Wednesday, July 18, 2007

Ele se foi...eles se foram


É muito estranho acordar, ver que um dia bonito vai fazer lá fora, com uma luminosidade que promete um sol brilhando mais tarde, ir até o quintal e constatar que tem um rato morto, prostrado assim...pela passagem, e imediatamente o que te vem na cabeça é asco, e não chegar muito perto por via das dúvidas, nunca se sabe.

Constato que ele morreu afogado, sim...na noite anterior chovera muito, quase tive uma inundação, esse chão de areia holandês, vai descendo cada vez mais, e as casas vão ficando tortas, e o chão vai ruindo, volta e meia é preciso fazer nova pavimentação.


Ele se foi.


Não tenho gatos, mas o rato se foi, digo, camundongo, mouse, muis...
E nem colocar no lixo posso, porque o lixeiro passa duas vezes por semana, e está tarde demais.
Vou deixá-lo ali, pra ele embrulhar meu estômago cada vez que for pro jardim fumar.

O que deveria fazer com ele, afinal?

Trazê-lo pro lixo da cozinha, e ele ficará se decompondo até a noite de amanhã dentro da minha casa(quinta feira), quando terei o aval pra colocar o saco de lixo lá fora? Sexta feira passa o caminhão do lixo cedo pela manhã...


Na calçada ele não pode ficar, virão gatos...aliás será que um gato gosta de rato morto, ou é somente caçador??? Não, na calçada eu ganho multa, e é contra meus princípios, além de que é bem perto da minha porta de entrada, e não fará lá muita diferença, dentro do saco, fora do saco.

As moscas e formigas já começaram a fazer um banquete, parecem rituais primitivos ao redor...o sol vai pra trás das nuvens timidamente, ele vem e vai, e as moscas vêm e voltam, mas ele continua ali, inerte, nojento, estático, sem vida, sem funeral. Porque se ele fosse um ratinho de estimação, com certeza faria um ritual com cruz cristã e enterraria em um terreno baldio (que não existe na Holanda), ratos brancos vão pro céu e como no Eraserhead "in heaven everything is fine", já dizia a Lady in The Radiator, mas rato sem dono, cinza ou preto, não merece funeral, vá que ele tenha tido uma vida fora da lei, vá que tenha sido pedófilo, bandido ao contrário do Robin Hood, que nem políticos no Brasil que roubam os pobres pra dar pros ricos, ou que não tenha se comportado bem na casa dos pais, e fugido...e assim, não achando o caminho de volta, bateu as botas. Ratos de cor de burro quando foge, são ratos duvidosos. Os brancos são limpinhos - tá me parecendo coisa de espírito de Hitler.


E com uma das poucas amigas que consigo falar ao telefone (e ter assunto), sem precisar mascarar minha felicidade ou infelicidade, ela supõe que o meu meio está Kafkiano, e é verdade...e não melhor do que a morte desse pobre ratinho, condenado pelo destino, sem parentes, sem funeral e ainda por cima ser chamado de nojento, por mim uma pobre bip tentando se desafogar das águas da depressão central.


- Filho, não chegue perto, ele "transmite" doenças! (era o que minha mãe dizia), rato cinza é rato ruim, a peste, agora digo mesmo pro meu filho, e repito tudo, não ande de pés descalços, pegará friagem, não coloque pentes/escovas e jamais sapatos na mesa.


E coincidência ou não, as mortes verdadeiras circundam o meu universo, portanto o nosso, o acidente da TAM vôo 3054, que saiu de minha cidade natal (Porto Alegre) para São Paulo (o perigoso aeroporto de Congonhas no meio das cidades, dos edifícios, casas, postos de gasolina...nitroglicerina pura como dizia o desenho CAIU, e lá se foram quase 200 almas, dentre elas...um deputado federal (gaúcho) e outros VIP anônimos, comoção nacional.


