Wednesday, December 21, 2011

Arrependimento e perdão

Muitas pessoas falam sobre: eu me arrependo disso e daquilo. O que seria se arrepender de experiências, escolhas passadas que não se pode mudar?
Tem gente que se arrepende de ter seguido um certo estudo, outros de terem tido um relacionamento que acabou e deixou feridas ainda não cicatrizadas, outros de se mudarem de cidade, de estado, de emprego, de casa, mas as pessoas esquecem que naquele exato momento e situação, era algo que se queria.
Se arrepender, esquecer (desapegar), se perdoar, é aprender a lição até certo ponto. Pra mim é escolha não se arrepender, e porque no último mês ter lido sobre dois amigos que mencionaram o assunto em blogs, eu quero dar a minha opinião e visão sobre essa palavra e suas irmãzinhas, remorso, frustração, sensação de infelicidade, e a não valorização de experiências da vida, falta de apreciação à nossa vida (atual), insatisfação.

Agora deixa eu contar como lido com essa palavrinha, arrependimento sempre soou uma palavra estranha pra mim, se arrepender é o juízo presente de uma atitude tomada no passado, a constatação do erro (irremediável ?), a dor da consequência, a sensação que na nossa vida em algum momento no remoto passado pudesse fazer com que o nosso presente fosse mais feliz ou diferente, dando assim outro rumo (ao nosso presente = negação do atual), ou seja, talvez fôssemos uma pessoa completamente diferente (o que também não existe). Nutrir arrependimentos é achar que erramos e que o erro é ruim, é deslocar o (suposto) erro (que num determinado ponto era acerto, ação, atitude tomada = passado). Isso pra mim soa estranho porque por mais que hoje em dia se saiba que não agimos corretamente todos os dias do passado, o erro = aprendizado, era essa a nossa intenção naquele momento a agir daquela exata maneira, a tentativa de acerto, ação.  A vida é uma ininterrupção de acertos, erros, lições, prejuízos, danos, mais erros, mais acertos...acredito que até a velhice, mas é muito mais do que isso, é busca à felicidade plena e autêntica, que significa basicamente estarmos confortáveis com nossas ações, atitudes, ou seja, nos apreciarmos de todas as formas, apreciarmos ser quem somos e nossa vida.

Uma das coisas na vida que procuro estar atenta e consciente é de fazer o uso ou não de palavras, que muitos sabemos possuem uma força poderosa, tanto para o bem como para o mal. Claro que às vezes me pego falando umas bobagens, mas a minha educação foi de não usar determinadas palavras tidas por minha sábia mãe como palavras negativas.
Desde pequenos aprendemos muitas palavras, mas ignoramos o valor real do significado dessas palavras na prática, na nossa vida prática, às vezes as palavras são bem óbvias, e simples e ficam enraizadas na nossa mente, porque afinal já (achamos) que sabemos o que ela define. Muitas vezes papagaiamos definições sem nos darmos conta, do verdadeiro significado, eis minha reflexão.

Muitas vezes na minha vida segui minha intuição, outras vezes nem tanto, errei muito e acredito que continuo errando, a vida é uma escola contínua, não precisamos obter notas, mas devemos sempre ter em mente que arrependimentos não ajudam em nada à evitar cometer erros futuros, é torturar o presente, é bloquear a essência e dinâmica da vida, ao invés de evitar cometer esses erros (que certamente virão), devemos aprender a lição do perdão, da auto-apreciação (mesmo com esse erro tal erro do passado).

A mente precisa estar alerta, é preciso entender a lição,  usar de sinceridade, com quem? Consigo mesmo ora bolas.

Precisamos parar de achar que o passado poderia ter sido diferente "se"..., não é, isso gera insatisfação, e uma vida miserável, à quem queremos agradar afinal?

Voltar atrás ninguém pode, se arrepender na minha opinião é desperdício de energia, se eu pudesse voltar atrás...faria isso/aquilo diferente, muito bom, mas isso também não existe, só em conversa entre amigos. A vida precisa ser vivida no presente, tudo que aconteceu conosco no passado, faz parte do passado e melhora nosso presente, e até se nos arrependermos de algo, paciência já virou passado, não poderá ser mudado, e creio que sempre acontece algo em nossa vida  do qual não gostamos, que gostaríamos que fosse diferente, não existe nenhum ser no mundo que tenha tido uma vida perfeita, sem erros, sem dor, e até sem 'arrependimentos', mas como lidamos com isso é que faz a diferença.

