Thursday, April 12, 2007

Nina Weibull


Não sou exceção a regra de que só tenho tempo pro que gosto.
Sou assim, não tenho tempo a perder, com coisa que não gosto, foi-se o tempo, não é a toa que estou beirando os 47 anos, mais 3 anos terei 50, um tempo considerável nesse planeta, e cada vez mais nem ai pros outros, em geral, aliás nunca estive ai pensando bem, desde pequena segui meu próprio caminho, a tal independência que mamãe falou levei ao pé da letra.


Aliás tenho utilizado meu tempo fazendo muitas coisas ultimamente, e uma delas e pensar, divagar e até encucar com problemas adquiridos no passado, de ter entrado num buraco mais fundo que eu pensava, e me dou ao luxo agora de aproveitar o SOL maravilhoso no meu jardim que fica pro sul. Jardim pro sul, é jardim pro sol, nas melhores horas de sol, e isso aqui é um luxo, mais luxo ainda é ter o tempo livre que eu tenho(da gaiola, faço uma gaiola de ouro), hoje comprei mais uma roseira pra plantar, uma vermelha Nina Weibull o nome, será a minha terceira roseira(as outras são rosas, essa é vermelha porque estou na fase do vermelho), e jardinagem pra me mim, é uma das terapias mais legais, porque você planta e trabalha, e depois de um tempo, uma estação futura colhe os frutos, sente o perfume, aprecia as cores, sendo que curte muito a mão suja de terra, tem que gostar, e ter uma mentalidade pelo menos 1% hippie, pés descalços, havaianas, outdoor life, natureza. E mais engraçado que a primeira flor que eu plantei há 10 anos atrás, coloquei o bulbo de cabeça pra baixo, é que eu nem sabia que existia uma cabeça...algumas deram certo, e tenho até hoje uma florzinha azul escura linda, tipo uma tulipinha.

Peguei o jeito, o way of life holandês, as plantas, as flores, há anos aproveito e me delicio com essa primavera. Se você nunca morou mais que 4 invernos no exterior(país bem frio), vai ser difícil de entender realmente, aquele entendimento que se sente na pele, o que é uma primavera. Eles apreciam tudo o que não têm(não tem sol apreciam o sol), apreciam o diferente, apreciam a natureza, as 4 estações, respeitam os animais, respeitam as crianças, os velhos, os caquéticos, os deficientes, os diferentes, esse trânsito aqui me convida cada dia mais a tirar a carta, vencer minha paúra de dirigir...essas coisas boas, que eu penso, e se voltasse pro Brasil.......esquece o Brasil. Não moro no Brasil, sou" holandesa", quer queira ou não, mesmo que isso seja temporário. E viver o AQUI E AGORA, é a a chave pra felicidade, e principalmente quando o agora é a primavera. E acrescento, aqui agora e eu! (claro depois as crianças), ideais, sonhos, planos...tudo futuro, eu acredito, mas quero viver o agora, cansei do futuro...cansei, não cansei de ser sexy, cansei do monstro futuro, argh!!!!!!!!!!!!!...e plantar é o que há. Você quer esquentar a cabeça, mas não dá...e esquece do buraco, aliás buraco só o que você precisa fazer com a pá.

As coisas que faço parecem nada, mas mais uma vez estou me conscientizando do meu tempo, do meu espaço, do meu universo, do tempo pra mim mesma, e das coisas que realmente gosto e são possíveis de serem feitas, tenho uma força absurda de me desenvolver a cada dia, de aprender, de mudar a minha cabeça, deixar de proferir palavras grotescas, cheias de ranço, rancor, clichês de vida apática, ócio, criei vários métodos pra situações de CRISE, e elas são várias e também ser agradável, mas muito amável comigo mesma.

Aprendo muito com os holandeses, a maneira que lidam com os problemas pessoais, os dilemas, sem dramas, o respeito de deixar o outro se expressar, quando cheguei aqui, era uma "índia tupiniquim", não desmerecendo minha raça, minhas raízes, mas levava cada tapa na cara.
Adoro por exemplo, que os holandeses possuem uma maneira incrível de lidarem com o outro, não gostam de bate boca, não se entregam à intrigas, não fazem o jogo...do OUTRO, e não importa quem seja o outro, filho/marido/vizinho/colega de trabalho/amigo....é o outro, o eu é o eu o indivíduo, e A BARREIRA é um muro invisível mas latente, não pise na minha grama.
É um respeito muito grande ao outro e a si próprio, respeito até as próprias fraquezas, trabalham bem com a culpa, culpa???? Onde?

E isso que estou aprendendo e dentro de muitas coisas, a me respeitar, delimitar LIMITES, entre eu e outro, me diferenciar de nossa cultura, que é PRA TE AGRADAR VOU CONCORDAR COM VOCÊ, e assim vou ME DESRESPEITAR e depois vou SENTIR CULPA, porque te agradei e fui boazinha, mas me desagradei, então me odeio.
Brasileiro gosta dessas panelas, "enjoy the club". E é engraçado que eu sempre me senti fora das panelas e dos rótulos. Aliás se forem pra me rotular, estou em tantos rótulos que terá uma lista infinita, muito cansativo e não valhe a pena. E se eu fosse escrever sobre fofoca, ou outro assunto do jeito, com certeza teria vários comentários, porque as pessoas adoram comentar o que elas conhecem...

Enfim, ultimamente estou DISCORDANDO de muitos, e até criando inimizades, porque exatamente os limites estão sendo delimitados, e porque eu sou mais eu. Me afasto daquilo ou daquele que não me quer ver me ver assim soltinha, animada, aquele que cansa a minha beleza, e quer me manter no buraco do qual quero sair.

Definitivamente, quero ser aos 50, sustentável e leve.
Vou plantar a roseira vermelha.

6 comments:

ketelen said...

sabe que esta semana falei pra minha mãe...precisamos plantar umas roseiras no jardim. Nosso jardim é bem grande e esta muito verde, plantamos algumas balsaminias coloridas,quero um jardim de Monet... com lavandas sininhos...e claro não pode faltar as roseiras.
Bjs

annix said...

Acho que vc quis dizer "JOIN the club", não?

Beth Blue said...

Bebete, só vou dizer uma coisa: pode até parecer que estamos passando por fases (bem) diferentes, mas na verdade são fases bastante parecidas. eu também tenho refletido muito e tentado aprender todos os dias. entre outras coisas: aprender a não fazer tempestades em copo d´água, aprender a ser menos emocional e mais racional (ou ser racional quando devo ser, e emocional quando devo ser, tudo a seu tempo), aprender a reconhecer meus limites e os limites do outro. No mais, no quesito relacionamento, concordo com você: nós brasileiros temos muito que aprender com os holandeses!

Bebete Indarte said...

Não Anna, é "enjoy the club"...que nem a música das Winx(a safe feeling).
xi...

Bebete Indarte said...

Beth, eu faço tempestade em copo d''agua...porque tenho essa porra (e falo isso mesmo) dessa doença.
Mas tô criando uns métodos, pra não esquentar a cabeça, batento a cabeça na parede até sangrararrrrrrrrrrrr,
Meu teclado tá quebrado, arghhhhhhh

Bebete Indarte said...

Ketty linda, cresci numa casa grande, com jardim enorme.
Mas não tinha nenhuma roseira, eu só olhava as rosas dos vizinhos.
Hoje eu tenhoum jardim minúsculo, mas ROSAS.