E muitos comentários, notícias. E acharam a misteriosa caixa preta, mas as vidas não voltam pra contar suas versões.
E o rato não volta pra contar sua estória, e ele era um desconhecido pra mim, e na lista dos quase 200....só vi nomes, felizmente nenhum parente, nenhum amigo, conhecido...todos strangers como o rato.

- Não confunda rato com camundongo, dizia a minha "mesma" mãe...(mas o shape é o mesmo, o tamanho que muda, a cor, tonalidade) digo eu.
Todos se foram, e nada foi como esse blog, por acaso.
Dead is in the air.


Monday, July 16, 2007

Pausa para o prozac


Quem diria, mas é isso mesmo.


A depressão chegou devagar e de repente, novamente.


Eu que pensava que apesar de minha falta de entusiasmo e lerdeza, estava indo bem no quisito humor estável porque estou sendo medicada há quase um ano com estabilizador de humor, seguindo a risca a litmia, fazendo tudo dentro do protocolo, quase tudo, porque o desânimo começou a aparecer gradualmente e lentamente, num belo dia não conseguia mais correr, no outro comecei a desmarcar encontro com amigos, no outro parei de praticar o budismo, no outro nem meu cabelo conseguia pintar, no outro as unhas precisam ser lixadas, estão enormes e dificultando de colocar as lentes de contato, e sem as lentes fico cega, e ficando cega, as pessoas vêm com piadinhas se você não leu um cartaz corretamente, e você acaba usando o condicionador antes do shampoo...argh!!!!!! Odeio doenças, odeio, ficar velha e cega, odeio não ter dinheiro pra pagar o laser dos olhos, e porque esse seguro de saúde não paga uma parte pelo menos, pois pra mim 4000 euros é muito dinheiro, ai e eu preciso tirar a carta, e descobri que terei que dizer que tomo remédios ininterruptamente, porque se bater o carro, o seguro não paga, e a lista de necessidades e prioridades, vão ficando apenas no pensamento.
Mas ela a depressão chegou novamente, e trouxe junto a "fobia social", insegurança, culpa, pensamentos suicidas, prisão na própria casa, irritação, choro, paralisia, pânico, apatia, fedor (sim porque quando se tem depressão) não se toma banho, não se escova os dentes, não se sente fome, não se quer nada, a não ser sumir, morrer, evaporar, que o mundo te esqueça, porque você mesmo se esqueceu, ah! eu consigo fumar...eu consigo fumar, como sou feliz por conseguir fumar, e fumo fumo fumo fumo...durmo durmo durmo, durmo e fumo, fumo e durmo (também graças ao seroquel).


Isso é vida?


No início dá pra contornar um pouco, fazer uma piadinha aqui outra ali, mas não dá...o pensamento fica fixo, o pensamento de morrer, morrer diferente, morrer porque parece a única saída, todas estão fechadas, escuras, você não tem a chave, você se sente um nada, mas até pra morrer sou incompetente, penso numa morte sem dor, penso em uma explicação plausível para deixar para meus filhos, argumentos..."estou cansada", não estava nos meus planos ser doente, não estava nos meus planos perder o gosto pela vida, logo eu, a festeira de plantão, cheia de deboche e vida, cores, vaidade, glamour, prazeres mundanos, sede por tudo, conhecimento, sabedoria, ser a dona da verdade só pra mim. Mas essa foi enterrada metaforicamente, agora é a hora da verdadeira morte, e porque não adianta essa morte. Todos nós iremos um dia não é mesmo?

Até se constatar que não se quer morrer, a gente só quer mudar de "humor", mas é difícil, porque vai-se isolando, e todos abandonam o barco, nós nos abandonamos, eu me abandonei, não consigo me comunicar comigo, fazer contato com a minha entidade, porque perdi a identidade, essa é a diferença de TER UMA DOENÇA NO CÉREBRO, no órgão que comanda tudo!

Que droga, minha psiquiatra perguntou: por que você não me procurou, por que você não me ligou, antes, e a psicoterapeuta já te procurou?


