e de certa forma he made us shake....mas o lugar é provinciano e não ajuda, e resolvemos puxar mais uma vez o carro.

Continuamos nossa peregrinação e dirigimos para a o MásYMas...holandês tem mania de que nome de lugar tem que ser latino. In casa, Mas YMas, Oloroso...bueno, no Más e Más era um festival de picumã/amapoa (mujeres) na pista....olhamos e saímos correndo, a concorrência tava demais, pocahontas demais, e tudo na faixa dos 20... Fomos no Odessa ao lado, lá...um festival de crianças de 14 anos, pelo sneakers sujos e rostos com acne deu pra ver, numa mesa sentados havia quatro meninos, via o meu filho. Éramos vovós por lá, e realmente lá não era o "nosso" lugar, aliás o meu lugar era a cama.

Resolvemos voltar para o ponto de partida, porque a fome dela havia batido novamente...e ...
De volta a estaca zero o bar Fortaleza, sentei no bar, e eis que vi um Nerd maravilhoso do meu lado, no máximo uns 25 anos, e pedi" Wil je voor me een guaraná trateren???" (***paga um guaraná pra mim please)...o menino ficou passado e disse, o que????
Isso não é holandês,....então, não paga....simplesmente respondi, e fica conversando com esse seu amigo a noite inteira, babaca...(só pensei)
E ele, claro...o que você quer mesmo???? Guaraná e você(pensei com os meus botões...)sinceramente adoro nerds, com óculos, o jeito de ser, ar tímido, acredito que não entende nada de anatomia feminina....ou sim?

Resultado ficamos "amiguinhos". O garoto estuda economia, e faz websites pra dentistas(say what?) Ok, telefones trocados, nunca se sabe, e depende de mim se terá uma continuação....porque percebo quando eles querem 'ter experiência". Saímos do Fortaleza...eu e Madresilva. Olhamos pro céu e a lua estava quarto minguante.Olha a lua mudou, ela disse.
Minutos depois em casa....de minha sala, há um janelão grande de vidro, ela olha pra fora e diz:

-Olha lá, a lua mudou de novo está quarto crescente agora.
Lembrei-me de ter lido algo sobre o eclipse lunar, e respondi...é um eclipse e continuei fazendo que tinha que fazer.
No dia seguinte a certeza do eclipse lunar, ela não estava tão embriagada, e eu estava bêbada de coca cola, como sempre.

Sunday, March 4, 2007

Ida Feldman e as 40 voltas


Ai que maravilha, fullhouse hoje, prato predileto pra falar, aliás nunca tenho um só.
Minha grande amiga IDA FELDMAN completou 40 voltinhas anuais nesse planeta.
Parabéns querida, foi ontem dia a 3 de março, e sim ela é pisciana.

Pra quem mora em São Paulo, tudo bem...ela é figurinha carimbada (que cafona essa expressão), mas ela é mais que isso, a Ida é a cara de São Paulo, e poderia ser a cara de Buenos Aires, Tóquio, Nova Iorque, Londres....etc...e ela também é única, a cara dela, e nunca nascerá outra que nem a Ida, uma pessoa autêntica, ë que também passou pelo porão do Madade Satã, e quem passou por lá conhece o slogan "quem é diferente, é diferente", hahahaha.
Uma pessoa muito rica, apesar de que em cada aniversário dela, já virou um clássico suas listas de presentes, aliás ela fica uns tempos com antecedência pentelhando os convivas. Não, na lista não conta uma bola de volley, ou de futebol...mas diárias da faxineira, sessões de massagens, DVD's até piradas, e outras coisitias más, aliás tudo pode estar na lista, dependendo das necessidades dela.

A Ida tem coleção de muitas coisas, Topo Gigios é uma delas, e prémios como fazedora de vídeo,(videomaker). Vá no meu orkut e você poderá saborear um vídeo S&M dela, noir...com a nossa saudosa Charlotte Maluf., tá lá no Youtube, entrar na comunidade do Nelsinho o filho dela que até na Holanda já deu umas voltinhas, não se engane Nelsinho não é gente, ele é um boneco de pelúcia feioso e caíndo aos pedaços.

Ida não é só do signo de peixes, é filha de peixe daqueles e bons, o cineasta Aron Feldman, que foi um dos presentes que tive quando morei em São Paulo, de conhecê-lo em vida, e também de usufruir do seu brilhante trabalho. Vi alguns filmes no apartamento deles, os originais.

