Saturday, April 28, 2007

Um moço bom e uma boa moça


Encontrei um moço muito bom chamado Theo. Já dei-o um apelido
Theo blue eyes, parece óbvio...mas não é.

E é engraçado, porque estava procurando há meses uma pessoa.

E agora que achei, eu não sei o que fazer.

Essa pessoa em questão era TUDO QUE EU QUERIA e gostaria de encontrar numa outra, uma pessoa que conversa de tudo quanto é assunto. super eclética mesmo, e que eu me sinto super a vontade, como se já nos conhecêssemos há anos. Isso foi desde o primeiro momento que nos vimos, ele estava até com o mesmo blazer preto de veludo, e me trouxe flores colhidas do seu próprio jardim (narcisso).

Eu não queria mais conhecer UM ANIMAL, uma pessoa a qual só tivesse "prazeres carnais" e que não estivesse realmente interessada na minha pessoa, na minha "doença", no meu desenvolvimento como ser humano(tenho ainda trauma da minha relação passada), e mandei meu pedido ao universo, e fui presenteada:

Com um moço bom.

Agora é o momento ideal para uma pessoa assim na minha vida, uma pessoa ponderada.

Uma pessoa que me escuta, que me acha bonita, mesmo com uns quilinhos a mais.

Que não vê problema que eu seja bipolar.

E que tudo que sai da boca dela, é pra me ajudar a me aceitar como sou, uma pessoa tranqüila, que não tenha ataques, neuroses desnecessárias.

Outra, o cara é da minha idade, loiro...olhos azuis(lindos por sinal), corpinho tudo em (a)rriba...não é fotogênico, ao vivo é bem melhor, mas uma pessoa com uma aura super boa, aura boa(?) tô virando hippie também...daqui há pouco tô usando blusa de batik...maquiagem au revoir...e meus produtos da Shiseido, chanel, clinic vou doar pro exército da salvação.

Foi professor de alemão, e agora está procurando outro meio de vida, algo que o preencha

mais e vai pra França fazer um curso de plantagem orgânica, e se gostar vai morar lá.(???)

Enquanto isso pinta, esculpe, cuida do jardim, ouve só música boa(sério), sai com os amigos e amigas, tem vida social normal, e de vez em quando (nas férias) fica com os filhos que moram na Alemanha, a ex é alemã, sua grande tristeza morar longe dos filhos. As crianças são uma graça, e também um casal.

É meio zen, hippie chic moderno...mas não é hippie nem chic...já foi pro Nepal, adora viajar, faz yoga, nordic walk, a casa da criatura e romântica, cheia de plantas, cores bonitas, bem decorada, a geladeira cheia de comidas, cervejas, tem vários vinhos, um carro super bacana, não entendo nada de carro, só sei que ele me traz em casa de carro e mora noutra cidade, não na minha.

O jardim dele é fabuloso, com parreira, várias plantas e flores, e até sapos tem. E um dos hobbies dele é bakken (fazer coisas no forno, torta de maçã, bolos, doces, etc)....


Tudo é tão lindo e perfeito, mas ao mesmo tempo, estou com saudades do tempos que era mais impetuosa, e fazia loucuras, e principalmente saia atacando com a pomba gira a mil...hoje estou mais reservada (culpa do lítio?)...

Me sinto uma nova eu, e sei que mereço um "moço bom" na minha vida, já tava na hora. Mas parece que fiz uma faculdade de masoquismo...e só gosto de grandes emoções pra acordar meu espírito inquieto de outrora, ficar apaixonada me descabelar, e depois ficar em frangalhos...catando os cacos de mim pelo chão...drama queen total, ela faz TUDO POR AMOR, até perder o respeito próprio, seria amor mesmo? Antes eu era assim, agora sou esse papel em branco, e se eu cada dia me surpreendo mais com uma Bebete que toma estabilizador de humor, gostaria de saber se os outros vêem diferença ou não.

É tão difícil quando tudo é tão perfeito, parece que as emoções vão pro espaço, ou seria mudar o carma e aceitar algo diferente em minha vida?
Estou esperando a minha intuição me mandar sinal de fumaça, se é que ela já não está mandando.

Se eu der o fora nele, não vou me perdoar...porque não é fácil achar alguém assim, e se ouvisse os conselhos de uma amiga, ficar só de amiguinho(temos poucos amigos holandeses)....pra mim é tarde demais pra isso...porque a gente já se "grudou" fisicamente...então não tem essa de cada um ficar num canto da casa...de amiguinho. Amizade pra mim é sem beijo de língua.

Só que o meu momento agora é de pura dúvida.

Acho que tenho que dar tempo ao tempo, não faz lá o meu estilo...mas é o mais sensato.

Sensatez (eu disse essa palavra?)

Com certeza eu estou mudando, talvez esteja virando também uma boa moça.

3 comments:

Olaf said...

boa estoria! :). Torco por vc :)

Beth Blue said...

Bebete, que ótima notícia...onde é que você arrumou este tesouro, um desses até eu queria, hehehe.

Vê se não assusta o menino, tá na hora de ser uma boa moça, hehehe.

Antonio Fontelles said...

Oi B,
Por que voce tem que dar "o fora" no moço? Por que dramatizar? Se está bom, vai em frente, oras... cadê o drama da história???
Não entendi o porquê da encucação, sinceramente.
E quem disse que a vida só vale a pena se for cheia de altos e baixos? Você por acaso já experimentou o outro lado da coisa? Já teve uma vida calminha? Se nunca teve, e agora está com medo de tentar antes mesmo de começar, então você é que é conservadora e quadradona, daquelas que só não estão dispostas a tentar nada de novo, que só querem repetir os padrões já conhecidos... que careta.
"Está bom demais pra ser verdade?" É isso? Ora, isso você só vai saber tentando... quem não arrisca não petisca, a vida a gente só tem uma mesmo...
Boa sorte querida, e tomara que esse Theo ainda venha a colher muitas flores pra você.
Beijo, Antonio