- Não, ainda não, estou numa lista de espera qualquer, dentro do sistema de saúde holandês, e que eu vou dizer, "é muito bom", mas doente é doente, tua vida fica bichada e pronto, e agora pode ser que meu nome suba na lista da terapeuta, é só falar em pensamentos suicidas que eles vão correndo te ajudar.


Você tem uma doença e essa doença é assim, mesmo tomando o santo(s) lítio(s) do dia...pode se ficar assim, pra cima, ou pra baixo, como você está, nessa gangorra...nessa ciranda de remédios, terapias, enchendo o saco e magoando pessoas ao redor, que chatice, e não é como antes, sempre fui uma pessoa melancólica, mas isso é diferente, não é ouvir uma música e ficar reflexivo, mas é não querer OUVIR MÚSICA NENHUMA, não conseguir ler, dormir, fumar, dormir fumar...
Ela queria mandar o enfermeiro aqui em casa, mas eu não quis. Aceitei que terei que tomar novamente anti-depressivo, e dessa vez um outro tipo, que auxiliará o priadel (lítio) e o seroquel...mama mia, onde fui parar, coquetel.
A farmácia fechou, não deu tempo de pegar o remédio hoje, ela passou imediatamente um fax para farmácia, mas a farmácia fecha as 17:30, cheguei 5 minutos atrasada. Mas amanhã eu vou engolir mais essa, porque tudo que eu quero agora, é não ter depressão.


As coisas estão indo bem, as crianças vão bem, o coração vai bem, tudo está em ordem, somente meu cérebro doente que não...

A única coisa que eu sinto vontade de fazer, é ver filmes. Assisti duas vezes Prozac nation nesse final de semana, filme fraquinho....mas pra mim disse muito, só consigo ver coisas pesadas, dores, ir nas comunidades sobre bipolaridade no orkut, conversar com pessoas que me entendem, porque são parecidas.


Enquanto isso, as pessoas se divertem no verão europeu, nos festivais ao ar livre, saindo de férias por ai, e eu queria tanto ser normal.


Pra mim hoje como nos últimos dias, está tudo escuro, pra não dizer uma M, não tenho a quem culpar, não tenho assunto, não atendo telefone, não quero ver ninguém. As cortinas estão fechadas, e se não fossem pelos meus filhos, acho que não estaria mais aqui, porque não tenho sonho nenhum, ambição nenhuma, não vejo graça em música, não vejo beleza nas flores do meu jardim, e pior nem negativa estou, é assim, adoro que é verão, porque posso sair na rua com óculos escuros, ir até o Albert&Heijn (supermercado), e assim fico na minha, desvio de conhecidos, até na escola meu filho não foi um dia, depois foi levado por outros, e odeio pedir ajuda, odeio ser mãe sózinha, odeio tudo nesses momentos, e as pessoas demonstram compaixão e interesse, mas eu vejo na cara delas, "olha ela a coitada"..."tudo bem com você?" eu me vingo depois saindo no maior modelão, toda maquiada - maquiagem que não aparece, cabelo pintado, linda POR FORA, realmente maravilhosa, óculos de sol novo, sapato novo (e milhões de roupas que eu compro, pra não ir a lugar nenhum)...essa é a minha vingança, toda emboletada, cheia de pose, pelo menos...graças ao prozac, priadel, seroquel bla bla bla.


Mas amanhã a farmácia vai abrir, tenho a receita da minha dealer, é só ir lá buscar, não é o prozac é um outro tipo, dose mais branda e "abrangente", de nome EfeXor...vai fazer efeito.

