Tuesday, June 3, 2008

O blog de Bebete


Quando eu tento me livrar do ego, virar ZEN, achando que minhas outras encarnações foram no oriente, longe das mundanidades, lá vem ele me seguindo, não o eco, mas o EGO SUN...de vez em quando eles me desenterram, porque pra esse mundo não digo muito, só nostalgia, então o desenterro é pra fazer uma autópsia...de que foi que você morreu mesmo?, e como eu não sou ligada muito em reviver o passado, foi bom e foi ruim e mais ou menos, como sempre é o momento presente.

Ele(o passado) apertou a campainha lá de casa, mas como ela não funciona, teve que bater na porta e bateu e entrou. Na verdade fui eu que mandei desligar a campainha, pra ter menos dor de cabeça com a criançada cabeça de queijo (holandeses), principalmente com um menino que se chama Emil, e descobri que é ADHD - tem problema de hiperatividade e déficit de concentração, o capeta já me aprontou horrores, pra completar a complicação descobri que seu pai é chegado numa branquinha, então pode-se imaginar a educação do menino, que se veste todo bonitinho de sandálias Croc, diesel, todo cool...olhinhos azuis, loirinho, mas nem o nome da escola que está sabe.

Ninguém tá entendendo nada, não é mesmo?

Rewind <<<<<...senão a serial mom te pega, e vai fazer quisadinho de você, e você sabe o que é guisado? Vá pro dicionário de papel, hoje estou um pouco com espírito de porco e vou comer carne porco.
É que depois da entrevista que dei - quem diria, depois de muito tempo para uma revista no Brasil, fiquei assim pensativa que nem um velhinho no asilo. Dei muitas antigamente, fui assunto de roda, e tudo parecia tão normal e tinha até o porquê de vender meu peixe, filas e filas de pagantes no Massivo, fali um pouco no AZE70(mas em termos de élan foi uma coisa louca), tive lucro na Amostra Grátis (minha loja), e também no Latino, até a polícia embestar de ir até lá junto com a TV Globo e TV Bandeirantes, pra ter pauta sobre babado, XTC (ai que novidade), e gente assim como eu, garantia de audiência...a Globo adora ter audiência, e afundando o país e mandando os outros a falência, só que não fui, porque como nunca fui ligada em dinheiro (tenho 25% de sangue indígena), e nada como a liberdade de armar minha oca, onde bem entendo, e fazer o que bem entender da minha vida, sem ter rabo preso com nada e com ninguém.

Quando vim pra essa geladeira aqui (diga-se Holanda), por livre e espontânea vontade, era para sumir de todo esse estigma de uma pessoa que fez e aconteceu.Aquele sucesso, foi bom enquanto durou, me diverti, dei basfonds, e meu passado não me condena.
Lembro de uma vez num dos vários programas da Bandeirantes que era convidada, o da Sílvia Popovich com o tema "Dona do próprio nariz", ah! eu gostava dessas coisas, de ser metida onde era chamada, gostava de EDUCAR, doutrinar os leigos e babacas, que sempre ficam mais e mais banais, mesmo que hoje em dia eles vistam uma carapuça de lobo, quando são cordeiros e vice-versa, e atitude praticamente não existe mais, I wanna be famours, dê-me meus 15 minutos por favor, comprem o meu CD, minha roupa, e leve como bônus a minha alma, NUNCA FUI DESSE ESTILO, nunca fiz esforço pra aparecer por aparecer, eu simplesmente não passo batido, acho que atraio as pessoas, e elas me atraem, simplesmente isso, meu lado gêmeos/gêmeos de comunicação - Mercúrio o mensageiro comunicador, então porisso me sobressai, claro que hoje penso que a BIPOLARIDADE encubada em mim, me ajudou a ser cara de pau, lutar, correr riscos.
Pois não é todo o dia que alguém chega numa cidade de 15 milhões de habitantes, só com um irmão (também maluco como eu), e começa tudo do zero, tudo.

