Saturday, March 22, 2014

From here to Eternity - HER

Ontem à noite fui assistir HER (Ela no Brasil) Uma estória de amor (Portugal). Pra variar fui sozinha, vou de bicicleta, levo meu smartphone  meus fones de ouvido e o desligo nos últimos 3 minutos, sempre tenho a companhia virtual de meus amigos no whatsapp, no Facebook, consulto o Pinterest, meu filho (whatsapp), meus exes (pai, Jurgen = amizade colorida), minha música, tudo meu...num aparelhinho acessível, assim não preciso daquele confronto de olhares na minha direção em minha paranóia: 'ela está sozinha" não tem ninguém, síndrome de Bridget Jones. Sim tenho alguns segundos de pensamentos paranóicos em público, mesmo nos altos das minhas 53 voltas em torno do sol, até ligar o botão F. Sim, eu sou uma pessoa altamente sociável, extrovertida, mas quando estou sozinha, estou sozinha e ponto final.
Sorte a minha que hoje em dia conto com excelentes companhias nos mais inusitados lugares, graças à tecnologia, e nada mal ouvir música, sou a minha melhor DJ e música pra mim é de importância máxima, afinal a vida de 'single lady" não é bolinho, é um bom de um cupcake enfeitadinho.



Já acostumei até, mas aquele zum zum zum antes que a luz se apague pode ser um desconforto torturante dependendo do meu humor, principalmente em salas pequenas, em grandes você se mimetiza com a multidão é um mero mais um, mas em pequena você fica fisicamente muito perto do 'outro".

Há 17 anos frequento as salas de cinema e cine clubes de Leiden, e sento assim...no lugar que eu quero, e lá estou eu meio que 'autista', e ao redor os outros: com seus amigos, seus companheiros, raramente vejo pessoas sozinhas, e tem a tal PAUSA, no meio do filme as luzes se acendem e lá vão as pessoas consumir: vinho/cerveja/café/chá...et cetera, ou simplesmente ir ao WC, ninguém pega o lugar de ninguém. Ontem foi engraçado quando uma mulher foi sentar à minha frente, me olhou com aquela cara de reprovação (dela), porque por mim tudo bem...eu, com fones de ouvidos amarelos, meio 'gótica' recentemente descobri que muitas pessoas me vêem como 'gótica' pelo meu amor à cor preta, mas vou direto ao ponto, antes que seja esse mais um texto de blog, inacabado. Tá certo que me interesso pela filosofia wabi-sabi da impermanência e imperfeição, mas não quero soar nonsense.
Adoro ir ao cinema (e assim muita gente da minha geração), percebo também que as salas de cinema estão mais vazias, e não espero companhia de ninguém senão todos os filmes sairiam de cartaz antes de os ver,. Acostumei e até gosto é tudo muito cômodo de bicicleta, pois sou a minha própria companhia na maior parte do tempo, coisas de vida na Holanda, e principalmente pra mim que fico 80% do meu tempo: EM CASA. Sair é o meu grito de independência, liberdade...apesar de amar muito a minha casa.


Tenho visto bons filmes nos últimos tempos, mas nenhum que me dê realmente vontade de escrever (pelo menos nesse blog). Tenho escrito 'notes' no Facebook, que também gosto muito, afinal estou 'sempre' lá, e aqui tenho vários rascunhos, nunca acho bom o suficiente, ou quando começo a escrever, confesso que perco o foco, e vou fazer outra coisa, deixando os textos inacabados. Um dia ainda faço um blog com os textos INACABADOS, ou publique um livro.

HER me transportou ao mundo do subconsciente da ânsia por um relacionamento ideal entre as pessoas, e quero exatamente escrever sobre isso, não só sobre o filme em si,  minha visão e opinião em relação sobre o momento, humanidade...tecnologia, ficção científica, a nossa essência, o meu momento, o nosso momento 2014, século XXI, computadores inteligentes, humanos, e nossos desejos mais profundos...a combinação e influência disso, afinal ainda sou uma garota séc. XX. Conheço o antes - e o depois.


Já estamos quase lá, no filme HER, ou já estamos de certa forma lá: como se fôssemos autistas, não precisamos exatamente do outro, ou a pergunta seria? Para que precisamos do outro? O outro sempre nos decepciona, precisamos do outro pra crescer, mas crescer dói, erramos, eles nos odeiam, nos reprimem, são possessivos, querem nos controlar, nos querem bonitos, jovens, magros, cordatos, inteligentes, limpos, Primeiros nos apaixonamos o layout, mas logo a paixão se esvai, o outro tem sempre problemas, defeitos, o outro morre um dia e nos deixa: sozinhos, o outro vira um esboço, um rascuno mal feito, o outro diz uma besteira imperdoável, o outro fica chato, desinteressante, aparece um outro Amor, Amizade. O outro muda de cidade, arranja um grande amor, nos deixa: sozinhos. O outro está muito feliz envolvido nos seus próprios projetos, nas suas viagens, na sua vida, não tem mais tempo para nós, nós não temos mais tempo pra eles, nossas vidas são corridas, mas quando se vê: já se passaram 53 anos. Mas o que são 53 anos comparados com a eternidade? A imensidão e a expansão do Universo? 