Tuesday, July 10, 2007


Como estou sem a mínima vontade de escrever, vou colocar uma lista que vai e vem na minha cabeça, sei lá é um papo comigo, contigo, convosco, conosco, bem ou mal, ruim ou bom:

- obrigação, tira essa palavra dai;
- visitas, uma está em Ibiza, outra mora em Berlim, outro está em Londres, outra está na Suíça...e virão todos pra Holanda, será que vou dar conta de tantas visitas?
- cruzando os dedos pra minha viagem a Ardennen com as crianças;
- cruzando os dedos pra minha viagem a Marselha com o grupo budista, pra mim tá parecendo parto "o que será que eles vão fazer comigo?" Será que lá tem o chá de Daime, o Luiz(meu shakubuku pai) me mata, se souber que eu comentei aqui, ele leva tudo a sério;
- pensando nas coisas a serem feitas depois das grandes férias das crianças, dessa vez o Dimitri (meu filho), vai prosseguir com o tratamento com a fonoaudióloga, e eu pretendo não surtar no consultário dela como na última vez, mas a burocracia do médico da família me irrita, tudo precisa do aval do médico da família, mesmo quando o médico da escola receitou/indicou, e lá fui eu no médico da família ele me deu o papel, e agora eu preciso de um papel novamente, uma carta do tal médico da família porque a outra expirou;
- queria tanto poder falar para algumas pessoas que conheço pra elas PARAREM de serem íntimas de Oliveira comigo, elas nem sabem que eu nasci em Porto Alegre por exemplo; que ficam mandando email, e querendo o meu bem, MEU BEM pra mim é canção do Ronnie Von..........Meu Bem!


- Ultimamente tem chovido muito, nem dá pra aproveitar o jardim, agora que os lírios estão desabrochando, e mais algumas rosas estão abrindo;
- Por que eu não tenho a mínima vontade de lavar os vidros dessa casa, tem vidros demais aqui, grandes, tem que pegar escada...ai ai ai e vem uma chuva horizontais, e mancham os vidros novamente;
- Já estou começando a ENJOAR de todo o vermelho que coloquei aqui, tapetes, cadeiras, capas de almofadas, vasos, luminárias, cinzeiros, porta velas, caixas da IKEA, e a bola na parede...pintada por mim, minha obra de arte sem arte, queria um xtreme makeover pro meu living room, vivo mais aqui do que em qualquer parte da casa, acho que vou escrever pra um programa de TV;
- Por que é tão difícil pra POBRE (digo, pobre aqui na Holanda como eu), se mudar de CASA, porque holandês se muda tão pouco?

resposta:

- burocraria(burocracia + porcaria), falta de moradia no randstad(região das grandes cidades: Amsterdã/Roterdã/Utrecht), mudança é caro, porque você pega uma casa com nada, e tem que pintar, colocar chão, colocar as obrigatórias CORTINAS, senão a sua casa fica que nem a Red light district (região das putas)...todo mundo olha pra dentro, pelo menos as putas tem luz negra, mostra assim sem querer querendo o corpo, fica tudo bonito na luz negra, nunca mais fiquei pelada de janela aberta.
E quando você se muda, tem que MUDAR de endereço, e pagar pra tudo, escrever milhões de cartas pros milhões de seguros, imposto federal, prefeitura, cabo ou ADSL, seguro de funerária obrigatório, seguro de incêndio na sua casa, roubo, etc, e mais outros milhões que tem de estar informados com o seu endereço, todas aquela montanha de faturas mensais, ai já estou cansada;
E fora que a mudança aqui é feita por conta própria, quantos mais amigos pra ajudar melhor, porque pagar um caminhão de mudança, e mão de obra é muito, mas muito caro mesmo, e eu que não tenho nenhum amigo de infância, nem imagino como fica.