Mas minha amizade com a Ida, começou há duas décadas atrás no Nation Disco Club, ela era novinha e havia voltado pra São Paulo, depois de uma temporada em Belo Horizonte, ficamos amigas, colegas de trabalho, e até brigávamos...de vez em quando, sempre por causa de bobagem. A Ida aparentemente é uma pessoa exótica, tem uma beleza sui generis, ela é mais branca do que o Omo lava, e os cabelos encaracoladas pintados de vermelho e suas tatuagens também são especiais e sua marca registrada, e ela também tem estilo próprio, o que ela gosta, lhe fica bem. As tatuagens por exemplo. "Contem celulites", "Made by Aron & Fani Feldman, e fora as outras de bonequinhas, carrinho de supermercado na barriga....bom, chega se não vocês vão conhecer todo o corpo dela, e se você for um bofe careca ela vai querer que você conheça por si.

Vim aqui falar do pic nic que rolou no parque Alfredo Volpi (aquele artista plástico brasileiro das "bandeirinhas"), e aquele parque em São Paulo. Apareceu logicamente, vários amigos por lá pra comer bolo, assoprar as velinhas, e espero que ela tenha ganho alguns presentes da modesta listinha, e a fazer a bagunça que a gente gosta, sim porque apesar de longe, faço parte da tchurma.

É nesses momentos que gostaria de pegar um avião, e passar um final de semana pelos trópicos, só pra dar um abraço, levar meu presentinho e comer bolo com coca cola.

De qualquer forma, sempre estou em pensamento, não é mesmo.
E amigo a gente sempre guarda, no lado esquerdo...

Van harte gefeliciteerd Ida, não...não tô te xingando é Feliz Aniversário em holandês.

Saturday, March 3, 2007

Sexta-feira com meu "anão de jardim"


Filosofia de vida da Bebete numa sexta a noite, por opção em casa e na companhia do KABOUTER(anão de jardim).- melhor ser uma biba de viscaya do que uma bicha de tocaia- seja qualquer coisa na vida, mas jamais um "anão de jardim"- quando você achar que está tudo perdido, o bofe não te quer, o bofe te maltrata, vá para cozinha e faça um bolo de cenoura, a Beth tem a receita no blog dela.- se os outros te pisam no pé, não te convidam pra festa, mas dizem que são seus amigos, e você foi barrada na boite no final de semana, e o seu salto quebrou e deixou seu pé em frangalhos, continue na pose, passe mais batom, exagere no pó, e pense...segunda feira é chata pra todos.- Se dizem que Deus é brasileiro, será que brasileiro fora do Brasil é protegido por Deus(???)- Sexta à noite, você sózinho em casa, nunca ousou pagar um michê, come aquele bife engolido, toma uma coca zero, ou quem sabe aquela lasanha congelada de 1 euro, afinal de contas tem que pensar no modelão da próxima festa...e te bate aquele ar de solidão, que nada, pense que você tem amigos no orkut, que adoram xeretar a sua vida, e outros querem falar com você no skype, ou no MSN, e quem sabe os milhões de emails que vc recebe com convites virtuais, correntes, festas, festas e + festas...e vc nunca vai e aqueles pedidos, seja meu amigo, seja meu amigo, seja meu amigo, eu sou o coooooooooooolllllll da cobra, lembram???Faça-me o favor, quem se diverte hoje em dia, bebe até cair, se droga que nem um louco, não tá nem ai pra nada, tá todo mundo de rabo preso com algo, ou pra não vomitar no tapete da Ikea do amigo, pra não perder amigo, e dá-lhe estrelas de fãs, eu confio em você...really??? Que piada.Eu tenho 500 amigos, mas ninguém se importa se tenho uma dor de barriga vulgar.E é só raciocinar, que milhões de almas desse planeta hoje dia estão online, passivos aqui no teclado, com fio ou sem fio, tanto faz...tentando achar um motivo pra rir, pra opinar, pra escrever, pra discutir, pra conversar...pra ficar triste ou alegre, todo mundo quer ser importante, mas ninguém se importa...I don't care if he's milionair or Baudelaire...larilálá.E eu adoro a "Princess Superstar"...Sou sua fã...Lonely people lonely!Mas nunca seja um anão de jardim.


*texto do about me no orkut noite: 2 de março 2007. (o tempo passa rápido em 2007)

Friday, March 2, 2007

Monstrinho branco


Desde setembro do ano de 2006, comecei a ingerir um monstrinho chamado "Carbonato de Lítio"(lithium). O lítio foi até glamourizado no título do álbum da banda Nirvana, o vocalista Kurt Cobain era maníaco depressivo (nome antigo), hoje em dia se chama "Distúrbio Afetivo Bipolar". Eles mudam o nome, mas o conteúdo é o mesmo.

Eu como recebi o diagnóstico tarde, digamos assim, depois de ter vivido boa parte de minha vida sem saber que era bipolar, e nunca haver precisado de remédio algum, e sempre evitei a pílula anticoncepcional...odeio essas rotinas, agora me vejo numa realidade esquisita, bizarra até...aquela de tomar as pílulas santas de cada dia.