Se num momento X da vida, tomamos uma decisão (atitude) Y...e hoje nos arrependemos (erro), devemos saber que esse "erro" foi de certo modo um acerto, pois só através do erro, de experiências das mais variadas, da conscientização, conseguimos nos perdoar, seguir em frente e acertar cada vez mais (crescer e amadurecer), através de uma filosofia de vida baseada na sabedoria, nas profundezas da alma e do auto-conhecimento, pois aprender a se perdoar também é uma lição e das mais valiosas. Já associei, a palavra arrependimento com experiências não vividas, não escolhas supostamente erradas, mas mesmo assim não vejo isso como verdadeiro, isso é algo que li, que me disseram, e que estou nessa fase em minha vida tentando desaprender, pois como se pode se arrepender de coisas que não se faz? Se não fizemos "nada", que supostamente é alguma coisa, que "deveríamos" ter feito no passado, não seríamos quem somos hoje. Lógico, se a criatura está insatisfeita com a sua própria vida, é outro assunto.

A vida é um grande tricô, uma rede, está toda entrelaçada com nossas escolhas, nossos relacionamentos familiares (nosso histórico), nossas tentativas de acerto, nossos relacionamentos no ambiente em que vivemos (amigos, conhecidos, comunidade, cultura, etc) nossos medos, nossos sonhos, nossas ações no passado, lições aprendidas, e principalmente com nosso pensamento e interpretação perante as coisas, a própria vida, as mudanças internas, o passar das horas a compreensão e aceitação das coisas serem como são.

É uma questão de escolha (pessoal) não usar a palavra arrependimento deliberadamente, a não ser quando se faz um mal à alguém, volto o pensamento atrás e digo: causei o mal à Fulano, e não quero fazer novamente, me vinguei do Sicrano, hoje eu não faria igual, pisei no calo, me alterei, usei "drogas", bebi demais, hoje modero. Aí entra a lei de causa e efeito, causamos e o efeito vem, é uma lei universal como várias outras, carma. E todo carma começa com um pensamento transformado em ação, a não ser que a pessoa acredita em vidas passadas, em carmas imutáveis e outros limites da mente e prefere colocar a "responsabilidade" na vida passada, na família em que nasceu, no pai, na mãe, na sociedade, no governo, na economia, no mercado, nas ações da bolsa, no laudo médico, nas circunstâncias em geral... e por ai afora.

Quer a pessoa na vida, possuir arrependimentos o melhor remédio é erradicar no fundo do coração essa palavra do vocabulário o mais breve possível, que como já citei, é uma palavra torturante...e proferí-la por si, significa que ainda não desapegamos dela, continuamos no nosso presente com a mesma à tiracolo, ela está lá invisível, mas pesa, e carregar algo pesado é desgastante e cansativo.


Desapegue, desapegue da culpa, portanto, desapegue do arrependimento. Viva uma vida daqui pra frente, escolha viver desse modo, é uma escolha, ou pelo menos eu fiz essa escolha, aprenda com o passado, agradeça ao passado, a máquina do tempo não foi inventada, é muito romântico a idéia do Super Homem voltar no tempo e salvar a namorada, dar aquela voltinha mudando a rotação da terra. Ele pode, é ficção.
E quanto a nós, devemos seguir em frente na nossa realidade, olhar de vez em quando pro céu estrelado, esquecer da terra, apreciar esse céu, apreciar as incontáveis estrelas.
Feliz 2012 à todos nós!







2 comments:

Beth Blue said...

Feliz 2012 pra você e suas crias também! Adorei o texto, dá mesmo o que pensar...mas vou te contar, eu ainda estou longe de alcançar este nível de desapego. Estou longe de riscar a palavra arrependimento do meu dicionário. Até tenho tentado conscientemente usá-la menos (o que já é um começo).

E digo mais, estou longe de me perdoar pelas escolhas erradas que fiz no passado. Se eu pudesse resumir em uma palavra a lição que tenho a aprender seria: perdão. E não no sentido de perdoar os outros mas a mim mesma. Eu sou perfeccionista e isso me atrapalha mais do que ajuda. Eu ainda sofro as consequências de uma certa escolha. E fico me remoendo...

Mas também sei que um dia "a ficha cai" e eu aprendo a lição. Quem sabe em 2012?

Obrigada pelas suas sábias palavras.

elaine said...

Puxa que texto bacana Bebete, obrigada!

Eu que ultimamente tenho dito e pensado umas coisas horríveis quanto a arrependimento. Horríveis porque eu já sei melhor, não devia estar me levando por essa ladeira a baixo... Genuíno o seu texto, me tocou e me lembrou. Vou levar essa sementinha para a minha próxima sessão de terapia :^)