Mas mesmo assim queria me mudar, apesar de que fiquei sabendo se for mesmo morar em Amsterdã, vou ficar sem alguns finais de semana só pra mim, como tenho tido nesses quase 6 anos de divórcio (separação)...será que valerá a pena, abrir mão disso???E depois Leiden é meu refúgio, porque Amsterdã só é bom quando você mora bem, morar mal em Amsterdã, com vizinho chato do lado, encima, embaixo, aqui pelo menos tenho uma caduca do lado, e um estudante universitário ao lado que não cuida do jardim, tá virando uma Amazônia no jardim dele, mas ele não tá nem ai, já fui assim e entendo. Mas no interior é fogo, coloquei uma "batinha/túnica" dessa da moda, e uma mãe turca na escola do meu filho já me chamou de sexy porque tinha um decote, ai ai ai, será que terei que usar a burka?


Apesar de estar fazendo 15 graus, para um verão, estou feliz que é verão...e que nem está tão quente assim.
Só que sujei minha bota de camurça cinza no festival Werfpop nesse último domingo, a bota ficou com lama...quem mandou querer fazer modelão em festival, e pra que existe festival se não dá pra fazer modelão, cada um a seu jeito, pinks and punks se encontraram por lá até flyer de que eu era responsável pela mudancá climática do planeta eu recebi - do Greenpeace??? EU? Não tenho carro, viajo esporadicamente de avião, reciclo os papéis, as garrafas toda santa semana, uso energia verde (que é a que danifica menos), eu responsável???? Faça-me o favor?

- E depois da febre do ogro 3(Shrek), comprei o DVD do Ogro 1, com um dragão apaixonado pelo burrico, é porisso que eu digo, qualquer maneira de amor vale a pena.

- E por falar de amor, uma amiga continua apaixonada, e agora eu queria jogar na cara dela, lembra que você falou que no início "é sempre assim...fazer amor no chão da cozinha nos primeiros anos, e depois (#CENSURED#)" aquela da Blitz "eu dizia que era ela/ela dizia que era eu), porque ela não acreditava mais, e eu falava que era possível, mas quem diz que ela queria ouvir? Estava vindo de um divórcio, e estava tentando entrar nos eixos, mas não acreditava no AMOR, namoro, encontros, companhia..., necessidades de contato corporal/espiritual/amoral.
Nunca concordei porque tive um relacionamento FABULOSO com alguém durante 6 anos no início da minha vida adulta, e todo o lugar era o lugar, o que me fez ser expulsa de um prédio, porque estava usando o elevador para tal, já contei isso né? E mais do que sexo, era o sentimento em si, a conexão com a pessoa, é aceitação às diferenças, admiração, fechar os olhos pros defeitos, porque todos nós temos, mudar o outro, pra quê? Eu acho que nasci Amélie sendo Bebete, falando de amor, fico até com vontade de casar na igreja e tudo, vestindo preto(?).
E mesmo agora, posso dizer que sou apaixonada por uma pessoa há muito tempo e cada vez que o vejo, sinto o mesmo frio da barriga como na primeira vez, e o resto acaba aqui;

- Me pergunto, se não tivesse seguindo a risca o tratamento se estaria mais magra, ou menos inchada, meus peitos estão enormes, me sentiria SEXY se não fosse pela barriga e estômago protuberante, why? Remédios, o que eu não faço pra ser normal, estou me sentindo...JURO grávida, sem estar grávida, sem ânimo, com uns desejos malucos, sábado foi comer moqueca de camarão, gastei só em camarão uns 20 euros, fora os outros ingredientes, e outra COCA COLA, tem dias que tem de ser coca cola, sim COCA COLA, desejo profundo, e me lembro agora que comprei um documentário InsideDeep Throat., no Brasil o filme foi proibido até, que eu me lembre, chama-se Garganta Profunda, mas no documentário, deu pra perceber que certas pessoas, não estão preparadas pras surpresas da vida, Linda LoveLace(a que tinha o clitóris na garganta) e fazia muito boquete, morreu na pobreza, tentou um come back fraquinho, mas já estava velha demais, muito triste, só mais triste é o documentário de 4 horas do Spike Lee(When the leeves Broke - A requiem in four acts -2006), sobre o furacão Katrina que acabou com New Orleans e a população, e por coincidência eu vi uma t-shit super legal no festival Werfpop sobre o (pelos pubianos femininos)Good bush/Bad Bush....e o Bad Bush todo mundo sabe quem é, não sou bofe, mas a t-shirt é engraçada, no docu o safado tirou férias, bem na época do furacão, e que a região é explorada, como colônia, é tirado do solo muito óleo, mas o dinheiro vai pra outros estados como o Texas, será que Bush colocou a culpa nos terroristas de origem árabe??? Do furacão, as entrevistas vão de hilárias a chocantes, sem ter drama demais, mas a do coronel responsável pela edificação do NOVO MURO, dizendo que ele vai ficar igual ao anterior (que foi completamente levado pela água é de rolar de rir) se não fosse triste. E foi legal um rapper ter falado na TV que o Bush n ão dava a mínima pros negros, assim na lata live.
Minha fase documentários, acho.