Meu irmão possui esse diagnóstico há muito mais tempo que eu, mas não quero falar sobre ele, porque sempre fico triste, em pensar que ele não teve a atenção e as possibilidades que eu tive,
e de que nos anos 80 as coisas eram muito diferentes, sendo que ele é bipolar do tipo 1. O tipo clássico do "louquinho de atar".

O lítio, não faz nenhum mal ao organismo, é um sal, exceto de que você pode ficar com muitos enjôos, ter diarréias, tremores nas mãos, reter líquidos e possivelmente ter aumento de peso, fora que como estabilizador de humor (para a pessoa em questão não ter episódios de mania, hipomania e depressão) você se sente pesado, devagar quase parando, sem energias, e as emoções pelo menos no início do tratamento, não são sentidas plenamente, você fica feliz, mas não fica vibrando de felicidade, você fica triste, mas não chora e se desespera, tudo fica mais ameno e a atitude (pelo menos a minha) é mais passiva.


Eu mesma engordei 7 quilos desde o início do tratamento, tive uma depressão digamos "leve" no terceiro mês, mas em geral estou me adaptando bem, apenas a idéia de que devo tomar todos os dias, e de não saber por quanto tempo ainda, dois, dez, 20 anos...me sufoca um pouco. Penso às vezes de tentar a minha sorte com "Omega 3", que estimula o cérebro a funcionar como deve, mas ainda considero um meio alternativo.


Confesso, que sou muito bem comportada em seguir o tratamento a risca, talvez por que a maternidade assim o exige, e ser uma mãe bipolar e sózinha, não é uma tarefa que estava nos meus planos quando resolvi ter filhos, requer muita responsabilidade, eu que sempre tive síndrome de Wendy...e nunca gostei de brincar de casinha.


Atualmente tenho seis livros sobre bipolaridade pra ler, uma vez ou outra, dou um olhadinha neles, mas já li tudo sobre o assunto, e cada pessoa possui uma vida diferente, e uma experiência diferente, portanto, não me atenho muito à teorias, prefiro deixar o fluxo dos meus dias correrem solto, sempre fui avessa a rótulos, e não é hoje nem isso que vai fazer eu mudar de opinião, e nesse contexto prefiro ser até orgulhosa de mim mesma, aliás orgulhosa por continuar sendo eu mesma.


Acima de tudo, acredito que há muitas pessoas "loucas" não diagnosticadas nesse vasto mundo, e parece que chegará um dia, que toda a população mundial, terá um diagnóstico e um rótulo dentro da psiquiatria, um mundo de loucos, hehehe...não se todos forem loucos, será tudo muito normal.
O velho ditado popular diz, de médico e de louco todos nós temos...um pouco, e se fosse pra escolher, eu gostaria de ter bem menos, digamos um lítio a menos por dia já seria de bom tamanho.

La mala educación


Hoje vou escrever sobre meu prato principal, "la mala educación" - má- educação dos holandeses, e não o filme de Pedro Almodóvar.


E aviso se você é um holandês não leia esse tópico, afaste-se! Porque obviamente o chapéu vai servir. E se você é sangue misturado, pode ler porque não correrá riscos de identificação.


Tive essa idéia, aliás inspiração lendo no blog de uma amiga, se bem que esse tópico faz parte de um dos capítulos do meu livro, sim estou escrevendo um livro sobre minha experiência nesses dez anos de Holanda, e assunto é o que não falta. O tópico no blog dela me chamou atenção, mas eu tive vários namorados holandeses e convivi, não somente lá fora, com os stommewijf(stupid bitch/ vaca estúpida) que já ouvi, e caras de quem comeu e não gostou, e de falta de informação e ambição deles (restaurantes, lojas, e outros lugares).


Os holandeses, realmente me aborrecem, eu acredito que não existo pra eles, e como denominei-os mal educados, assino embaixo, eles são super mal educados, e se não fosse viagem na maionese, faria essa anti-propaganda deles no mundo, claro toda regra tem suas exceções.

Por exemplo tirando de fora o meu ex marido que tem(50%) sangue italiano . Eles são individualistas, egoístas, não sabem o que significa as palavras "boas maneiras", vi muitos comerem com a colher, e não era sopa, creme, colher para ajudar a comer spaguetti, não...

Colher é mais fácil.

Flatulência um assunto tabu, talvez pra nós...pra eles não, até na frente de visitas, até quando que nem eu presenciei, na primeira semana de namoro.
A "criatura" posso chamar assim, porque parecia um animal a ser domesticado, além de quase não escovar os dentes e nos últimos dez anos não ter ido, pasme: ao dentista.
Via na flatulência (vulgo pums, peidos) uma forma de demonstrar o quão a vontade se sentia comigo, e eu deveria estar orgulhosa e feliz com isso, com esse tipo de wind deles.(wind=vento em holandês literalmente e figurado pra flatos.)