Estamos vivendo em um momento de relações idealizadas em nossas cabeças, queremos que o outro caibam em nossas vidas, em nossas expectativas, nos compreenda, queremos o outro com o corpo forte, saudável, sempre disposto a nos dar prazer, amizade, companheirismo, nos inspire, nos ajude, nos alegre, nos diverta, preencha aquele vazio, nos ampare na queda. Queremos que o outro não nos atrapalhe quando estamos usando a internet, lendo um livro, assistindo um filme, apreciando uma xícara de café, comendo a sobremesa favorita, escolhendo uma roupa para festa, queremos que o outro leia ou decifre nossos mais profundos desejos e pensamentos, nos aceite em nossas inseguranças, nos apoie diante de nossas frustrações. 
O queremos PRESENTE, mas não o tempo todo, queremos o outro apaixonados, assim como nos apaixonados, e só temos olhos pra eles, mas quando o queremos.
Queremos nos apaixonar, e levar essa paixão para o resto dos nossos dias, mas queremos mais do que tudo é ser feliz, é hora de acordar dessa ilusão.


Precisamos o tempo inteiro do outro; interessado em nossas descobertas, o outro girando em torno de nossa órbita evolucionária, de nosso progresso, de nossa rotina diária, queremos ligar e desligar o botão quando nos convir: do outro, porque o nosso só o fazemos ao dormirmos. Que exaustão, estamos cansados, eu estou cansada, e você já se perguntou? Já parou para pensar? Eu sim, o faço praticamente todo o dia.

Seria uma maravilha ter 'um outro" HER or HIM or even IT, uma inteligência qualquer à disposição de nossas horas, de nossa rotina, pronta só pra nós, para nos manter afastados da solidão, não pra brigar com a gente (como gente de verdade faz o tempo todo), que entende nossos problemas existenciais, 'alguém' que nos dê essa sensação de intimidade, companheirismo (meu HTC One mini?), entendimento intelectual (meus amigos whatsapp/Facebook/Vida?), calor humano (?), necessidade sexual mais evoluída (Dating sites, quando alguém gosta de você, relacionamentos que vêm e que vão), alguém que realmente se importasse com a gente (mãe/pai/familiares), nosso bem-estar (nossa própria paz), nossa evolução (sabedoria), alguém ou algo que nos desse um empurrãozinho, para realizarmos nossos sonhos (a voz interior que nos mandar ir à luta para realizar esses sonhos), fosse nosso 'agente', nosso representante, soubesse de nosso talentos, soubesse vendê-los. No caso do filme o livro de cartas do moço, publicado, que vitória, mas se não fosse: Her, lá estaria ele...naquele escritório, levando uma vida de ficção, não sendo o protagonista da própria vida. 


Ando numa fase Allan Watts. AL caiu na minha mão, 'olhos e ouvidos como por encanto. Fui aceita num grupo fechado de ZEN tempos atrás, o qual aprecio e respeito muito, todos os integrantes do grupo, não que os conheça, não que não respeite todas as pessoas que apareçam no meu caminho. Tenho assistido vários vídeos de palestras dele, meditação é...
Faço yoga há anos, medito...e meditar é...

Pertencer à esse grupo equilibra meu lado zen, wabisabi, de yogini...pois isso é meditar, e meditação é... (sinal do gongo), segundo Allan Watts, e assim nesse grupo têm seus membros, pessoas que estão em sintonia com meu momento zen, sabemos que não somos importantes, ZEN. E a importância de perceber o Zen.  
Estou nesse 'caminho' digamos há muito tempo, nem lembro quando, meu foco é ser sábia muito antes do zen, algo que aprendo todos os dias, desaprender crenças antigas que não me servem mais, ter paz, procurar a paz, a natureza, seguir a minha essência, tenho vários gurus, não os uso como gurus, pois eles mesmos sabem ou sabiam, que há diversas maneiras e momentos de atingir a LUZ. 
Sabedoria palavra máxima mas sem limites, conhecimento máximo e infinito, parar, não fazer, aceitar, ter paciência, respirar fundo, respirar, calar, ouvir, perdoar, mudar, transmutar, nascer a cada dia, agradecer por tudo, por mais um dia, ...apreciar a vida, como algo grandioso,  uma vida é nos 'dada', muitas vidas e organismos lá fora, mas muita vida dentro, da nossa inteligência, da nossa energia. Uma celebração enquanto durar, equilíbrio, zen, a dádiva de respirar. 

Quando contamos com aquela companhia, aquela inteligência, aquela apreciação, aquele ouvido sincero, aquela voz compreensiva, positiva, empática, evolutiva e sábia de nós mesmos, a consciência disso tudo, encontramos HER, HIM, ITS o outro,  e o outro somos nós e nada melhor que a nossa própria companhia.

2 comments:

Skyline Spirit said...

pretty nice blog, following :)

Skyline Spirit said...

pretty nice blog, following :)