- E às vezes eu mesmo me trapaceio, há dias que estou com um probleminha irritante, o cadeado (aquele cadeados fixos que tem por aqui) na bicicleta que você usa com a chave, sem abri-lo você não sai do lugar, pois o "dito cujo" está emperrado, o que me toma vários minutos por dia, pra sair e entrar na bicicleta. Resolvi ir no fietsmaker (loja de bicicletas/mecânico)...achei que deveria comprar outro, e um bom está na faixa de 25 euros, resultado, o cara veio com um óleo "milagroso"...colocou no buraco lá, e a coisa começou a funcionar como nova. Juro eu AMO ESSE CARA, o conheço há anos, e ele sempre me quebra todos os galhos, e muitos de graça, coisa rara por aqui.
Acho que um dia vou surpreendê-lo com flores, ou sei lá que. E olha, ele não é feio, também não é bonito, é tipico holandês, olhos azuis, porte alto atlético - claro é mecânico, mas eu não gostaria de ter nada com ele, mas simplesmente mostrar o quanto ele é importante pra mim, nesses anos todos, nesses pequenos reparos de graça.

- Pensei mais uma vez seriamente hoje em tirar a carta, existe hoje em dia uns planos por prestação, e tirar a carta pra mim significa:

- fazer umas 30 aulas (cada aula na média de 35 euros por hora);
- cada exame custa na faixa de 250 euros (e aqui muita gente não passa pela primeira vez, eles dificultam cada vez mais), e fazendo uma conta por cima teria que ter uns 3.000 euros no mínimo em cash, e mais uma babá pra ficar com as crianças, nos horários diferenciados, noite por exemplo...

- Ouvi alguém falar que vai me emprestar esse dinheiro? E depois comprar um carro barato de 1000 euros e fazer amizade com um mecânico qualquer, juro....eu conheço um marroquinho, mas não quero date;


- Agora sério, pensei também em fazer minha cirurgia a laser nos olhos, tá difícil...nessa semana (e olhe que estamos na terça) uma mãe riu de mim porque eu não li o texto todo (letras pequeninhas), sobre a conversa entre professores/pais, eu li as letras grandes, mas na verdade eram 8 da manhã, eu levendo às 7 mas às 8 ainda estou dormindo, sem lentes, sem óculos, não li a palavra urgente. Porisso que digo, não suporto rotina, todo santo dia the same (como é quando se tem crianças), queria mesmo ter babá e empregada, mas sei que um dia eles vão crescer, e ai voltarei a ser eu....e morar não em Amsterdã, mas em Londres ou NYC se conseguir o greencard. Algum americano quer ter o passaporte europeu ai???? São Paulo vai estar bom.

- Tja (tiá) como se fala em holandês, e assim virou uma lista longa.