I am so sorry, mas eu vi aquilo, exatamente ao contrário, vi que teria que ocupar um papel de mãe, que não estava nos meus planos, avisá-lo que as coisas não eram bem assim por ai, no mundo, em outras culturas, ou seja, soltar pums não era motivo pra se sentir orgulhoso, principalmente quando você tem 40 anos de idade. Passou-se o tempo, ele foi devidamente domesticado, visitas frequência ao dentista, "sorry"(pedidos de desculpas como mandava o protocolo, e assim por diante...ou seria meu gênio latino-americano "autoritário".

Se você é um adolescente, claro...tudo que você aprende como correto, você quer contestar, e faz parte do processo de desenvolvimento de qualquer indivíduo. Mas aos 40, se torna digamos
disgusting, pelo menos na primeira semana de namoro, e agora parece fato corriqueiro mas foi embaraçoso e inesperado.

Acho que até hoje estou aturdida com isso, com o primeiro "stommewijf" que ouvi por essas bandas vindo de uma mulher (um pouco mais velha que eu), e do primeiro esbarrão de um troglodita de 2 metros de altura na rodoviária de Eindhoven, minha primeira experiência com esse way of life deles, empurra e continua e nem se dá o trabalho de olhar pra trás, porque nem percebe que existe outros terráqueos, que também respiram o mesmo ar.


Ademais, o arroto aqui também tem uma conotação "normal', não exatamente como dos chineses, nunca fui na China, mas sei que comida chinesa e coca-cola(depois de Mao), aliás qualquer coisa que entra com gás na sua guela, tem que sair...mas a palavra: Desculpa, nem sempre aparece por aqui.
Quer usar um guardanapo?
- O que é isto?


Take a walk of wild side Babe, e se você for pra rua você verá os maiores trogloditas(sim eles são altos, carecas, loiros, olhos azuis, com ou sem tatuagens), tanto os que andam em grupos bêbados - normalmente eles cantam, umas canções que faltam melodias, e /ou no dia-a-dia as pessoas digamos normais. Os ônibus na minha cidade são vazios, aqui a bicicleta é mais normal, e talvez eu seja a mal educada pra ele, quando não estou disposta a colocar a mão pra direita ou esquerda, quando vou entrar numa rua...se não vejo outra bicicleta por perto, pra que vou colocar, mas sempre aparece algum pra te criticar, e já levei xingões quando a luz da bicicleta quebrou, de gente........idosa.


Vivo levando esbarrão, mas hoje em dia já me acostumei que eles não pedem desculpa, mas procuro evitar e vivo me esquivando que eles não batam nos meus filhos, porque praticamente não tem senso do outro, como se fôssemos invisíveis.
Sai da frente que lá vem gente, pra que a pressa?

Acredito que algo deve ser mudando nesse sentido, e não sei a que ponto e onde começar na sociedade, começo na minha casa. Educando os meus filhos, usar o guardanapo, respeitar o outro, pedir desculpas pelos gases indesejáveis, procuro que eles se conscientizem que certas coias são erradas, se se você achar que essas coisas são certas, nossa sociedade estaria de volta ao tempo das cavernas.
Vá à Roma e comporte-se como os Romanos, please...não aqui, pro seu próprio bem, um dia você vai querer viajar porque a Holandaa é um país cubículo, e ai como fica?

De uma certa forma, admiro que os holandeses dialogam com menos "sangue quente" do que nós latinos, que muitas vezes colocamos a carroça nas frente dos bois, criticamos com mais rapidez e julgamos o outro, e também no trânsito aqui eles são mais educados, mas pelo motivo óbvio, câmeras fotográficas espalhas em cada canto e multas altas se você cometer um delito e cassação da carta (embriaguez, atropelamento, etc).


Sempre o bom senso é o que manda, mas o pior é que muitos nem sabem que isso é má-educação. E assim vamos convivendo, sem o sorriso cordial, sem o melejo no corpo, sem o olhar brejeiro, sem o "desculpa" que não precisa ser proferido. E a Holanda, vai ficando um país cada vez mais feio e cinza.
A minha carapuça de transparência, me diz que não posso mudá-los, e que eles estão muito velhos pra aprender e não vale a pena lutar.
Mas então lembro dos meus filhos, e continuo lutando, doutrinando namorados, e eu mesmo pedindo desculpas em holandês HET SPIJT ME HOOR!

Tchau querida!

Não estamos alegres, é certo, mas também por que razão haveríamos de ficar tristes? O mar da história é agitado. As ameaças e as gue...