Xi, tô parecendo meu irmão Horácio, e se deixar vão aumentar minha dose de lítio, tá dando pra entender? Afinal o ensaio dele "Baba da Loucura", é quase inteligível, você gasta vários neurônios tentando achar uma maneira racional, linear de pensar.
Seria a nova filosofia da loucura, que sempre tem um propósito funesto, na gangorra entre o equilíbrio (se manter são e aceito), e a decadência, pessimismo se tornando um marginal (se você não tiver sorte no meio do caminho), digo sorte...encontrar pessoas dispostas a te tirar no buraco de sua insanidade.

Mas eu sou diferente de meu irmão, pois a minha bipolaridade é mais branda.

Eu também sou daquelas pessoas antigas, que nunca gostei de me vender...sou orgulhosa demais pra isso, puxar saco, agradar...agrado só a mim ultimamente, e amigos...porque amizade é papo sagrado e gosto muito de caneta.

Lembro-me do programa da Marília Gabriela(já era num canal meia boca, acho que Record (ui) junto com o DJ Renato Lopes, sempre bem engajado com as palavras, e eu mais impulsiva, dizendo o que me vinha a cabeça, fizemos a promoção da festa de 1 ano do Latino com a maratona de 72 horas (primeira no Brasil) com um line-up infindável, MTV cobrindo tudo o maluco que dançou dia e noite sem parar, e também com o CD mixado por Luiz Pareto (o professor nosso de cada noite), e Renato Lopes do See The Sound TV...
A Marília me perguntou, qual era o meu próximo projeto?

Respondi:

- Casar e ter filhos (sic)?

Mas e o seu trabalho na noite?

- Ah! Continua.


E ela como já era mãe disse: - infelizmente você está equivocada filha, não dá pra combinar vida privada (maternidade) com NOITE, no way.

What the F*&%?

Resumo, ela tinha razão.

No fundo eu queria me ver livre daquele aleijo, eta palavra aleijada, aleijo, e daquele estigma NOITE NOITE NOITE, como se não houvesse algo fora da MODA e NOITE no planeta...e daquela panela chata interessada na coluna da Erika e só nas festas, fora os meus amigos lógico, mas como um profeta já previa a massificação de tudo isso, e cá entre nós, eu AMO música eletrônica pra dançar, mas não é o meu way of life, amo MÚSICA de verdade pra ouvir, e I love music, every kind of MUSIC, e meus melhores amigos, moram cada um em cada canto do globo, dá pra sentir o quanto posso economizar em hotel? Het valt niet mee *em ser uma pessoa versátil,flexível como eu.

Mas gostei desse blog ai, falando que eu existo, eu existo, eu existo larilálá? E estou no aguardo da publicação num futuro próximo da entrevista na revista Carta Capital, e o que eu espero sinceramente é que a jornalista Arnild, que é uma pessoa apaixonada pela verdade, uma mulher de palavras e das palavras, essa baiana porreta e apimentada, consiga através da entrevista cada vez mais trabalhos legais.

O mais importante era vender meu peixe e minha imagem, o peixe fresco o "meu trabalho", e a imagem ligada tanto a alegoria (de meus modelões) como o minimalismo de minha mudança, diga-se FASE TECHNO HOUSE, etc, que hoje todos falam sobre como "música eletrônica".

Chega de papo furado, eu sou às vezes uma exibicionista inata, se alguém tiver um remédio pra isso.


blog de bebete

Confiram se forem capaz!

1 comment:

Stuart said...

Oi Bebete. Fiquei feliz ao ler que vc gostou do que escrevi no meu blog. Lá falo de coisas que acho bacanas. Moda,cinema,arte,design e...como saudosista crônico,de coisas,pessoas,lugares e momentos que marcaram minha vida. Vc e toda aquela locureba se incluem aí. Foi só uma petit homenagem à vc e tudo aquilo que aconteceu e - como vc deve ter visto qdo esteve aqui - mudou da agua para o vinho.
É isso,sinta-se amada,lembrada e querido por muita gente que viveu - em gde parte por sua "culpa" - um momento ímpar.

Beijos saudosistas,
Stuart