Tuesday, July 3, 2007

Uma lerda no mundo agitado


Tenho um novo brinquedo, um telefone celular Sony Ericsson, super moderninho com tudo que se tem direito, telefonar, mandar sms's, câmera fotográfica de vídeos, MP3, rádio, internet - esse eu tirei pq tinha que pagar mais, e também muitos games em 3D.
Quem escolheu o modelo foi o meu filho, com um argumento técnico.
A cor é vermelha no tom bordeaux, bem diferente do meu antigo Nokia cinza.
Mas eu gostei muito do painel, que é grande, e pra uma ceguinha é sempre conveniente isso.

Mas eu estou a lerdeza em pessoa, virei eu uma ogra, o verão tem sido de chuva, 15 graus...isso é verão?
E não há muito a fazer a não ser a rotina diária, ir ao dentista, escola, levar no judô, compras, lojas, arrumar a casa, pensar na vida, sonhar acordada.
Final de semana passada fomos assistir Shrek the third, e eu gostei muito, apesar de perder muitas coisa com a dublagem em holandês, prefiro ler em holandês do que ouvir, mas essas animações modernas são bem superiores mesmo.
No sábado Dimitri tirou o diploma B de natação, o A ele tinha conseguido umas semanas atrás( e eu tinha ficado doente) e a Dominique conseguiu o A na segunda feira na escola.

Tarefa cumprida, principalmente pro pai deles que era pessoa que os levava na natação. E ele deve estar feliz que não vai precisar mais acordar cedo todos os sábados, ou pelo menos não ter a obrigação que tinha.

No próximo domingo é o festival de verão de música em Leiden o werfpop e esse eu não perco, todo o ano estou lá pra ver as bandas, dar uma banda, e fica num parque super legal, com cara de festival mesmo, mas o tempo tem que colaborar senão fica muito chato.
E na próxima sexta em Londres meu amigo o DJ Renato Lopes vai tocar numa festa, com outros DJ's e a festa é organizada pela Simone Rutuolo, que morava no ABC...num deles lógico. Pena não poder ir assim, sem compromisso.

Na semana que vem tenho visitas de Berlim, a elétrica Sabrina Fidalgo tá chegando, e com certeza vamos tricotar bastante, assim espero, ela está envolvida em um projeto que é um documentário sobre os bailes funks no Rio de Janeiro.

Quantos aos meus amigos, não tenho visto, só falado ao telefone. Tenho uma amiga que está apaixonada, e curtindo a vida real, bom pra ela.
E eu de certa forma também estou vivendo mais a vida real do que a virtual, estou reassistindo filmes velhos, adquirindo CD's de músicas velhas, bandas velhas, não que seja uma fase nostálgica, mas os releases são tão fraquinhos, e compro muitos DVD's pras crianças, aliás a coleção deles é bem maior do que a minha, comprei recentemente Spiderman 2, e gostei bastante do filme, e do vilão, adoro os vilões que sempre fracassam no final.

Estou me sentindo a mocinha boazinha do filme a Mary Jane - MJ como o Peter Parker a chama, ele vivia dando desculpas e nunca ia assistir a peça encenada por ela, do Oscar Wilde, estava sempre sem tempo por ser o Spiderman e aquela velha estória de não poder revelar a verdadeira identidade. Ah! esses super heróis dramáticos.

Finalmente chegamos no mês de julho, em breve irei pra França no curso de budismo, mas amanhã é um dia crucial nesse mundo agitado, a data de falecimento do meu pai, 4 de julho, dia da independência americana, fácil de lembrar em vários sentidos.
Parece que foi ontem agora que estou lerda e o mundo gira gira gira frenético ao meu redor, ano passado eu estava mais rápida que o mundo, todos eram devagar, pensavam devagar.
E como eu percebi no ano passado, meu pai virou estrela...e está lá no alto, todas as noites, cuidando de mim, de todos os seus filhos.
Quem sabe não é ele o responsável pela minha mudança?
Porque há prazer na lentidão, como diz Kundera.
Quem sabe.

Tchau querida!

Não estamos alegres, é certo, mas também por que razão haveríamos de ficar tristes? O mar da história é agitado. As ameaças e as gue...